Cenário político é propício para conquistas, afirma João Felício

Conjuntura é melhor do que há oito anos, mas injustiça social ainda prevalece

 

15/09/2010

 

Renato Godoy de Toledo

da Redação

 

De acordo com o sindicalista e ex-presidente nacional da CUT, João Felício, o cenário mais provável a partir de 2011 parece favorável às lutas da classe trabalhadora. Prevendo a vitória de Dilma Rousseff (PT), o sindicalista aponta que a nova presidente assumiria um país em uma condição muito diferente daquela deixada por Fernando Henrique Cardoso a Lula.

 

“A Dilma, em sendo eleita, encontrará o Brasil com mais força política no cenário internacional, mais respeitado, onde milhões de pessoas passaram a ter uma vida mais digna, mas que ainda é um país profundamente injusto. Por mais que haja um otimismo, é necessário que façamos pressão política, como sempre fizemos, para continuar a distribuição de renda”, defende.

 

Felício aponta que o conjunto de propostas unitárias apresentadas pelas centrais sindicais e movimentos sociais têm como base a realidade atual, mas que não deixam de apontar para o sonho de uma sociedade mais justa. “Creio que a esquerda brasileira tem feito isso de forma correta: apresenta propostas com base na realidade, sem perder o sonho de um Brasil com mais democracia e sem exclusão social, em que os trabalhadores sejam mais agentes do processo político. Nossos documentos seguem essa direção: avanço na reforma agrária, a democratização do Estado brasileiro, conferências, manutenção da política de aumento real do salário mínimo, cumprimento das convenções da OIT e redução da jornada”, enumera.

 

O sindicalista aponta que o governo Dilma terá mais condições para se postar à esquerda do que o governo Lula, por ter encontrado um país melhor. No entanto, ele aponta que as disputas no governo não cessarão, cabendo aos movimentos a pressão para garantir conquistas. “O governo vai continuar sendo de composição com partidos de fora da esquerda. Vai ser um governo de muita disputa, com pressão política da grande imprensa que tem ódio, da CUT, dos partidos de esquerda e do MST”, avalia.

 

Na visão de Felício, o principal desafio de um eventual governo da petista seria aprofundar o processo de diminuição da desigualdade social, mas agora mexendo com interesses das classes mais ricas. “Acredito que teremos condições para uma reforma tributária mais avançada, que é a melhor forma de distribuir renda. Ainda existe uma carga tributária grande sobre o assalariado e baixa sobre o capital. Politicamente, temos que cumprir nossa parte e pressionarmos para mudar isso”, explica.

 

Os avanços no mundo do trabalho dependerão de arrancar algumas conquistas diante dos patrões, segundo o sindicalista, o que tem sido difícil. “Se é verdade que conseguimos mais espaço de diálogo com o governo, o mesmo não se pode dizer do capital, ele continua o mesmo. Sofremos com dificuldades de negociação e perseguição. Precisamos humanizar o mundo do trabalho que continua tendo muita perversidade, principalmente no meio rural”, salienta.

 

 

Choque de educação”

Felício brinca com o termo muitas vezes utilizados por aqueles que defendem o “Estado-gerente” para defender uma prioridade para o próximo governo. “Muitas vezes falaram que o Brasil precisava de um 'choque de capitalismo', mas nunca concordei. Sempre achei que precisávamos de um 'choque de socialismo'. O que vamos precisar agora é de um 'choque de educação'. O governo Lula foi bem na ampliação da rede física das universidades federais, muito melhor que o de FHC. Mas agora precisamos investir em qualidade de educação, porque é inaceitável que as crianças continuem saindo das escolas sem ter conhecimento, não por culpa do professor, que é uma vítima. O futuro governo precisa tratar dessa questão não de forma marginal, como vem sendo tratada”, afirma.

 

Comentários

Deixe seu comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
3 + 9 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.