A quem interessa a divisão do Pará?

Antonio Cruz/ABr

Após calendário eleitoral ser anunciado pelo TSE, discussão esquenta no estado da região Norte

25/08/2011

 

Márcio Zonta

de Marabá (PA)

 

Uma chuva atípica em pleno verão amazônico fez a cidade de Marabá receber um frescor especial na manhã posterior à divulgação do plebiscito que pode dividir o estado do Pará.

No dia 11 de dezembro de 2011, os paraenses vão decidir se aceitam a divisão do estado em “Pará remanescente”, o estado de Tapajós e o de Carajás.

Se a chuva refrescou a cidade, que nesse período do ano chega a ter uma temperatura de aproximadamente 40 graus, com a notícia do TSE os marabaenses esquentaram ainda mais em debates fervorosos, que perpassam a universidade, as mesas de boteco e as reuniões dos movimentos sociais da região.

 

Esperança e desconfiança

Na capital do eventual estado de Carajás, Marabá, que em menos de cem anos mudou seu cenário de uma vasta floresta para construção de seu primeiro shopping, e, atualmente, vê a maioria de suas ruas fétidas com esgotos a céu aberto, a esperança e a desconfiança dividem a opinião das pessoas sobre a criação da nova unidade federativa.

“Meu voto é sim, embora não esteja confiante. Pode ser uma utopia nossa achar que com a divisão do estado, o sul do Pará vai melhorar em educação, saúde e transporte”, disse a estudante Nilce Silva do curso de pedagogia da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Sua colega de curso, Cecília Guimarães é mais incisiva. “Meu voto é sim, na esperança de uma melhor distribuição de renda”, afirmou.

Ainda andando pelo Tapiri – uma imensa oca que fica na parte central da UFPA de Marabá – percebe-se realmente que o assunto principal dos estudantes não são os trabalhos acadêmicos. Ali, opiniões contrárias à criação do estado surgem. “Sou contra a divisão, isso só vai centralizar poder a um grupo de políticos da região”, diz a estudante do curso de Educação do Campo Claudenir Assunção.

Extrapolando os muros da universidade, o vendedor ambulante Marcelo Vieira, num andar apressado, suado e oferecendo aos banhistas na praia DVDs e CDs piratas com bandas de melody, um ritmo musical da região, ao ser perguntado sobre a divisão do estado pensa e diz: “moço, eu sou contra, vai ser mais político para roubar”.

Já o açougueiro Odvam Lopes, entre uma martelada e outra para desossar uma peça de carne, diz rapidamente: “Sou a favor da divisão, vai melhorar nossas estradas e vêm mais empregos para nós”. Sobre Tapajós, a esperança também vem à tona e o assunto também dita o ritmo de Belterra, cidade que fica a 45 km da possível futura capital Santarém. “Na realidade o que a gente fica recebendo aqui são migalhas que vêm do Estado, do governo do estado lá em Belém.”, reclama o aposentado Sergival Pantoja.

“Há uma distorção na distribuição de verbas para questões públicas e de infraestrutura. Essa divisão é necessária tanto para Tapajós quanto Carajás”, diz Wilson Teixeira, assistente social e historiador, membro da comissão de articulação e mobilização da campanha pró Carajás e Tapajós.

 

Para quê? E para quem?

Mas se a esperança e a desconfiança estão presentes nas ruas, para muitos, antes de qualquer debate precisa-se perguntar quem seriam realmente os principais interessados na divisão do estado do Pará. Residente em Marabá, Rogério Paulo Hohn, da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) discorda da forma como vem sendo abordado o assunto. “Em vez de dizermos se somos favor ou contra, temos que discutir: Carajás e Tapajós para quê? E para quem? Num debate muito mais político”.

Sentado numa mesa do Tapiri, o professor do departamento de sociologia da UFPA Cloves Barbosa remete à história do estado paraense para elucidar a alguns alunos sobre os interesses inclusos nessa divisão. “Esta região já passou por fragmentações e fusões desde a época do império, tanto português, quanto nacional com os governos de Pedro I, Pedro II e Princesa Isabel. No início, o território que hoje é denominado de estado do Pará já fez parte da província do Grão-Pará. Esta província abrangia os estados do Maranhão, do Pará e do Tapajós. A reorganização territorial da República, e mesmo antes, redimensionou os territórios e chegou-se à atual configuração geopolítica”.

E diz aos alunos que tem verdadeira clareza sobre os que querem fazer a divisão do estado. “É uma fração da classe composta pelas pessoas que exercitam o agronegócio. A razão para isto é que as exportações brasileiras vêm enfrentando uma série de restrições, principalmente da região do euro, que é composta de boa parte de pessoas que são sensíveis às questões ecológicas e fitossanitárias”. Com a criação, especificamente do estado de Carajás, o professor diz que seria uma forma de isentar preocupações com os impactos de suas atividades sobre a fl oresta amazônica. “Estes agentes poderão dizer que no estado de Carajás não existem mais remanescentes de floresta nativa, e que a região é de pastagens e de extrativismo mineral. Trata-se, portanto, de um negócio puramente burguês”, explana.

 

Vale e Dantas

Falando em mineração, a principal transnacional da região, a Vale, isenta-se de qualquer debate sobre o assunto, e por e-mail apenas respondeu a reportagem: “Não temos comentários sobre este assunto”. Mas Barbosa alerta, “pode ser que seja mais fácil para a empresa realizar negociações com um estado iniciante e necessitando de recursos do que com uma máquina administrativa estabelecida e que apresenta seus interesses específicos já bem definidos”.

Mas nem só a Vale poderá ser beneficiada com o surgimento de duas novas federações. O grupo Santa Bárbara, do banqueiro Daniel Dantas, seria um dos principais interessados, sobretudo, na criação de Carajás. Segundo relata o diretor regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Jandir Merla, Marabá seria uma capital provisória e a capital definitiva seria construída entre os municípios de Eldorado dos Carajás, Xinguara, Sapucaia e Rio Maria. “É justamente nessa faixa do estado paraense que Dantas mais comprou terras nos últimos tempos, vejo o gado como fachada, pretexto. Para mim, o grupo de Dantas por ser muito forte teve informações privilegiadas e sabia que a nova capital de Carajás poderia ser construída naquela região”, diz.

