Mais Médicos: programa atende as necessidades prioritárias do SUS?

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom_ABr

Especialistas e militantes discutem programa criado como resposta do governo federal às reivindicações por melhorias na saúde pública

19/07/2013 

Viviane Tavares

do Rio de Janeiro (RJ)

O governo anunciou, dia 8 de julho, o programa Mais Médicos, que, entre outras ações, pretende levar médicos para regiões com dificuldades de atrair estes profissionais, além de exigir que os estudantes de medicina, como parte da sua formação, passem a trabalhar dois anos pelo SUS. Esta ação – que integra o Pacto pela Saúde que apresentou cinco propostas, – gerou polêmicas entre especialistas e militantes.

O programa Pacto pela Saúde lançado no dia 24 de junho, em uma reunião entre prefeitos e governadores das capitais, garante investimento de R$ 12,9 bilhões até 2014 para a expansão e a aceleração de investimentos por mais e melhores hospitais e unidades de saúde, e por mais médicos.

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), estão planejadas a construção, reforma e ampliação de hospitais, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24h) e de unidades básicas, além de hospitais universitários. O Pacto pretende ainda aumentar o número de vagas em residências médicas, além de perdoar a dívida dos hospitais filantrópicos.

Para o presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Luís Eugênio de Souza, o que este programa prevê é importante, mas não são apenas estas as necessidades do SUS. “Além da construção, é preciso assegurar o custeio das unidades de saúde, assim como é fundamental organizar as redes integradas de serviços”, explica.

Para Luis Eugênio, agora é a hora de fortalecer o Movimento Saúde + 10 – que prevê a aplicação de 10% das correntes brutas da União para o SUS.

“Em um importante ato público, realizado no dia 10 de julho, durante o 29º Congresso do Conasems, o Movimento, liderado pelo Conselho Nacional de Saúde, conseguiu o compromisso do presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Alves, de receber em plenário o Projeto de Lei de Iniciativa Popular que já reuniu mais de um milhão e meio de assinaturas. A entrega será feita no dia 5 de agosto. Creio que, sensível às manifestações populares, a área econômica do governo federal não vai, dessa vez, pressionar os parlamentares a rejeitar a proposta”, informa o presidente da Abrasco.

Menos corporativismo

A opinião de que o projeto não vai resolver a saúde brasileira é unânime entre os especialistas ouvidos pela EPSJV. Mas o Mais Médicos causou reações diversas. Como informa o MS, 22 estados estão abaixo da média nacional na quantidade de médicos, que é 1,8 para cada mil habitantes, sendo que cinco estados têm menos de um médico para cada grupo de mil habitantes. Em 1.900 cidades, a proporção é menor que um médico para cada três mil pessoas, e outras 700 não têm nenhum médico permanente.

O programa aponta que estes profissionais serão selecionados por meio de três editais: um para atração de médicos – estes trabalhadores deverão ser formados no Brasil, brasileiros formados no exterior ou estrangeiros, nessa ordem de preferência. A exigência de participação dos estrangeiros é que tenham conhecimentos de Língua Portuguesa, que sejam oriundos de países onde a proporção de médicos para cada grupo de mil habitantes é superior à brasileira.

Todos os trabalhadores estrangeiros deverão cursar também especialização em Atenção Básica. Uma vez selecionados, o Programa oferecerá bolsa federal de R$ 10 mil, sob a supervisão de instituições públicas de ensino. O outro edital é para a inscrição das cidades que querem participar do programa, que deverão assumir as despesas de moradia e alimentação destes trabalhadores, e para as entidades que supervisionarão este trabalho.

A presidenta do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), Ana Maria Costa, afirma que este é um projeto corajoso para enfrentar um problema crônico no país e aponta que é apenas o primeiro passo para um caminho maior de transformação na formação dos médicos brasileiros.

“Essa medida tem aspectos importantes porque condiciona o médico a passar dois anos servindo ao SUS, fazendo assistência ao povo brasileiro. Além do compromisso do médico que recebeu do setor público uma formação cara e agora é a hora de fazer essa devolução, tem o aspecto formativo do médico em passar dois anos lidando com a população brasileira, que pode servir para fixá-lo nestas localidades. Mas essa retaguarda do modelo de formação tem que prepará-lo muito bem para isso”, explicou.

