Violência

Homens armados invadem hospital e executam trabalhador rural no Pará

Vítima estava internada na UTI de hospital após sofrer ataque há dois dias

Brasil de Fato,
Waldomiro Costa Pereira militou por muitos anos pela reforma agrária / Reprodução

O trabalhador rural Waldomiro Costa Pereira foi assassinado nesta segunda-feira (20) por um grupo de homens armados que invadiu o Hospital Geral de Parauapebas, no sudeste do Pará, onde ele estava internado. Em nota, a Coordenação Estadual do MST paraense lamentou o ocorrido.

Waldomiro, que não participava no período recente de instâncias de direção do MST no estado, era militante do Partido dos Trabalhadores e havia assumido um cargo de assessoria na Prefeitura da cidade.

Vigilantes do hospital relataram que, por volta de 2h30, foram rendidos por cinco homens encapuzados que portavam armas e chegaram em duas motocicletas. Três deles entraram no prédio em direção à UTI. A ação durou cerca de três minutos e foi registrada pelas câmeras de segurança do hospital. A Polícia Civil de Parauapebas já abriu um inquérito para investigar o caso.

A nota divulgada pelo MST destaca que Waldomiro contribuiu, desde 1996, para a luta pela Reforma Agrária. A vítima era assentada no Assentamento 17 de abril, onde atuava desde sua ocupação.

"É com extrema tristeza que lamentamos sua morte e prestamos solidariedade a sua esposa, filhos, e toda a sua família neste momento de dor e indignação. O MST desconhece os motivos do assassinato. Como movimento de luta pela vida, repudiamos toda e qualquer forma de violência contra homens e mulheres. Esse é mais um assassinato de trabalhadores no Estado do Pará em que o governo é culpado por sua incompetência em cuidar da segurança da população". A  nota também ressalta que o crime foi "praticado em função da negligência do Estado em apurar e punir os crimes dessa natureza".

O MST também exigiu uma resposta das autoridades para julgar "tamanha brutalidade cometida por um estado de violência que representa a banalização da vida em nossa sociedade".

Em nota, a Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informou que disponibilizará todas as imagens do circuito interno de gravação do hospital para as autoridades policiais.

Edição: Vanessa Martina Silva