Juventude

Pequenos Agricultores iniciam campanha para financiar formação política pelo país

Através do teatro e da música, jovens camponeses viajam o país divulgando temas como a redução do uso de agrotóxicos

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Os jovens se encontram no Nordeste, primeira região a receber a caravana / Divulgação/MPA

O Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) lançou uma campanha de financiamento coletivo para custear as atividades da Caravana Nacional de Luta Camponesa Clodomir de Morais. O grupo é composto por dez jovens do movimento que, por meio do teatro e da música, fazem trabalho de formação política nos 17 estados em que o MPA atua. 

O objetivo da "vaquinha" é atingir R$ 15 mil reais. A verba será utilizada para cobrir gastos com transporte, materiais pedagógicos e alimentação.

A caravana inaugura a experiência dentro do movimento, que pretende manter a iniciativa nos próximos anos.

O Nordeste foi a primeira região escolhida de atuação da caravana, que se encontra há três meses em Sergipe e, depois, segue para o estado da Paraíba.

Objetivos

Rafaela Alves, da direção nacional do MPA, coordena o coletivo nacional de Juventude do movimento. Segundo ela, o movimento resgata uma estratégia de luta e da organização com a juventude ao trabalhar a divulgação de suas pautas por meio de uma perspectiva lúdica e criativa. 

"Ao longo da história, nós sabemos que as artes serviram também para a luta. Em todas as revoluções, foram usadas ferramentas da agitação e propaganda a favor da nossa luta e da organização do povo", pontuou a dirigente.

Outro objetivo da caravana é a permanência dos jovens no campo. Assim que terminou a graduação em jornalismo na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul, Mateus Quevedo, de 21 anos, se juntou ao coletivo.

O jovem conta que ele e seus colegas tiveram uma etapa preparatória de estudos metodológicos de temas propostos pela caravana antes de seguir com a caravana para o Nordeste.

"A gente tem levado essa mensagem aos camponeses e temos levado muito o método do teatro do oprimido do [dramaturgo] Augusto Boal, principalmente o teatro fórum, em que o público tem que participar conosco e ter uma visão crítica e apontar caminhos para uma solução para esse problema que a gente enfrenta na conjuntura brasileira que não tem sido fácil", refletiu Mateus.

Os principais temas tratados pela iniciativa é a campanha por Nenhum Direito a Menos, principalmente sobre as reformas da Previdência e trabalhista; o tema da soberania alimentar e da alimentação saudável; e, por fim, a divulgação de métodos agroecológicos e do não uso dos agrotóxicos no plantio. "É muito importante levar essa mensagem porque o Brasil é o país que mais consome veneno no mundo, na comida e na alimentação", disse.

Para colaborar, visite o site da campanha de financiamento neste link.

Edição: Vanessa Martina Silva