PROTESTO

Viadutos “envelopados” divulgam a Greve Geral em BH

Panfletagens e atos convocam paralisação no dia 30 de junho contra a reforma da Previdência e trabalhista

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG)

,
Faixas em passarela na Avenida do Contorno, em BH, procuram criar impacto de divulgação da Greve Geral / Reprodução

Centrais sindicais e movimentos populares de Belo Horizonte realizam calendário de divulgação da greve geral de 30 de junho, o que estão chamando de “esquenta”. A ideia é divulgar a greve e conscientizar a população sobre os seus motivos. A movimentação é mais intensa nas duas maiores estações de metrô, do MOVE (sistema rápido de ônibus) e também nas principais praças e viadutos da cidade. 

No sábado (24), houve três pontos de divulgação de panfletos: o aglomerado Cabana, o bairro Milionários e o bairro Barreiro. No domingo (25), a divulgação aconteceu na Feira Hippie – um dos pontos turísticos de BH – e no bairro Nova Cintra.

Nos dias de semana, até a sexta (30), as centrais panfletam nas estações de metrô do Eldorado e Vilarinho, nas estações do MOVE, na Pampulha, Barreiro, São Gabriel e Vilarinho, e no bairro Betânia. 

Viadutos e Praça Sete 

Enormes faixas amarelas com “Greve Geral” e “Fora Temer” também são distribuídas pela cidade nesta semana. O coletivo Alvorada “envelopa” dois viadutos por dia com gigantescas faixas. Depois do impacto, deixam no local três faixas menores com informações sobre a greve e sobre o ato político em BH. 

A Praça Sete tem, desde sexta (23), uma “Tenda da Democracia”, montada pelo coletivo sempre que há necessidade de divulgação contínua. No local, os apoiadores da greve conversam com transeuntes, fazem faixas bordadas, vendem camisas e distribuem jornais. 

Parar o trabalho, ir para a rua

Além da greve, os trabalhadores de Belo Horizonte organizam um ato político para o mesmo dia (30), na Praça da Estação às 9h. Todas as centrais sindicais anunciam a convocação, que é contra a reforma trabalhista e contra a reforma da Previdência. A maioria delas faz campanha também por uma nova eleição para a presidência do país. 

Edição: Frederico Santana