Tanto que parte dessas terras de Dantas, no momento litigado pelo Incra, para desapropriação para fi m de reforma agrária, é negada veementemente pelo grupo de advogados que defende o banqueiro. “O grupo Santa Bárbara oferece outras terras que estão fora dessa área, mas essas ele não aceita vender para o Incra”, revela Merla.

Vai caindo a noite em Marabá. Antes de o professor Cloves levantar-se para ir embora, dá o último aviso aos alunos: “trata-se de uma grande jogada, e que, se vitoriosa, exigirá que os trabalhadores do campo e da cidade repensem e redimensionem as suas lutas por um mundo igualitário”.

Comentários

vote 55

Os separatistas anunciam aos 4 ventos que dividindo o Pará em três, fica bom, se fosse ser observado só o numero de unidades federativas os recursos seriam os mesmos, entretanto entram em observação os fatores população, (mas ainda sem o estabelecimento de percentuais) com base em: IDH, Renda per capita; Percentual de unidades de conservação e áreas indígenas; PIB; e saneamento básico. quanto a saúde e educação que muito são focados, estes seguimentos da administração pública  alem da estadualização são também municipalizadas, razão pela qual as administrações municipais/prefeitos não podem ficar esperando apenas pelas ações governamentais, e sim irem aos ministérios em busca de convênios (os chamados recursos  Fundo-a-Fundo) e assim desenvolver ações de qualidade em seus municípios. Não podem pensar que os governos estaduais ou federal, estão em seus gabinetes com uma equipe de pai-de-santo no sentido de adivinhar o que está faltando neste ou naquele município, para isso os prefeitos não podem ter "EU"quipe, e sim equipe, no sentido de elaborar projetos com justificativas consistentes,  nestas disposições dizemos que o alavancar para o desenvolvimento de uma região carece do  ombrear dos gestores municipais, desde que estes tenham responsabilidade do uso do dinheiro público, e não usar  como enriquecimento ilícito- e  estes é o que não faltam. Temos vistos que empresário falidos usam mandatos  para recompor  os seus patrimônios, e depois os governadores é que não prestam, se não vejamos, segundo a VEJA,  a Vale repassou R$ 700.000.000,00(setecentos milhões de reais) de royalty, para prefeitura de PARAUAPEBAS, entretanto a cidade de Parauapebas sofre com saneamento e acima de tudo com falta de água, se fosse um prefeito responsável com dinheiro público aquela verba toda daria para por um micro-sistema  de abastecimento de água em cada esquina, é este tipo de administrador que  colabora para a miséria, a falta de educação,  saúde,  e a falta de  bem-estar de um povo.   DIGA NÃO A DIVISÃO DO PARÁ, E VOTE  55 / PESSOA 

Digam Sim a divisão do Pará

“É preciso deixar claro que a população dos novos Estados é que pagará por tudo. A Constituição, no seu artigo 234, diz que a União não pode absorver o custo da criação de novos Estados. Por isso, oriento sempre que o eleitor conheça os pontos dos programas de quem é a favor e quem a contra à criação dos novos Estados”

 

"Os custos pela eventual criação dos Estados de Carajás e Tapajós, caso sejam aprovados no plebiscito do próximo dia 11 de dezembro, serão pagos pelos governos locais, e não pela União. Segundo o advogado e juiz convocado pelo TRE-PA (Tribunal Regional Eleitoral do Pará), José Rubens Barreiros de Leão, a lei não permite mais que governo federal pague a conta pela criação de novos Estados."

 

http://noticias.uol.com.br/politica/2011/12/02/novos-estados-serao-pagos...

quem pagará os novos deputados? o vento?

O custo com novo aparelho governamental é absurdo e desnecessário. É alimentar desejos mesquinhos e individuais de empresários maquiavélicos e políticos despreparados que não atentariam para estes fatos (ou se atentaram estão com "rabo preso" e nem foram eleitos ainda!!!). Não ganhou que ótimo. Povo está aprendendo a ver sujeira onde ela está!!! Vamos chegar lá.

Precisamos mudar sim, os Governantes

Nos precisamos sim é de mudar esses governantes que a cada eleição aparecem e depois somem o Pará é nosso orgulho. Grande porque nasceu grande, rico porque sempre foi próspero, belo porque nasceu das mãos de Deus.

Moro num país que se chama Pará

Vamos pensar como legítimos paraenses antes de seguirmos idéias de forasteiros oportunistas.
Primeiro vamos comparar o Pará com as demais federações brasileiras:
Respondam:
Qual o único estado brasileiro que possui ao mesmo tempo;
Vasto litoral oceânico mais próximo dos mercados europeu e americano para escoamento de produção?
Vasta bacia hidrográfica que torna dispensável uso de estradas e ferrovias para escoamento deprodução além de tornar-se um transporte mais barato e ecologicamente viável?
Produtor independente de energia renovável como as hidrlétricas?
Maior detentor de recursos minerais do planeta (Fe, Ni, Co, Au entre outros)?
Independente de recursos agricolas e pecuarios?
Cultura própria como nossa culinária, músicas, danças, artesanato, folclore e até mesmo lutas como a marajoara?
Sotaque característico e único na Brasil?

Agora vem a pergunta: Poxa então pq o Pará não é maior que São Paulo e Minas que não possuem toda esta independencia natural?

É simples, apesar de sermos indepentes em tudo a UNIÃO fica com a maior parte deste bolo e destribui de forma desigual para as outras regiões!!!

O Pará ganharia muito mais VENDENDO seus recursos para o resto do país como energia, minérios madeira etc...

Além disso uma vez independente o Pará atrairia as industrias para cá que não masi contariam com as facilidaeds da união que favorece sul e sudeste

Portanto ao invés de dividir o Pará, vamos pensar na INDEPENDÊNCIA DO PARÁ DO BRASIL!!!!

Isso mesmo, acham absurdo então comparem e botem na ponta da caneta o que foi escrito acima neste texto

A maioria dos países do mundo não possuem metade do que nosso estado tem
Abçs

SIMMM

Não adianta ser grande e rico, se o povo vive na miseria, voto sim conciente d que contribuimos para o Pará,mas ele não retribue em beneficios para Carajá e Tapajós, podemos mudar a realidade de um PA conhecido no Brasil e no Mundo por ser violento e onde há muita impunidade, por isso:

Belém, Belém, Belém, Belém... não fecha os olhos pra esse povo não... nossa esperança de mudar de vida, nossa terra prometida tá na sua mão...

