Agronegócio

Qual a posição da bancada ruralista em relação ao governo Temer?

Guilherme Delgado da direção na Associação Brasileira de Reforma Agrária responde a pergunta do ouvinte

Radioagência Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça a matéria:

Michel Temer e Blairo Maggi / Marcelo Camargo/Agência Brasil

Oi, Meu nome é Pedro Gava, tenho 22 anos e sou estudante de direito da PUC, a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Minha pergunta é a seguinte: Diante do fato de que antes da queda da Dilma o agronegócio, pelo menos um setor dele, se localizava na base de aceitação do governo, inclusive sendo contrário ao impeachment na figura expressiva da Kátia Abreu fazendo uma defesa forte da Dilma no impeachment, etc. Depois da queda da Dilma, como tem se localizado esse setor na atual conjuntura. Como o agronegócio tem se posicionado diante do governo Temer e as suas medidas. Contrariamente? Declarando apoio? Mais ou menos? Como tem se dado isso?

Eu sou Guilherme Delgado pesquisador aposentado do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) . Atualmente tenho direção na Associação Brasileira de Reforma Agrária, e assessoro as pastorais da Conferência Nacional dos bispos do Brasil. Eu estou respondendo ao radiouvinte Pedro que perguntou sobre a posição da bancada do agronegócio ou da bancada ruralista no Congresso em linhas gerais né?

A bancada ruralista é integralmente fiel ao governo Temer em todas as mudanças ou em todas as políticas sociais, econômicas e estratégias políticas que esse governo vem adotando no último ano. Principalmente na parte de regressão da política agrária, em que todos os projetos que circulam no Congresso ou que vem no Executivo nesse sentido obtém ou conta com integral apoio do grupo ruralista.

 

Edição: Anelize Moreira