Coluna

Travessuras de férias à moda antiga

Imagem de perfil do Colunista

Ouça a matéria:

No Dia Mundial do Brincar, em 28 de maio, crianças aproveitam brincadeiras ao ar livre em Brasília / Marcelo Camargo/ABr
No meu tempo, a gente era mais livre, vivia nas ruas e nas roças

Férias! Eba!

Hoje em dia tem muitas crianças que gostam de ir à escola e ficam doidas pra que as férias acabem e elas voltem às aulas. Acho que é porque só na escola é que elas encontram e brincam com outras crianças.

Em casa, só convivem com adultos.

No meu tempo, a gente era mais livre, vivia nas ruas e nas roças, convivendo muito com outras crianças. E não gostávamos de ir à aula, não víamos a hora da chegada das férias.

Só conheci duas crianças que ficavam meio com a pulga atrás da orelha quando as férias se aproximavam. Eram a Silvinha e o Roberto.

É que duas tias deles, que achavam muito chatas, Filomena e Florisbela, passavam todas as férias no sítio em que moravam. Levavam muitos livros didáticos para os sobrinhos, o que era bom, mas tinha um problema: exigiam que lessem logo. 

Era o dia todo falando “leiam isso, estudem aquilo”. E o que a Silvinha e o Roberto queriam era pescar, nadar no córrego, brincar muito, mas não podiam.

A casa do sítio ficava a uns trinta metros da porteira na beira da estrada. O pai dessas crianças, seu Zé, viu uma coisa num filme e gostou: um sino colocado ao lado da porteira, para as visitas anunciarem sua chegada.

Bobagem. Ninguém tocava o tal sino. Abriam a porteira e entravam.

Mas essas senhoras, Filomena e a Florisbela, eram exceção. Formais, elas tocavam o sino e ficavam esperando alguém ir abrir a porteira para elas. 

Numa tarde de junho, as crianças viram uma grande casa de marimbondos se formar no mourão da porteira e tiveram uma ideia.

A Silvinha tocou o sino várias vezes, o Roberto jogou uma pedra na casa de marimbondos e os dois saíram correndo.

No dia seguinte fizeram a mesma coisa. E continuaram fazendo até o final do mês, todas as tardes.

Dia primeiro de julho, as crianças estavam no alpendre da casa e viram parar um ônibus em frente à porteira. Dele, desceram a Filomena e a Florisbela.

Filomena tocou o sino e foi como um sinal para os marimbondos, que saíram furiosos. Cheias de ferroadas, as tias voltaram para a cidade, tiveram que ser levadas às pressas, de carro. E ficaram por lá. 

Apesar da surra que levaram, a Silvinha e o Roberto acharam ótimas aquelas férias.