SE NÃO FOSSE MELHOR PRA TODOS, NÃO VALERIA A PENA DIVIDIR...

VOTE SIM!!! TAPAJÓS E CARAJÁS! É 77 NA URNA!

divisão do pará

ei separatistas,peguem os bens que vocês tem,vendam e dividam com as pessoas menos favorecidas, ai sim, o sofrimento do povo Pará menos favorecidos vai diminuir muito.

divisão do estado do Pará

ô vocês aí, precisamos de politicos honesto sim, de pessoas sérias sim...sabemos disso, mas porque achar que a divisão do pará não vai dá certo se MS e TO são provas que isso funciona sim?...para de fazerem campanha baseado em artigos de quem nunca teve lá... SUL ...voces não conhecem nossa realidade...não dá  pitaco!

PARABÉNS A TODOS QUE DIZ NÃO A DIVISÃO DO PARÁ.

PARABÉNS A TODOS QUE DIZ NÃO, A DIVISÃO DO PARÁ, OS GOVERNANTES ESTÃO SUBSTIMANDO A INTELIGÊNCIA DOS PARAENSES, ELES IMAGINAM QUE VÃO ENGANAR A POPULAÇÃO, SENDO QUE OS MAIORES BENFICIADOS SÃO APENAS OS POLITICO, NÃO É DIVIDINDO O PARÁ QUE A SITUAÇÃO VAI MELHORA, POIS A UNIÃO FAZ A FORÇA.

Não a divisão do Pará

Mas uma vez, os politicos safados deste estado, tentam aplicar um golpe no povo brasileiro e principalmente, nos paraenses, o pior é que como sempre acontece em nosso pais, o povo se ilude e vota em proposta absurdas e que nunca se tornam realidade pelo contrario sacrificam o povo. Os mais interessados na divisão do Pará, não são os paraenses e sim os invasores sulistas, goianos, e do tocantins, que são antes de tudo desmatadores, madereiros, e outros predadores que não tiveram sucesso em seus  estados e não se contentam somente com a depredação de nossas riquesas e querem ser fazer um estado para arrecadarem impostos. NÃO, NÃO E NÃO A DIVISÃO. 

divisao não, repartição!

NOSSA REGIÃO É EXPLORADA?

 


Os separatistas – empresários e políticos que querem a divisão do Pará – se fundamentam em certos argumentos, a meu ver, infundados. Isso por que não justifica a divisão. Ao contrário, fortalece ainda mais a idéia em torno de uma soberania regional! Mas vamos aos fatos:

“A divisão é necessária por que o Sul e o Sudeste do Pará são explorados”, dizem eles. Estão equivocados. Uma vez que É A REGIÃO NORTE POR INTEIRO QUE É EXPLORADA e não só o Sul e Sudeste do Pará! E isso se deve ao fato de ainda não termos saído da condição de SELEIRO DO BRASIL. Continuamos sendo a região que sustenta as indústrias de transformação de matéria-prima em bens de consumo (siderúrgicas e metalúrgicas) do centro-sul do Brasil. Mais ainda, se fizermos um comparativo entre as cidades da região sul e sudeste do Pará (que surgiram a pouco mais de cinqüenta anos) e algumas outras cidades centenárias de outras regiões do estado perceberemos que o IDH (Índice de desenvolvimento Humano), à economia e a infra-estrutura urbana deram saltos consideráveis por estas bandas do estado (sul e sudeste). Enquanto que, algumas cidades de outras regiões (Baião, Mocajuba, região do Marajó, por exemplo), encontram-se no mesmo patamar de desenvolvimento de anos atrás. E, não é preciso ser nenhum técnico da FGV para perceber isso, pois, estes detalhes são perceptíveis a olho nu. São cidades em que as pessoas sobrevivem da economia de subsistência. Ou seja, são cidades que, por não possuírem produção econômica potencialmente forte, sobrevivem de produtos orgânicos que as poucas roças lhes proporcionam e, também, dos poucos peixes que ainda existem – pesa-se aqui o represamento do rio Tocantins pela UHT – são cidades onde a população ainda vive como se vivia há anos atrás.

Ao contrário do que falam, com a divisão, estas cidades correm o risco de se tornarem cidades fantasmas. Isso por que o fluxo de migração destas cidades para o “novo estado rico” será avassalador. Uma vez que, se com o potencial energético, agro-florestal e mineralógico do estado como um todo, ainda não levou desenvolvimento para estas regiões mais pobres e mais antigas, como que a divisão será positiva para elas?

Não é o sul e o sudeste que é explorado, é sim o Pará como um todo. E a divisão, colocará nossos irmãos paraenses na miséria! Não é justo que em função da ganância e do egoísmo de empresários e políticos (de fora do estado) criemos um estado social de miséria! Isso é vergonhoso!

O que devemos questionar é: se realmente vivemos em uma REPÚBLICA FEDERATIVA (do Brasil) e, se é que isso subentende-se uma unificação de estados federados, ditos, independentes – a exemplo das regiões estaduais nos EUA – onde está a soberania dos nossos estados sobre o-que-fazer e onde investir suas riquezas? 

DIGO NÃO A DIVISÃO DO PARÁ! MAS DIGO SIM A MAIS INDEPENDENCIA DOS ESTADOS FEDERADOS COM RELAÇÃO A BRASILIA! 


 

Valdiclei Baia.

 

 

não a divisão

nomericamente seria otimo dividir, mas a politica brasilaira não funciona. Um exemlo disso e nos pagarmos impostos praticamente igual aos paises ricos, e termos estados como o Pará. Se dividirmos o Pará teremos q pagar mais um monte de politicos para roubar nosso dinheiro, então vote não...

NÃO A DIVISÃO DO PARÁ

NÃO PRECISAMOS DIVIDIR, PRECISAMOS DE POLÍTICOS HONESTOS E COMPROMETIDOS COM AS NECESSIADES DO POVO E EMPRESÁRIOS COMPROMETIDOS COM O BEM ESTAR SOCIAL.