A Abrasco faz coro à opinião do Cebes em relação à aproximação dos estudantes com a realidade da saúde do Brasil. “A nossa entidade vê com bons olhos a inserção, a mais precoce possível, de estudantes de saúde, mas não apenas de medicina, nos serviços do SUS que disponham de condições adequadas de funcionamento e sempre com a supervisão de preceptores ou tutores. Essa inserção tanto qualifica a formação profissional quanto contribui para a melhoria da qualidade dos serviços”, opina e analisa:

“É importante ainda ressaltar que essa iniciativa governamental revela que a voz das ruas encontrou eco. Se ainda não é o eco perfeito, ao menos, mostra a possibilidade de o movimento social influir na formulação das políticas públicas”.

Médicos estrangeiros

Antes de apresentar o programa Mais Médicos, a proposta inicial da presidenta era trazer médicos estrangeiros de Cuba, Espanha e Portugal para atuar nestas regiões do país. Neste contexto, o Conselho Federal de Medicina (CFM) se posicionou contra a vinda destes médicos. No entanto, se esta ‘importação’ acontecesse, o CFM exigiria que houvesse a aplicação do Revalida, uma prova que serviria para validar o diploma dos médicos estrangeiros.

Com o Programa apresentado no início da semana, a contratação destes médicos só acontecerá caso as vagas não sejam preenchidas por médicos brasileiros.

O que ficou ainda a ser debatido é a questão do exame. Segundo o MS, esses médicos terão registro provisório, portanto, esta prova pode ser dispensada. “A aprovação no exame e consequente validação do diploma autoriza o profissional a trabalhar em qualquer região do país, concorrendo livremente no mercado de trabalho. Dessa forma, se o exame fosse realizado não seria possível determinar onde esse médico trabalhará, o que não resolveria o problema de falta de médicos no país concentrada no interior”, justifica o Ministério, via assessoria de imprensa.

O presidente da Abrasco acha que a avaliação dos médicos pode ser um caminho, mas ele entende que esta revalidação deve ser feita tanto para os estrangeiros como para os brasileiros.

“Assegurar a competência técnica dos profissionais a serem contratados é fundamental, assim como um conhecimento razoável da realidade social do país. No entanto, qualquer processo de avaliação deve envolver as escolas e as faculdades, as representações docentes e discentes”, propõe.

Ana Maria Costa avalia o Revalida como uma queda de braço colocada pelo CFM, já que todas as entidades concordam que o Brasil não quer médicos despreparados.

“Não queremos médicos de baixa qualidade atendendo à nossa população, nem brasileiros, nem cubanos, nem espanhóis, nem de nenhuma nacionalidade... Nós já temos muito problema com os médicos atuais, nós temos uma presença muito grande de mortes e adoecimentos por atrogenia [doença provocadas por intervenções médicas], isso mostra que tem problema de qualidade do médico, particularmente, e devemos buscar fortemente à qualificação destes médicos. Mas também não entendemos que o Revalida, que é uma prova, possa dar conta de apresentar a realidade do conhecimento e da qualidade destes profissionais”, analisa e acrescenta: “o que precisamos é acabar com essas universidades de má qualidade e acompanhar de perto a formação e o trabalho destes profissionais”.

Formação de médicos

A presidenta do Cebes indaga um ponto fundamental: os dois anos serão suficientes para formar um médico comprometido com o SUS? E, ela mesma responde: “Não. Este comprometimento deveria vir desde a graduação”.

Ana Maria aponta ainda que uma medida importante é o fortalecimento das universidades federais, a criação de universidades nos interiores e a extinção das más escolas de medicina.

“Sem dúvida, as referências que hoje existem nas diretrizes da formação médica do Brasil avançaram – o uso de metodologias mais comprometidas, que permitam uma formação mais integral, que leva e conduz a uma visão mais generalista e menos especialista –, mas a tarefa de fazer valer, avaliar o ensino médico, dentro da perspectiva técnica, ética e política é fundamental”, explica e acrescenta: “Se nós mudarmos a maneira como o médico é formado no Brasil, voltado para o mercado de especialidades, voltado para um compromisso cada vez maior com o mercado e menos com o SUS, cada vez maior com a doença e a tecnologia e cada vez menor com a necessidade de saúde da população, se não mudarmos essa ótica da formação médica, essa medida não vai ter grande impacto”

Luis Eugênio, da Abrasco, avalia este programa como uma oportunidade destes profissionais conhecerem a realidade brasileira. “Nos cursos profissionais de saúde, especificamente, é preciso sim enfatizar abordagens que exponham os estudantes à realidade social do Brasil, que é muito diversificada. Nesse sentido, os estudantes não podem ficar restritos aos hospitais universitários, devem ser treinados em outros ambientes, como unidades básicas de saúde nas cidades grandes, médias e pequenas”, explica.

