O caráter das novas manifestações

Nutro a convicção de que a partir de agora se poderá refundar o Brasil a partir de onde sempre deveria ter começado, a partir do povo mesmo que já encostou nos limites do Brasil feito para as elites

 

26/06/2013

Leonardo Boff

 

Estou fora do país, na Europa a trabalho e constato o grande interesse que todas as mídias aqui conferem às manifestações no Brasil. Há bons especialistas na Alemanha e França que emitem juízos pertinentes. Todos concordam nisso, no caráter social das manifestações, longe dos interesses da política convencional. É o triunfo dos novos meios e congregação que são as mídias sociais.

O grupo da libertação e a Igreja da libertação sempre avivaram a memória antiga do ideal da democracia, presente, nas primeiras comunidades cristãs até o século segundo pelo menos. Repetia-se o refrão clássico: "o que interessa a todos, deve poder ser discutido e decidido por todos". E isso funcionava até para a eleição dos bispos e do Papa. Depois se perdeu esse ideal nas nunca foi totalmente esquecido. O ideal democrático de ir além da democracia delegatícia ou representativa e chegar à democracia participativa, de baixo para cima, envolvendo o maior número possível de pessoas, sempre esteve presente no ideário dos movimentos sociais, das comunidades de base, dos Sem Terra e de outros. Mas nos faltavam os instrumentos para implementar efetivamente essa democracia universal, popular e participativa.

Eis que esse instrumento nos foi dado pelas várias mídias sociais. Elas são sociais, abertas a todos. Todos agora têm um meio de manifestar sua opinião, agregar pessoas que assumem a mesma causa e promover o poder das ruas e das praças. O sistema dominante ocupou todos os espaços. Só ficaram as ruas e as praças que por sua natureza são de todos e do povo. Agora surgiram a rua e a praça virtuais, criadas pelas mídias sociais.

O velho sonho democrático segundo o qual o que interessa a todos, todos tem direito de opinar e contribuir para alcançar um objetivo comum, pode em fim ganhar forma. Tais redes sociais podem desbancar ditaduras como no Norte da África, enfrentar regimes repressivos como na Turquia e agora mostram no Brasil que são os veículos adequados de revindicações sociais,sempre feitas e quase sempre postergadas ou negadas: transporte de qualidade (os vagões da Central do Brasil tem quarenta anos), saúde, educação, segurança, saneamento básico. São causas que tem a ver com a vida comezinha, cotidiana e comum à maioria dos mortais. Portando, coisas da Política em maiúsculo.

Nutro a convicção de que a partir de agora se poderá refundar o Brasil a partir de onde sempre deveria ter começado, a partir do povo mesmo que já encostou nos limites do Brasil feito para as elites. Estas costumavam fazer políticas pobres para os pobres e ricas para os ricos. Essa lógica deve mudar daqui para frente. Ai dos políticos que não mantiverem uma relação orgânica com o povo. Estes merecem ser varridos da praça e das ruas. Escreveu-me um amigo que elaborou uma das interpretações do Brasil mais originais e consistentes, o Brasil como grande euforia e empresa do Capital Mundial, Luiz Gonzaga de Souza Lima. Permito-me citá-lo: "Acho que o povo esbarrou nos limites da formação social empresarial, nos limites da organização social para os negócios. Esbarrou nos limites da Empresa Brasil. E os ultrapassou. Quer ser sociedade, quer outras prioridades sociais, quer outra forma de ser Brasil, quer uma sociedade de humanos, coisa diversa da sociedade dos negócios. É a Refundação em movimento".

Creio que este autor captou o sentido profundo e para muitos ainda escondido das atuais manifestações multitudinárias que estão ocorrendo no Brasil. Anuncia-se um parto novo. Devemos fazer tudo para que não seja abortado por aqueles daqui e de lá de fora que querem recolonizar o Brasil e condená-lo a ser apenas um fornecedor de commodities para os países centrais que alimentam ainda uma visão colonial do mundo, cegos para os processos que nos conduzirão fatalmente à uma nova consciência planetária e a exigência de uma governança global. Problemas globais exigem soluções globais. Soluções globais pressupõem estruturas globais de implementação e orientação. O Brasil pode ser um dos primeiros nos quais esse inédito viável pode começar a sua marcha de realização. Daí ser importante não permitirmos que o movimento seja desvirtuado. Música nova exige um ouvido novo. Todos são convocados a pensar este novo, dar-lhe sustentabilidade e fazê-lo frutificar num Brasil mais integrado, mais saudável, mais educado e melhor servido em suas necessidades básicas.