DIVISÃO DO PARÁ

EU ACREDITO QUE ESSA DIVISÃO SÓ SERÁ BENEFICA PARA OS POLITICOS SAFADOS, POIS O POVO QUE É O MAIOR INTERESSADO COITADOS, ESSES NÃO TEM AS VERDADEIRAS INFORMAÇÕES SOBRE O QUE PODE ACONTECER OU NÃO, NUNCA VI POLITICO SE PREOCUPAR COM POBRE ALGUEM AI JA VIU? SOU DO PARÁ MAIS ATUALMENTE MORO NO AMAPÁ E VEJO INFELISMENTE NOSSO ESTADO TÃO BOM TÃO COBIÇADO POR MUITOS A BEIRA DE UM CAOS, LEMBREM-SE VOCES QUE PRECISAM DE TRATAMENTO ESPECIALIZADO COMO CANCER E OUTRAS DOENÇAS TERRIVEIS SE EM UM ESTADO RICO COMO O PARÁ JA FICA A DESEJAR IMAGINE EM MAIS DOIS ESTADOS INICIANTES, QUEREM MELHORAR? POR QUE TEM QUE QUE DIVIDIR PARA QUE ISSO ACONTEÇA? ISSO É PRA DEPOIS OS NOVOS POLITICOS DE CARAJÁS E TAPAJOS FICAREM JOGANDO CULPA PARA O ESTADO DO PARÁ A DISCULPA POR NÃO FAZEREM NADA SERA SIMPLESMENTE.(É UM ESTADO NOVO E NÃO TEMOS TANTA AJUDA DO GOVERNO FEDERAL TEMOS QUE TER PACIENCIA, E ASSIM O POBRE MORRE) SÓ UM DETALHE QUANTO MAIS AJUDA DO GOVERNO FEDERAL MAIS ELES ENCHEM OS BOLSOS DELES, PENSEM BEM E PROCUREM SABER O QUE REALMENTE SERÁ MELHOR, DEPOIS DO LEITE DERRAMADO NÃO TERA MAIS GEITO, QUE SEJA FEITA A VONTADE DE DEUS.....

 

Carajás é uma realidade

Estou radicado na região desde de 1986, sou Economista e Engenheiro Civil.

Criou-se nessa região uma CULTURA que a caracteriza. Adoro e admiro a rica Cultura Paraense, que hoje está restrita ao Nordeste Paraense. Nos do Sudeste Paraense (CARAJAS) já estamos identificados por nossa própria cultura este fato determina a criação do Carajás (mais cedo ou mais tarde).

TEMOS QUE PRIMEIRO ACABAR COM

TEMOS QUE PRIMEIRO ACABAR COM OS POLITICOS CORRUPTOS, E QUEM SABE DAQUI ALGUM TEMPO DIVIDIR.

Quando o assunto diz respeito

Quando o assunto diz respeito a o estado, enquanto nação, meu caro, penso eu que não trata-se de identificação cultural. Pois até mesmo de uma rua para outra em cada cidade há diferença cultural e por que não, de uma casa para outra. Enfim, cultura não justifica nenhuma divisão dessa natureza.

Não é necessário ser nemhum especialista nesse assunto para perceber que isso, em verdade, não diz respeito aos interesses do povo. Além do enorme gasto que vai proporcionar aos cofres públicos, isso em época de crise financeira no mundo e com um grande evento prestes a acontecer no Brasil (a Copa do mundo), temos a criação de novos cargos para políticos que não só os paraenses vão ter que manter.

Eu, sinceramente, achei um absurdo que uma questão como essa seja decidida em um plebicito e ainda mais apenas no estado que está prestes a ser violentado (mais uma vez).

Ao invez de gastar dinheiro publico nisso, por que não investir na soluções dos problemas do estado. Certamente, sai bem mais em conta.

É sempre bom ler: http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/11/com-eventual-divisao-do-par...

DIVISÃO DO PARÁ SIM

Se observarmos como foram as divisões de Goias/Tocantins e Mato Grosso/Mato Grosso do Sul, tem tudo para dar certo , a verba do para ela é destinada a maioria para a capital que seria a cidade mais desenvolvida deixando pouco para as cidades menos desenvolvidas, criando esses novos estados serião mais duas novas capitais , que normalmente como todas as cidades são desenvolvidas , com a divisão o governo teria q injetar dinheiro para a infraestrutura das capitais dos estados criados , criando saniamento basico , ruas asfaltadas , entrada de empresas , bancos , super mercados , mais empregos até evitando pessoas fazendo loucuras saindo de suas cidades natais para tentar a vida nas grandes cidades como São Paulo , Rio de janeiro , Minas Gerais , Curitiba , trazendo novas oportunidades de emprego para população , logico se olharmos os politicos roubando ficariamos com um pé atraz com isso , ai temos que falar como o tiririca (pior que ta num fica),como sabemos que a situação da população do Pará não é das melhores nessas cidades quais serião os problemas os politicos roubarem , vão roubar do mesmo geito mais temos q olhar tambem que temos bons politicos mesmo que seja poucos , pobreza a população já está não custa nada tenta se a divisão dos outros estados derão certo por que o Pará não pode dar certo tambem , acompanhem as materias dos desenvolvimento dessas cidades que foram dividas e vejá como melhoro a condição de vida e tudo por mim sim já.

A capital de QUALQUER estado

A capital de QUALQUER estado sempre será muito mais desenvolvida que as outras cidades, e acredite, dividir o estado não é solução. A verbas serão reduzidas e se o estado tiver muito para pagar assembleia, deputados, juizes, etc, deêm graças a deus, pq até dinheiro para isso vai faltar. Distribuir e aplicar mais racionalmente os impostos por todo o estado é uma questão de revindicação e política (o deputado estuadual que VC elegeu é de sua cidade/região, ou vc votou no primeiro que apareceu na tv e nem lembra o nome?) Todo mundo acha "bonitinho" criar um estado... Mas sabe quanto um estado gasta? De onde virá esse dinheiro???

Primeiramente, gostaria de

Primeiramente, gostaria de dizer que sou simpático aos votantes de não. Apesar de ser do sul do país, RS para ser mais preciso, acredito que a divisão não traga benefícios legítimos. Apesar de nunca ter ido ao Pará, gostaria de relatar minha experiencia.

