Apoio à luta por moradia e à Ocupação Vila Nova Palestina

Em manifesto, sociedade e entidades expõe apoio à luta por moradia em São Paulo e à Ocupação Vila Nova Palestina

10/12/2013

Da sociedade civil e movimentos sociais

Nos últimos anos a força do capital imobiliário no Brasil cresceu em níveis absurdos. São Paulo, a maior cidade do país, é exemplo dos efeitos excludentes dessa realidade. A valorização média dos terrenos na cidade desde 2008 foi de 192% e o aumento dos aluguéis foi de 93%, segundo o Índice Fipe/Zap. Resultados: despejos, piora das condições de moradia dos mais pobres e exclusão de populações para regiões ainda mais periféricas.

As mobilizações de junho tiveram um forte efeito de exemplo e milhares de trabalhadores que já vinham sofrendo com este processo ganharam força para mobilizar-se e buscar alternativas dignas de moradia. Assim, nos últimos meses temos assistido ao surgimento de dezenas de ocupações de terrenos ociosos, utilizados para especulação imobiliária, pelo povo das periferias. Muitas destas ocupações, note-se, não têm relação com qualquer movimento organizado.

A Prefeitura de São Paulo parece não ter levado em conta a dimensão deste processo. Atua de forma desorganizada, paliativa e frequentemente repressiva em relação às ocupações. A expectativa de que a gestão Haddad adotasse uma postura de respeito e abertura com os movimentos populares até o momento não se confirmou.

No último dia 29 de novembro, milhares de pessoas organizadas pelo MTST ocuparam um enorme latifúndio urbano de quase 1 milhão de metros quadrados na região do Jardim Ângela, zona sul. Já são mais de 4 mil pessoas buscando uma alternativa de moradia. Até o momento as respostas da Prefeitura têm sido o autoritarismo e a falta de diálogo efetivo.

O terreno tem todas as condições de vir a ser um Projeto Modelo de habitação social conjugada com preocupação ambiental, numa região marcada pelo crescimento desordenado em favor de loteadores privados, especuladores e com a conivência do Poder Público.

O MTST e as figuras públicas e entidades que assinam este Manifesto cobram do Prefeito Fernando Haddad a abertura de diálogo para que esta ocupação – a maior de 2013 – não se transforme em mais um caso de Polícia, tratada à base da repressão e do descaso com o interesse dos mais pobres.

SUBSCREVENTES INICIAIS: Marcio Sotelo Felippe, ex-Procurador Geral do Estado de São Paulo

Paulo Arantes, professor da FFLCH/USP Otilia Arantes, professora da FFLCH/USP

Jorge Souto Maior, jurista e professor da Faculdade de Direito da USP

Jorge Grespan, professor da FFLCH/USP

Francisco Miraglia, professor do IME/USP 

Padre Jaime Crowe, da Paróquia Santos Mártires (Jd. Ângela) 

Raimundo Bonfim, coordenador geral da CMP de São Paulo 

Benedito Roberto Barbosa (Dito), dirigente da CMP (Central de Movimentos Populares) 

Luiz Gonzaga da Silva (Gegê), membro da Direção Nacional da CMP 

Gilmar Mauro, dirigente do MST 

Ivan Valente, deputado federal 

Carlos Giannazi, deputado estadual 

Toninho Vespoli, vereador de São Paulo 

Jair Pinheiro, professor da UNESP 

Debora Goulart, professora da UNESP 

Pedro Pomar, jornalista 

José Arbex Junior, jornalista 

Antonio Martins, jornalista e editor do site Outras Palavras 

Adilson Paes de Souza, coronel reformado da PM e escritor 

Marcia Bier, Procuradora Federal

Kimi Tomizaki, professora da FE/USP 

Mauro Luis Iasi, professor da UFRJ 

Marildo Menegat, professor da UFRJ

Rodrigo Castelo, professor da UFRJ

Rodrigo Ricupero, professor da FFLCH/USP 

Pedro Fiori Arantes, arquiteto e professor da UNIFESP 

Fátima Tardin, arquiteta

Juarez Duayer, arquiteto

Valério Arcary, professor do IFSP 

Marco Antonio Perruso, sociólogo

Alessandro Soares da Silva, professor da EACH/USP e editor da Revista de Psicologia Política 

Mirian Simonetti, professora da UNESP e do Centro de Estudos e Pesquisas Agrárias e Ambientais 