A assessoria do Ministério da Saúde explica que esta nova grade curricular foi inspirada em países como Inglaterra e Suécia, onde os alunos precisam passar por um período de treinamento em serviço, com um registro provisório, para depois exercer a profissão com o registro definitivo. “O objetivo é aprimorar a formação médica no Brasil, assegurando maior experiência prática aos futuros profissionais, ampliando a inserção do médico em formação nas unidades de atendimento do SUS e aperfeiçoando seu conhecimento sobre a realidade da saúde do brasileiro”, explica.

Mais “Trabalhadores da Saúde”

Segundo a presidente do Cebes, os médicos não são a única categoria de trabalhadores que faltam no interior do Brasil e o plano de carreira para servidores do SUS é uma necessidade de todos os trabalhadores da área.

“O que vemos pela primeira vez é o enfrentamento de um assunto crônico, que é a questão dos recursos humanos, mas deve-se tangenciar a questão das outras profissões. As outras precisam de medidas concretas, como, por exemplo, os enfermeiros. Isso está relacionado aos baixos salários, pouca instabilidade, entre outros fatores. Precisamos voltar a discutir dois fatores: a questão do plano de cargos e salários e o ato médico”, explica.

Em nota à EPSJV, o Ministério da Saúde explicou que outros profissionais de Saúde, como enfermeiros e dentistas, também serão contemplados com novos incentivos federais. “Até 2015, o ministério vai abrir mil novas vagas de residência multiprofissional, direcionadas para todas as áreas da saúde além da medicina.

Outra medida será o lançamento do edital do Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab), voltado para enfermeiros e dentistas, que devem atuar em municípios onde já trabalham médicos do Provab”, informa.

No total, de acordo com a nota, serão abertas vagas para 1.500 profissionais, sendo mil enfermeiros e 500 dentistas. Além de bolsa, eles terão acesso a um curso a distância de especialização de 12 meses, com foco na Atenção Básica.

Luis Eugenio, da Abrasco, aponta que faltam todas as categorias profissionais e técnicas. “Tem falta, sobretudo, de carreiras estruturadas. Que as pessoas, no senso comum, confundam médicos com profissionais de saúde, é compreensível, mas que o governo confunda, não”, analisa. (Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom_ABr)

Comentários

Médicos Estrangeiros

Interessante a proposta do governo, pois muitos setores da área de saúde e a população em geral começam a se manifestar. De imediato, o governo deveria agilizar a vinda dos médicos estrangeiros, uma vez que minizaria o sofrimento da população carente do interior do Brasil. Outra: criar um programa de redução radical do exercício da medicina em setores privados. Todos os médicos do Brasil deveriam estar somente no serviço público com impedimento de exercer a medicina na instância privada. Da mesma forma que deve ocorrer com os professores. Saúde e Educação só serão prioridades no Brasil com essas mudanças estruturais. Difícil aceitar as opiniões de profissionais da medicina que o problema é outro: falta de condições de trabalho, etc. Só será possível entender a profisionalização se esta estiver exclusivamente no serviço público, jamais no setor privado.

Popularização das Graduações de Medicina

CamaradasAtualmente os cursos de medicina não são acessíveis a maioria pobre da população brasileira, são os filhos da classe média alta que ocupam as vagas nas Universidades Públicas deste país.Enquanto houver egemonia desta elite nos bancos de Universidades Públicas, não teremos avanços no serviço público de saúde, pois a grande maioria quando formam vão para o setor privado de Saúde.Sou a favor do investimento massivo na qualidade da Educação Básica e Média Pública, de forma que os menos favorecidos de nossa sociedade possam ocupar as cadeiras nos Cursos de Graduação em Medicina neste País, que inclusive é um direito destes.

Deixe seu comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
12 + 5 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.