Como todos se recordam do plebiscito de 2005, sobre o desarmamento, o estado do Rio Grande do Sul não apoiava, em sua maioria, o desarmamento, devido, príncipalmente, por ser um estado de tradição armamentista e revoluções, como a dos Farrapos, a Campanha da Legalidade com Brizola e várias outras menores. Como eu era pró o desarmamento, reuni-me a pessoas que compartilhavam a mesma ideia que a minha. No começo percebi que não podia ajudar muito na virada de placar, mas nós não desistimos. No fim, com uma campanha massiva e sem descanso, com muitas pessoas trabalhando fortemente por isso, os resultados foram satisfatórios: 86,83% do estado votou para que o país se desarmasse. A campanha aqui se baseou em algo muito simples: a verdade. A verdade que os tempos mudaram, que agora temos plena certeza que arma gera violência, e que violência não leva a nada. Que as revoluções acabaram e que o Brasil é um. Claro, ainda temos muitos problemas, como o grande número de queixas nas delegacias de defesa à mulher.

Essa era a nossa realidade naquela época. Agora, com a leitura dos textos e dos comentários, pude perceber que vocês estão passando por um processo delicado de políticas e interesses empresáriais. Não permitam que as empresas tomem posse do seu estado e da nossa flora! o país é nosso, e não de empresários interesseiros. Felizmente para mim, não compartilho a realidade relatada por muitos no sul do Pará, mas gostaria de dizer a vocês que se entregar para essa espécie de corrupção, que lhe promete ajuda com um preço alto, não é o caminho. Continuem na luta, cobrem ações de seus políticos!

 

Um grande abraço a todsos, ficarei na torcida pelo resultado.

Divisão do Pará

Eu não concordo com a divisão do pará apesar de saber que realmente exista uma deficiência nos serviços públicos básicos nas cidades que deverão compor os supostos novos Estados , em relação a capital Paraense, no entanto entendo que dividir não é a solução, muito pelo contrário, só irá aumentar o poder, desmandos, manipulação e opressão que existem por partes de políticos locais diante da população. Se fracionar para fazermos melhores administração fosse melhor, não teriamos estados como Alagoas e Sergipe, que são de pequenas dimensões com grandes problemas sociais. Ademais, nas grandes capitais também existem problemas, no entanto só não sao mais aparentes por conta de fiscalização, o que não existe no interior paraense, Marabá por exemplo já recebeu só do Ministério da saúde mais de 25 milhões para serem investidos em atenção básica, atendimentos de alta e média complexidade, samu e etc...., fora os recursos estaduais e a parte dos fundos municipais, agora nos saímos falando por ai que Marabá tá com problemas de saúde, não tem dinheiro ou então será apenas mais um caso de improbidade administrativa que vem a colaborar  com o mal funcionamento da máquina pública. Amigos o importante não é dividir, pois se fosse assim o brasil tinha que ter milhares de novos Estados, o que é necessário de fato é endurecer as leis parar aqueles que administram e fazem o mal uso dos recursos públicos, acho que nos tempos de hoje sim caberia reavivar as punições aos crimes de lesa majestade para a má utilização do dinheiro público.

Divisão do Pará

Eu não concordo com a divisão do pará apesar de saber que realmente exista uma deficiência nos serviços públicos básicos nas cidades que deverão compor os supostos novos Estados , em relação a capital Paraense, no entanto entendo que dividir não é a solução, muito pelo contrário, só irá aumentar o poder, desmandos, manipulação e opressão que existem por partes de políticos locais diante da população. Se fracionar para fazermos melhores administração fosse melhor, não teriamos estados como Alagoas e Sergipe, que são de pequenas dimensões com grandes problemas sociais. Ademais, nas grandes capitais também existem problemas, no entanto só não sao mais aparentes por conta de fiscalização, o que não existe no interior paraense, Marabá por exemplo já recebeu só do Ministério da saúde mais de 25 milhões para serem investidos em atenção básica, atendimentos de alta e média complexidade, samu e etc...., fora os recursos estaduais e a parte dos fundos municipais, agora nos saímos falando por ai que Marabá tá com problemas de saúde, não tem dinheiro ou então será apenas mais um caso de improbidade administrativa que vem a colaborar  com o mal funcionamento da máquina pública. Amigos o importante não é dividir, pois se fosse assim o brasil tinha que ter milhares de novos Estados, o que é necessário de fato é endurecer as leis parar aqueles que administram e fazem o mal uso dos recursos públicos, acho que nos tempos de hoje sim caberia reavivar as punições aos crimes de lesa majestade para a má utilização do dinheiro público.

divisão do estado do Pará

Senhores, gostaria de convocar aqueles que são contra a divisão do estado do Pará a passar não apenas de uns dias, mas que ficasse tempo suficiente para conhecer a sáude, escola desses lugares. Com segurança vos afirmo, ainda que por destrás do apoio político haja vários ineresses, pois sabemos que sempre haverá interesse em ambas as correntes, a divisão do Pará é necessária para o desenvolvimento do local. Acredito que só quem não conhece a realidade dessa região, tem se colocado contra.Quero salientar também, que a visão "bestializada" colocada nesse artigo ofende profundamente os habitantes dessa região, uma vez que, ainda que seja uma população carente, estes não podem ser colocados como pessoas alienadas, que estão sendo levadas a serem a favor da divisão. O povo sente o descaso que ocorre na local, tanto, que a muito vem crescendo o desejo de mudança, que só será possível através  de uma nova reorganização do estado.Sou da região e hoje moro em Campo Grande, trabalhei na area da saúde em Marabá e tenho o privilégio de poder dizer com clareza as aspirações que presenciei e presencio, já que estou constantemente na região.

Divisão do Pará

Carríssimos, 

Sou de Teresina, capital do Piauí. Aqui, igual a vocês, estamos nessa celeuma da divisão ou não do estado (Estado do Gurguéia e Estado do Piauí). Pois bem, acho bastante elouquente o argumento de que não será dividindo o estado que se resolverá os problemas sociais existentes. De fato, uma melhor gestão da coisa pública evitaria, satisfatoriamente, as mazelas sociais destes dois estados. Contudo, vocês hão de concordar que esse discurso já não influência ninguém. A desconfiança reina absoluta. É histórico que os govenantes volvem seus olhos para os grandes centros, onde estão um maior número de eleitores, geralmente na capital e entorno. Em contrapartida, as aréas mais afastadas ficam esquecidas, isso é fato. Acredito que com a divisão, tanto no Piauí quanto no Pará, haverá, a priori, desenvolvimento, vale dizer, as lideranças poderão destinar recursos para as áreas que satisfaçam suas necessidades (é o que esperamos, claro).

