Coluna

Temer tenta enganar no exterior ao vender suas mentiras insustentáveis

Imagem de perfil do Colunista
Enganação de Temer tem por objetivo convencer os investidores estrangeiros / Beto Barata/PR
Golpista chegou a afirmar para investidores noruegueses que tem apoio popular

Michel Temer tenta vender no exterior suas mentiras insustentáveis, um verdadeiro peixe podre, representado pelas reformas trabalhista e da previdência e demais esquemas neoliberais que não deram certo em nenhum lugar. O golpista ilegítimo chegou a afirmar para investidores noruegueses que tem apoio popular para a aprovação da reforma da previdência. Temer mente, porque as pesquisas indicam total rejeição, mais de 70% contra o que ele engana no exterior dizendo exatamente o contrário.

A enganação de Temer tem por objetivo convencer os investidores estrangeiros que podem contar com o seu governo para obter maiores lucros. Por isso, onde ele é convidado para falar só mente sem pudor. Quer passar a falsa ideia de que o Brasil é um paraíso e que seu governo leva adiante reformas que nenhum outro governo conseguiu fazer.

Trocando em miúdos, o ilegítimo ocupante do Palácio do Planalto quer também convencer internamente que é capaz de aprofundar as reformas neoliberais e para tanto conta com a ajuda de algumas mídias comerciais, agora já divididas, como O Globo e O Estado de S. Paulo, para dar continuidade ao retrocesso.

O ocupante do governo conta com o Congresso para decidir barrar ação judicial para  processá-lo pelas inúmeras denúncias que deverá responder.  Apesar da divisão quanto a apoiar a continuidade de Temer no governo, há unanimidade quanto a aprovação das reformas que farão o Brasil andar ainda mais para trás, como aconteceu ao longo do último ano, desde a confirmação do golpe parlamentar pela Câmara dos Deputados e Senado.

A derrota sofrida pelo governo na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado confirma oficialmente o que já se sabia, mas alguns meios de comunicação tentavam ocultar, ou seja, o famoso toma lá da cá. O Senador do PMDB de Brasília, Helio José, conseguia nomear até “melancia”, segundo suas próprias palavras. Isso acontecia quando ele apoiava irrestritamente o governo golpista. Bastou votar não como o governo queria para serem exoneradas suas “melancias”. A resposta do parlamentar veio em seguida, ao acusar  Temer de ter transformado o governo em um “balcão de negócios”.

Trata-se, na verdade, de uma briga de compadres. Enquanto tudo ia bem, qualquer indicação era aceita, mas bastou uma discordância para os ânimos se exaltarem. E fica bem claro que as nomeações não são por aptidão ao cargo, mas sim pelo apoio incondicional. É a velha e carcomida política com p minúsculo, que o governo Temer segue a todo vapor.

Por mais que tente enganar no exterior, as notícias provenientes do Brasil circulam nos países onde Temer esteve  ou esta vendendo as suas cascatas enganadoras. É preciso deixar claro que o ocupante do Palácio do Planalto não representa os brasileiros. E quando conta as mentiras tem por objetivo apenas continuar entregando o que ainda resta das riquezas nacionais, aprofundando tão somente o que já foi iniciado nos anos 90 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Aliás, falando em FHC, fica também claro que o ex-presidente está percebendo o fim próximo de quem ele apoiou desde o início e pede  agora a renúncia, como se fosse possível um ato de grandeza de Temer. Trata-se do também velho esquema oportunista.

Outro exemplo de como  políticos carreiristas estão se desentendendo vale citar a recente declaração do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Jorge Picciani, apoiador de longa data do governador Luiz Fernando Pezão, acabou de afirmar que só o impeachment de Pezão ou uma intervenção federal solucionará a grave crise falimentar que atravessa o Estado.

É o típico comportamento dos ratos que correm dos navios quando percebem que está afundando. Quantos pedidos de impeachment o próprio Picciani não deu andamento? Como Pezão está sendo acusado de ter recebido também propina e sua situação pode se agravar, nada melhor do que abandonar o barco, como tenta agora Picciani..

Resta saber como vão se comportar os parlamentares federais, ou seja, abandonam o barco de Temer ou vão tentar conseguir mais boquinhas para defendê-lo? O tempo dará a resposta. Enquanto isso, quem sofre é o povo brasileiro.