Pés cerebrais

O que fazer quando escrever um texto de qualidade só é possível quando se está descalça?

26/12/2011

 

Nanda Barreto

 

Tem vezes que preciso tirar os sapatos para pensar melhor. Um velho amigo me dizia que isso é indício da minha origem indígena, uma coisa assim, garantia ele, de quem mantém hábitos intruscados nos genes desde antes do mundo ser “civilizado”.

Pensando nessas ideias do meu amigo, deduzi que muitos outros traços da minha personalidade e do meu comportamento me devolvem às origens da aldeia: gosto de mato e abro mão de qualquer sofisticação por uma boa “indiada”, com direito a tomar chuva, atolar no barro e comer com a mão.

Me sinto quatrocentas vezes mais confortável dormindo no chão. Terra firme e acolhedora que, na minha opinião, só perde para uma boa rede. Ainda na adolescência me desfiz do leito de dormir. Primeiro, arranquei os pés da cama. Depois, desisti completamente do estrado de madeira.

Dessa forma, o único intermediário entre eu e o piso era o bom e velho colchão. Na verdade, nem faço questão do colchão: pode ser um edredom, um tapete ou até uma leve canga praiana. Mas voltemos aos meus pés cerebrais.

A verdade é que essa coisa de pensar descalça não me larga. Tenho agonia de calçados fechados. Salto alto, então, nem pensar. Claro que já experimentei o gostinho de andar empilhada sobre pinos por aí.

Posso dizer que o salto tem um efeito psicológico surpreendente: essa coisa de ficar mais esguia e empinada mexe com os neurônios e com a bunda da gente. É praticamente um degrau de poder feminino, mas comigo não funciona. Além de indiscutivelmente desconfortável, o salto limita os movimentos e subtrai algo de genuíno no rebolado de cada mulher.

Então, eu uso sapatilhas e outros calçados rasteiros. Mas mesmo as sandálias planas não me deixam pensar direito. É uma coisa para a qual não consigo enxergar nenhuma explicação lógica. Simplesmente não consigo. Meus dedos precisam respirar e minhas solas gostam do frio e calor nus do piso.

No ambiente de trabalho, isso às vezes beira à tragédia intelectual, principalmente quando o lugar é careta – como é o caso atualmente. Mas o que fazer quando escrever um texto de qualidade só é possível quando se está descalça? Eu faço assim: olho para os lados, retiro os sapatos discretamente e tchãram! Um desbloqueio imediato acontece.

Não sei como tornar isso inteligível, mas é fato que meus pés passam alguma informação para as minhas pernas que se encarregam de levar o recado adiante até que ele chegue ao meu cérebro, que por sua vez conta tudo para as minhas mãos nervosas. Aí sim, suavizada, espanco o teclado sem parar até que algum conteúdo que preste saia de dentro de mim.

Tudo graças ao meu par de pés, que não são de gueixa nem de princesa mas que me guiam com seus dez dedinhos por um caminho interior de alívio misturado com imaginação. Uma sensação que só pode ser esclarecida pela teoria ancestral do meu amigo ou então por uma sentença pouco lógica: a de que eu realmente raciocino com os pés.

 

Nanda Barreto é jornalista e escritora.

Comentários

Deixe seu comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
5 + 6 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.