Um outro argumento, principalmente com relação ao Pará, é a sua extensão territorial. O Pará tem uma área tão grande que caberia quase todos os estados do nordeste. Isso é muuuuuito grande! É um país! A divisão nesse caso, para mim, é uma necessidade.

 

Sou da corrente segunda a qual quanto menor é a casa, mais fácil de se administrar.

 

Fé em Deus! E pensem com calma. 

Desculpem-me, mas os

Desculpem-me, mas os comentários dos 'a favor' dessa divisão são equivocados, pois TODAS as alegações são que o estado já está dividido, que há descaso, má divisão de verba, etc.

Isso é um problema que acontece em INÚMEROS estados, e cuja solução NÃO pode ser uma divisão. Isso é prejudicial ao país inteiro, e puramente movido por interesses políticos. Para resolver esse problema, é necessário exigir uma divisão igualitária e investimento correto das finanças do estado. Dividi-lo é absurdo!

Certo

Concordo com você esta 100% certo!

Eu concordo com você, a

Eu concordo com você, a solução seria uma divisão igualitária dos recursos. Mas o problema é que isso não acontece, e nem vai acontecer. O sul do Pará é e sempre será abandonado pela capital. Moro no sul do Pará e dá pra ver que não é uma região pobre. Existe a Vale, grande número de fazendeiros, muitas casas boas, carros novos, mas o que não se vê é presença do estado, como estrutura, saúde, educação e segurança. O dinheiro do sul vai para o norte mas não volta, fica por lá.

Divisão do Pará?

caros colegas leitores,

após ler a matéria e tbm os comentários, percebi que muitos colegas não conhecem o nosso Estado. perguntar pra que dividir é algo equivocado, afirmo a todos, o Pará já está dividido, não falo porque me disseram, comento por conhecimento de causa, sou do baixo amazonas (Terra Santa - a penultima cidade do Estado), tive a oportunidade de morar na capital e a felicidade de conhecer basicamente o Estado por inteiro, a discrepancia existente entre a capital e os demais municipios é gritante, mesmo com todas as dificuldades na capital a saúde está muito mais desenvolvida, com vários centros de tratamento especifico (offir loiola, pronto socorro, santa casa, metropolitano) e outros hospitais, centros de educxação superior tanto estadual como federal, acesso imediato ao restante do país por transporte aereo e terrestre, enfim, se formos citar todo o englomerado de beneficios q a capital se beneficia não teriiamos espaço, claro que tbm sabemos q é deficitário este serviço, mas ao menos tem, quanto as outras partes do Estado estão completamente desamparada, veja um caso tipico do Estado, Itaituba um forte polo ourifero, municipio exportador de calcário, madeira, bovino de elite, não tem a minima infraestrutura q é de responsabilidade do Estado manter, não temos porto, aeroporto precário, estradas BR 163 e Transamazônica funcionam somente por 6 meses as q são de responsabilidade do Estado não funcionam, em fim uma cidade rica com um povo pobre, hospital sem suporte suficiente para atender toda a região com 4 outros municipios sendo obrigados a vir buscar saúde onde não tem.

isso só pra ficamos num breve relato, eu convido a todos aqueles que se contraponham a divisão de direito, pois de fato ja existe,  que venham conhecer o sul e o oeste do Estado do Pará, pra ver se realmente estamos indo "na onda" de politicos interesseiros, nós sabemos que continuará o "roubo" das finanças públicas, mas queremos ao menos ter o direito de usufruir do minimo que é garantido pela constuição brasileira.

Se são direitos, gatantidos

Se são direitos, gatantidos pela constituição, dividir o estado não vai torná-los uma obrigação maior do governo. O que eu entendo é que a divisão do capital apenas vai perpetuar um estádo mais carente. Não vejo como a divisão ajudaria a infraestrutura além de que supostamente ficaria mais fácil de administrar. Não consigo não criar um pouco de raiva de discursos onde há a naturalização do roubo. "Robar sempre roubam mesmo..." Isso é a mentalidade esperada do povo. Isso é ir na onda. Se quer garantir direitos, mobilize-se.

divisão do Pará

Não tem muito o que falar, concordo plenamente com o comentário do nosso colega.Eu ja viajei por todo o Pará e vejo realmente o discaso da gestão publico. Não tem o que falar não, eu moro na capital, mas digo "SIM".

 SENHORES, O NORTE DO BRASIL

 

SENHORES, O NORTE DO BRASIL TERÁ MAIS 6 SENADORES, TEREMOS MAIS FORÇA EM BRASÍLIA, JUNTOS PODEREMOS MELHORAR A REGIÃO MAIS ABANDONADA DO PAIS. SE FOSSE BOM TER ESTADOS GRANDES ALAGOAS, PERNAMBUCO E SERGIPE JÁ TERIAM SE UNIDO, O MESMO PARA O RIO DE JANEIRO E ESPÍRITO SANTO. 

 

O CANADA TEM ESTADOS GRANDIOSOS POR QUE A MAIOR PARTE DO TERRITÓRIO ESTA EM BAIXO DE GELO, AGORA POR QUE NÃO COMPARAMOS COM OS EUA, QUE TEM 50 ESTADOS, SERÁ QUE LÁ ELES ERRARAM, PARECE QUE DEU CERTO!!!

ah vá! falando besteira

ah vá! falando besteira mesmo! mais políticos para ganhar dinheiro e fazer a farra em brasília. Deixai nosso Estado do jeito que está! somos grandes e fortes.

kkkk! mais força em brasilia,

kkkk! mais força em brasilia, mais um falando besteira.

Os Estados Unidos têm PIB de

Os Estados Unidos têm PIB de 14,12 trilhões de dólares o nosso: 1,59.

Estados Unidos são um país desenvolvido e com corrupção IMENSAMENTE menor que a do Brasil. Fora que os parlamentares brasileiros são os mais caros DO MUNDO, isso descontando a corrupção.

Portanto, comparação totalmente ignorante a sua.

Dividir já.

É incrível ver o Nordeste do Brasil, com um território um pouco maior que o Estado do Pará, com diversos Estados. Porém, aqui no Pará ainda tem muita gente que acha que não é bom dividir. Vejam que o nordeste tem muita força a nível nacional graças a sua quantidade de senadores. Com mais dois Estados na região norte, nos amazônidas, teremos mais 6 senadores (juntos com os outros da região norte) poderemos nivelar essa influncia no congresso. 

