América Latina

Hoje na História | Revolucionário boliviano Tupac Katari é morto por império espanhol

Inspirado em Tupac Amaru II e Tomás Katari, ele liderou 40 mil homens no cerco a La Paz no século XVIII

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Tupac Katari e Bartolina Sisa / Reprodução

“Matam apenas a mim. Voltarei e serei milhões.” Essa é a frase que marca a luta do revolucionário boliviano Tupac Katari, que atuou na libertação de seu país do domínio espanhol no século XVIII.

Nascido Julián Apasa Nina, o líder das rebeliões indígenas da Bolívia contra o Império Espanhol morreu aos 31 anos, esquartejado pelos colonizadores, no dia 15 de novembro de 1781. Membro da nação aymara, Apasa assumiu o nome de Tupac Katari para homenagear dois líderes rebeldes do povo andino: Tupac Amaru II e Tomás Katari.

Confira o programa Hoje na História, da Radioagência BdF e do Opera Mundi (para baixar o arquivo, clique na seta à esquerda do botão compartilhar):

Em seu tempo, ele levantou um exército de 40 mil homens e mulheres, e estabeleceu um cerco à cidade de La Paz, em 1781. Sua luta era contra a exploração, os desmandos e os maus tratos impostos aos povos originários pelos colonizadores espanhóis.

Katari e sua companheira, Bartolina Sisa, se estabeleceram na cidade de El Alto, vizinha a La Paz. Sisa foi a comandante do cerco ao local, desempenhando um papel fundamental nesta luta. Apesar da valentia, o levante foi derrotado após uma batalha contra as tropas coloniais que chegaram de Lima, no Peru, e de Buenos Aires, na Argentina.

Tupac Katari foi torturado e barbaramente executado. Sua morte ocorreu após os colonizadores amarrarem seus braços e pernas por cordas em cavalos, que correram em quatro direções.

Tupac Katari e Bartolina Sisa são lembrados como heróis pelos atuais movimentos indígenas na Bolívia e no Peru.

Hoje na História é uma produção da Radioagência Brasil de Fato e do Opera Mundi.

Locução e produção: Vivian Fernandes

Sonoplastia: Jorge Mayer