Maria Orlanda Pinassi, professora da UNESP

Luiz Renato Martins, professor da ECA/USP

Felipe Brito, jurista e professor da UFF

Sonia Lucio Rodrigues de Lima, professora da UFF

Javier Blank, professor da UFF 

Matheus Thomas, professor da UFF

Katia Iris Marro, professora da UFF

Ramiro Dulcich, professor da UFF

Ranieri Carli, professor da UFF

Lucília Daruiz Borsari, professora da USP

Raquel Guzzo, professora da PUC Campinas Pedro Rocha de Oliveira, filósofo e professor da UERJ

Maria  Luiza Testa Tambellini, professora da UERJ

Mariela Becher, professor da UERJ

Miguel Leme, professor e diretor da Apeoesp

Padre Antonio Naves, membro da CPT

Nancy Cardoso, pastora metodista e membro da CPT

Aton Fon Filho, advogado

Alexandre Pacheco Martins, advogado criminalista

Andre Pires de Andrade Kehdi, advogado criminalista

Bruno Morais, advogado

Bruno Shimizu, Defensor Publico

Rodolfo de Almeida Valente, advogado e coordenador do Instituto Práxis de Direitos Humanos

Juliana Machado Brito, advogada

Maria Livia Goes, advogada

Clarice Chacon, advogada

Marcela Cristina Vieira, advogada

Thais Rivitti, crítica de arte e curadora

Viviane Narvaes, atriz e professora da UFRJ

Anna Maria Pereira Esteves, atriz


MOVIMENTOS SOCIAIS:
Resistência Urbana - Frente Nacional de Movimentos 

Pastoral Operária Metropolitana de São Paulo

ADUSP (Associação dos Docentes da USP) Conselho dos Centros Acadêmicos dos Estudante da USP

Diretório Central do Estudantes da USP Alexandre Vanuchi Leme

Sindicato dos Trabalhadores da USP

Andes (Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior)

DCE PUC-Campinas

Periferia Ativa

Movimento Nacional das Rádios Comunitárias (MNRC)

Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD) 

MUST Pinheirinho (Movimento Urbano dos Sem Teto) 

Fórum Popular de Saúde - São Paulo

Movimento Fábricas Ocupadas 

Movimento Popular de Moradia (MPM/PR) 

Movimento de Luta Popular (MLP/PA) 

Centro de Direitos Humanos de Sapopemba (CDHS)

Movimento Nacional de Direitos Humanos - Regional São Paulo

Rede Social de Justiça e Direitos Humanos

Espaço Cultural Mané Garrincha

Comitê Pró-Haiti 

ASSOCIAÇÕES E LIDERANÇAS COMUNITÁRIAS DA REGIÃO: 

Associação dos Moradores da Vila Calu Associação Cai-cai (Piraporinha) 

Associação Beneficente Caminhando com Cristo - M'Boi-Mirim

Associação Santa Bárbara (Jd. Capela)

Associação Parque Cavalo Branco Associação Santa Teresinha das Mulheres (Vila do Sol)

Associação Esperança de um Novo Milênio

Sociedade Comunitária do Jd. Valquiria 

Associação Juacris (Jd. Rosana) 

SOS Transportes M'Boi-Mirim

Comissão de Moradores da Comunidade Viela da Paz 

Comissão de Moradores da Vila Praia 

Ivanildo Santos, liderança comunitária do Jd. Colombo/Paraisópolis 

Rosevaldo Alves, liderança comunitária do Jd. Boulevard da Paz 

José Jailson da Silva, liderança comunitária do Bananal Amanda

Cineco, liderança comunitária do Parque Novo Santo Amaro 

Joel Oliveira, liderança comunitária do Jd. Ingá 

Comentários

preciso do meu espaço.

bom dia!meu nome é cristiane sou uma as ocupantes do terreno invadido na vila palestina jd.angela;sou mãe de dus crianças uma de 1 ano e outra de 3 anos pago aluguel e alguém para cuidar das crianças para eu trabalhar pago 500 reais de aluguel e agua e luz chega a uma despesa no valor de 800 reais minha renda é muito baixa para que eu possa financiar uma cas ou apartamento,e preciso de um lar para colocar meus filhos,pois o dono da casa vai aumentar o aluguel  e nao sei para onde correr.o meu desespero me fez tomar esta atitude.e por isso estou aqui para dar uma vida digna a meus filhos.só peço pelo amor de Deus me ajudem a conseguir um lar para eu poder crisra meus filhos. telefone:96262-3463   ou 11-5518-2295obrigada.

Deixe seu comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
3 + 17 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.