QUEM É CONTRA, PENSE BEM, TAPAJÓS E CARAJÁS, VEM PARA SOMAR MAIS FORÇA EM BRASÍLIA, E TODOS JUNTOS (AMAPÁ, PARÁ, ACRE...) PODEREMOS MELHORAR VIDA DA POPULAÇÃO DA REGIÃO MAIS ESQUECIDA DO BRASIL: A REGIÃO NORTE. 

vamos nos informar e decidir pelo melhor pra todos

Os exemplos de divisão (mt, ms e to) mostram  que o melhor é dividir, pois é fato que grandes territorios é mais dificil de administrar, ficando sempre a grande maioria fora das politicas publicas, facilitando a ação de corruptos e dificultando o acesso a serviços essenciais de saúde q são prestados exclusivamente nas capitais.

e nao dividir?q exemplos bons temos? absolutamente nenhum

os estados brasileiros mais desenvolvidos são exatamente os menores em território

somos o estado mais populoso da região norte, reunimos condiçoes favoravéis a divisão: riquezas naturais renovaveis, minério , madeira, setor agropecuario estabilizado, ecoturismo, riquezas hidrográficas, riquissima riqueza cultural e diversificada, maior malha viaria, setor pesqueiro produtivo...

uma serie de fatores q mostram claramente que, caso seja dividido , cada novo estado terá excelentes condições de se auto sustentar

votem com a mente: racional e com o coração: emocional: por um Parà grande e prospero com menos desigualdade social e oportunidade para todos

Não a divisão do estado do Pará

Antes de tudo, o Pará precisa de políticos comprometidos com o estado e não de pessoas e interesse vindos de fora (de outros estados e mesmo do exterior) que pretendem dizer a população paraense o que lhe é melhor. Esse tal Giovanni Queiroz, deputado e homem do agronegócio, nem paraense é. Tá na hora do povo do Pará se dar mais valor e não se deixar enganar por interesses escusos vindos de fora.

Quer melhorar sua cidade, seu bairro ? Então participe, atue, cobre dos poderes constituídos, o mais, é conversa mole!

Olhem para o Estado do Tocantins, nasceu pobre e continuará pobr

Se o Pará fosse dividido (QUE JAMAIS OS PARAENSES PERMITIRÃO ISSO),  surgirim dois \Estados póbres como o Tocantins, pois, as riquesas que existem no suposto Carajás e no suposto Tapajós, fatalmente irão para as mãos dos que pleiteiam essa estapafúrdia divisão. Estão de olho em cima de nossa floresta, nossos minérios e não pensem vocês, que terão parte nessa divisão, isso é ilusório! FICARÃO MAIS PÓBRES E DESAMPARADOS!!!

Sobre o assunto

Dividindo ou não ja roubam do mesmo jeito. A unica diferença é que ai voces tem shoping , ta cheio de arranha ceus, tem um aeroporto internacional (q xik), tem ruas asfaltadas, tem sistema de agua e esgoto, cinema, teatro, transportes urbanos, grandes universidades e o principal que sao os impostos que sao arrecadados aqui pra vcs ai e aqui sao poucos que tem acesso a isso porque aqui nao tem nada disso. Sem falar no hopital municipal daqui que quando o medico nao vem o caos que ja é caracteristica desse hopital fica generalizado. O que sobra é que vem pra cá não é a toa que isso aqui e uma terra de bang bang. pra mim tanto faz. Ja esta tudo devastado mesmo, olha antigamente aqui chovia todo dia que nem ai que ainda tem floresta, aqui ja desmataram tanto que o calor é asburdamente terrivel faixa de 40 graus sem chuvas por meses. Pelo sim e pelo nao meu voto é nulo. E pobre de quem chega aqui pensando vai vai se dar bem na vida. Maraba se encheu de dois tipos de pessoas: dos gananciosos metidos endinheirados que nao enxergam um palmo a frete do nariz  e dos pobres que sem oportunidade acabam virando marginais. Aqui ta cheio mais cheio mesmo de jovem desempregado. Observação(jovens formados).

paraense

querida sonuia, provavelmente vc não é paraense e que quem desmatou e desmata essa região, são vcs mesmos. conheço toda essa região assim como a região do tapajós esse é o meu o nosso pará. no seu comentário vc deixa claro que o maior desejo de dividir é de quem não é paraense. vc fala vcs daí. o interior nunca vai ser igual a capital, entenda isso. nem nos paises desenvolvidos, sempre vai existir essa diferença. sou do interior, atualmente moro em belém, mas continuo sendo interiorano com muito orgulho. MEU VOTO É: NÃO À DIVISÃO ( 55 ) NÃO E NÃO. NINGUÉM DIVIDE NOSSO PARÁ.

Água e Esgoto! 5% da região

Água e Esgoto! 5% da região metropolitana tem isso! Sobre o imposto do interior irem para a capital, tens que ler a respeito da lei Kandir!!!!!!!! Os piores índices de educação (ensino fundamental) se encontram na região metropolitana (a área de Carajás e que tem o melhor índice). Quanto ao hospital MUNICIPAL está abandonado, isto não exclusividade da sua região tampouco do Pará, o sistema de saúde é caótico no país inteiro e não vejo mudanças significativas no curto prazo, já que não há interesse dos gestores públicos em melhorarem estes bens públicos vitais não só para melhoria social quanto econômica do país (afinal como os trabalhadores irão trabalhar estando doentes?). Enfim, até agora não vi um argumento favorável a respeito da separação, e a culpa do descaso nesta região é sua e de todos nós que escolhemos esses péssimos gestores! Pessoal tem que acordar e começar a cobrar de TODOS os gestores públicos, seja Governador, prefeito, vereador, etc! Esse negócio de região A ou B do país ser "subdesenvolvida" porque os "impostos" vão para capital A ou B é coisa de cidadão acéfalo ou desinformado que fica repetindo essas argumentações chifrins da bancada ruralista que predomina na região e é responsável pelos péssimos indicadores sociais na Amazônia. Este tipo de pensamento, além de contribuir para o subdesenvolvimento da própria cidade acaba afetando o progresso econômico do país, já que cede mais poder para esta elite retrógrada que é totalmente deletéria para o desenvolvimento social e conômico não só da região como o do Brasil como um todo!

