Coluna

"Yes, nós temos bananas"

Imagem de perfil do Colunista

Ouça a matéria:

A cantora Carmem Miranda eternizou a marchinha de carnaval "Yes, nós temos bananas" / Wikicommons
O gringo entendia o que falavam, mas não sabia nada da cultura brasileira

Meu amigo Edmilson, paraibano, conhecia todas as cidades do seu estado, viajava muito pelo sertão. 

Eu e um bando de amigos sempre procuramos conhecer o Brasil profundo, os lugares em que turista não vai. Assim é que entendemos melhor o nosso país e o nosso povo. 

Quanto mais lenta e demorada a viagem, melhor. Parando em todos os lugares, conversando com todo mundo. 

Sinto uma saudade danada das viagens de trem, mas tinha que ser daqueles lerdos, vagarosos. Dentro deles a conversa rolava solta, sem prazo pra terminar, e a gente aprendia muito. 

Na Paraíba, não tinha muitos trens, mas rodei um pouco por lá, de carona ou de ônibus, e dava mais gosto ainda quando viajava com alguém que conhecia bem a região, como o Edmilson. 

Numa dessas viagens, em que eu não estava, o Edmilson levou outro amigo meu, um mineiro alto e branquelo. Para os padrões locais, parecia gringo. 

Onde passavam o mineiro alto e muito branco despertava curiosidade. Numa cidade bem pequena em que pararam para almoçar, o dono do bar não tirava os olhos dele. 

E os dois resolveram estimular a suposição de que o branquelo era norte-americano. 

O Edmilson falou ao dono do bar que o gringo tinha estudado um pouco de português, entendia o que falavam, mas não sabia falar direito a nossa língua, e não conhecia nada da cultura brasileira.

As comidas, as músicas tocadas no rádio, os animais, tudo merecia uma explicação do dono do bar:

— Esse bicho se chama jegue… Jegue. Ji é jé; guê u é, gue. Jé-gue. Jegue.

— Essa comida aqui é macaxeira. — aí não soletrou. Às vezes soletrava, às vezes não. 

Quando chegou a hora da sobremesa, o comerciante veio mostrar tudo o que tinha. Trazia da cozinha e mostrava, uma a uma.

— Esta é a banana frita — mostrou.

— Esta é a banana em calda — mostrou também.

— Esta é a bananada — exibiu. 

E foi mostrando tudo derivado da banana: banana-passa, cozida com mel, banana assada com canela. Até que por fim mostrou uma penca de bananas e falou:

— Esta é a banana em pessoa pessoalmente.