Comentários

Acho que é de extrema

Acho que é de extrema relevância o comentário sobre um país não ser regido unicamente por interesses internacionais e sim pelo bem estar da população. O Brasil está se forçando ao papel de celeiro do mundo enquanto sua população é desprezada e explorada por seus governantes, hoje o país se investe mais no agronegócio que em tecnologia e saúde juntos. Tristemente esse investimento em pesquisa beneficia unicamente as grandes empresas da agroindústria e não os pequenos agricultores e agropecuários. Outro ramo que pega carona nessa leva de são as transportadoras, o transporte de qualidade para longas distâncias num país de proporções continentais fica completamente barrado por essa máfia. Os moldes econômicos do país estão sendo impulsionados para benefício de poucos e tudo isso com nosso dinheiro.

Acertadamente

Considerei muito boa a manifestação textual de Leonardo...eu o admiro, não só pelo que ele expoem hj neste momento manifestual do Brasil e sim tbm pela sua serenidade em ler os fatos permanentemente...as manifestações ocorridas e que ainda fluem no Brasil são positivas, no contexto de mudanças das ações politicas; chega! Basta! é preciso que de 'FATO' os representantes politicos representem de verdade o povo....

O poder do povo de reescrever a sua história

Belíssima reflexão, principalmente o trecho " a partir de agora se poderá refundar o Brasi". Sabemos que é histórico a corrupção no Brasil, o povo fez essa história quando permitiu a prática imoral que perpetuou nos Congrassos, Assembléias e Câmaras Legislativas, por isso é esse mesmo povo que tem o poder de reescrever e mudar a história.

E a divulgacao de informacao?!

Ola Leonardo,tudo o que voce escreveu ate me comove e me faz pensar um pouco mais positivamente, porem, como uma pessoa que perde muito tempo atualmente vendo as noticias, nao posso concordar q a re-fundacao de um sistema de mobilizacao social atravez da media social seja algo genuino e, pior ainda, livre de erros. Aconselho voce passar meio hora no facebook com seus amigos mais a direita e voce vera uma quantidade enorme de mentiras, sem a vergonha que por vezes alguns jornais apresentam, divulgadas a torto e a direito nessa nova midia. A conclusao me parece eh que a mobilizacao acontece e continuara a acontecer, mas o povo continua ignorante e mal formado para julgar o que eh bom e ruim. Entendo o perigo dessas palavras, mas tambem me preocupa essa quantidade massiva de leis que nao foram aprovadas em 5 as vezes 10 anos, sendo aprovadas a toque de caixa. Nao duvido que a qualquer momento alguem vai propor baixar a idade criminal pra 16 anos, a pena de morte e no dia seguinte com aprovacao do congresso, vamos presenciar a comemoracao da primeira morte em praca publica com aval e para o jubilo de todos. O Congresso deveria ter seu tempo e a populacao deveria tambem ter o direito de melhor se informar antes de pressionar o congresso a tomar qualquer decisao. Parece que estamos vivendo, uma vez mais mas numa situacao geografica diferente, um 1789.. Cabeças podem rolar.. Um grande abraco,Denis

ignorancia do povo

Prezado Denis, ampliando sua afirmação "mas o povo continua ignorante e mal formado para julgar o que eh bom e ruim" saliento que o povo, apesar do esforço de governos corruptos, em todos os níveis e de todos os partidos e ideologias políticas, em mante-lo na ignorância, esta deixando de ser ignorante. O debate as vezes insólito nas redes sociais força este povo a pela primeira vez pensar em política, conversar em política e perceber que o que esta ai não do povo, nem pelo povo e nem para o povo. Mas o q me causa mais indignação é que ex partido dos trabalhadores também se esforça para afastar a democracia E A EDUCAÇÃO do povo brasileiro.

informação

Concordo Denis. Assuntos de comoção social como pena de morte, maioridade penal e outros, não podem ser decididos através de referendo onde o povo é 90%(bigbrodense) e desinformado sobre o assunto. Informação antes de decisão. Um abraço.

afaeas

afaeas

Grande Léo, ser humano dos

Grande Léo, ser humano dos que mais respeito! Oxalá essa Primavera nos aponte a essa caminho... Dependerá apenas de nós. Eles tremem com nossa voz, trancafiados em seus gabinetes-em-refúgio, de nosso brio

Manifestações e mudanças...

Muito bom o texto, com uma análise positiva das manifestações populares que acontecem atualmente no Brasil!  Eu mesma jamais vi tantas pessoas de todas as idades discutindo política, se interessando por assuntos coletivos, acompanhando de perto o trabalho do Congresso Nacional. Alguma coisa nova, algum tipo de "despertar" da coletividade, realmente aconteceu em nosso país!

Deixe seu comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
7 + 10 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.