A divisao

Acho que melhor que dividir o Para em tres e transforma santarem na capital do estado assim o centro do Para fica mais no meio por assim dizer e pronto e uma vergonha nossa regiao a br 163 tem quanto tempo que e pra ser asfaltada e ta ai se arrastando a obra mais se gasta em festa que nas obras da estrada 

Para esquecido

Porque dividir em tres o Pará ??? a ta pra melhor abandonar a regiao do tapajos que ja e esquecida ,que o governo so lembra na hora de transformar tudo em reserva ambiental sem se preocupar com a populaçao que ja mora aqui a muitos anos sem se preocupar com as crianças nessecitadas que os pais ficam desempregados por nao ter o pçao de trabalho o que ja e ruim vai ficar pior  o que vai ter de renda aqui nessa regiao ?? nada nao pode plantar nem criar gado nem trabalha nada so olhar o governo preservar tudo e eu que tenho orgulho de ser paraense ser brasileira vejo minha terra cada dia mais sem opçao de sobrevivencia


Então preservar é ruim?Tá

Então preservar é ruim?

Tá bom, vamos desmatar tudo logo de uma vez e gerar milhares de empregos, assim a gente acaba não só com o desemprego, mas acaba com o planeta inteiro. Vamos com calma, né? Temos sim que preservar MUITO MAIS!!!! Mas cocomitantemente a isso, criar alternativas para que os moradores das cidades onde há reservas possam ter seu emprego, sua renda.

NÃO A DIVISÃO, O PARÁ É ÚNICO!!!!

aonde já se viu quererem dividir uma terra cheia de cultura!!!!

ralmente querem comprar o pará p/ ser transformado em algo pobre, sem graça, sem cultura, uma mera industria p/ os mais ricos e políticos.

se engana a população que pensa que vai ser melhor, que vai ter alguma vantagem nessa divisão ou que vai melhorar em termo de infra-estrutura, transporte,... etc...

peço o bom-censo e a inteligencia dos paraenses p/ dizerem "NÃO A DIVISÃO DO PARÁ".

A quem interessa a emancipação de Carajás?

Acredito que deveria interessar a todo amazônida que se sente esquecido pelo poder central e engessado por ONGs internacionais que querem declarar a Amazônia um santuário e inviabilizar sua ocupação.

Com a emancipação teremos maior representatividade política e isto representa mais voz na Câmara e no Senado, mais emendas ao orçamento, mais investimentos em infraestrutura federal como portos, aeroportos, estradas, tribunais, MP, receita federal, universidades, escolas, creches, mais FPE.

E, inevitavelmente, mais investimentos do governo estadual e privados em escolas, faculdades, transportes, laboratórios... Iniciando um grande ciclo virtuoso que promoverá o novo estado, em pouco tempo, a uma ótima opção de se morar e iniciar uma vida nova.

 

Ocupar a amazônia?

Meu deus, esta pessoa só pode estar variando, ocupar a amazônia, quando que isto será benéfico? Ele quer dizer urbanizar a amazônia? Bem posso ter entendido errado, mas tenho que colocar minha singela opinião contra esta ocupação. Agora este lançe de ong´s internacionais, já acontece a muito tempo e o que o Brasil tem ganhado com isto? Todos sabemos que a bio-pirataria já acontece a décadas e nada e feito para regulamentar. Agora se a ocupação citada for de regulamentação de extratos, plantas e vida animal. Aí sim concordo, e isto tem que ser feito o mais rápido possível. Sobre a divisão do estado do Pará. Tá muito na cara que quem vai ganhar com isto são os burgueses da região que ainda vão ficar mais ricos do que já são, e para criar 6 gerações de filhos e netos sem que estes precisem derramar uma gota de suor. Este plebicito tinha que ser nacional, afinal os cofres da união serão solicitados, então a conta quem vai pagar é todo o Brasil não é?

Assino em baixo

Realmente,

E é incrível a capacidade dos brasileiros (não só os paraenses, por favor) de cair na lábia dessa "galera" afim de roubar.

Vamos, então, imaginar um país ideal, com a extensão o nosso tem, de acordo com esse pensamento. Digamos, 100 mil presidentes (por que não?), 1 milhão de senadores (um sonho), 100 milhões de deputados (o céu), 4 bilhões de vereadores (nossa, emprego pra quase todos). Tem mais alguém?

Enfim, meus caros, chega de ficarmos esperando que mais políticos resolvam nossos problemas. Se vocês realmente conhecem os problemas do seu estado e querem ajudar, façam mais que votar em novos candidatos, saiam às ruas, exijam, protestem. É, também, dever do povo exigir que seus direitos sejam garantidos.

Não sou paraense, mas sou brasileiro. E conheço os problemas do outros (temos internet, TV, jornais, etc para isso). E até agora, só ouvi argumentos fundamentados na situação geral do estado. Minha gente, todos os estados brasileiros tem problemas, dividi-los resolve? Vocês realmente acreditam nisso? Foram vocês, o povo, quem propuzeram essa solução? Ainda, de onde ela partiu?

Fica, assim, aquela dica: Exijam, lutem e agarrem o que é de vocês e até já tá nas mãos dos seus representantes. E, por favor, não brinquem com o dinheiro público. Infelizmente, muitos dos comentários a fovor, só podem ser de interessados na verba que isso vai gerar pra eles. Triste.

Divisão NÃO

E SÓ OLHA  MAS PARA A REGIÃO NORTE DO PAÍS,E FAZER INVESTIMENTO PARA A OS ESTADOS MELHORAREM OK!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! (Pô)

DIGA NÃO !

 

 Pobre sul do pará, sua população nativa e outros vindas do nordeste,são exploradas como mão de obra barata,quase escrava,  por fazendeiros ( grileiros),madeireiros,logistas e políticos locais em sua grande maioria vindas do suldeste  e sul do pais, que sobrevivem a custa da alienação politica e cultural de sua população.  

Somos a ultima fronteira contra este modelo predatório que dizimou o resto do pais é que aos poucos se apossou do sul do pará gerando um espaço de miséria e conflitos. Não foi Belém,nem os paraenses que geraram este espaço de conflito e de miséria. PARAENSES VAMOS A LUTA DIGA NÃO!

Querem comparar o PARÁ com mato grosso,Tocantins e goias.Estados colonizados,cuja a cultura  local foi importada do sul do pais.Imensos descampados sem graça cheirando a fumaça.O pará tem história e cultura.São 400 anos. 

Deixe seu comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
12 + 5 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.