Parto humanizado

Você sabe o que uma doula faz?

Profissionais resgatam relação de empatia anterior à institucionalização da medicina

Ouça o áudio:

Com amplo conhecimento da rede de atendimento às mulheres, as doulas orientam sobre o que esperar do momento do parto e do pós parto. / Lela Brandão/Coletivo Buriti

Apesar da profissão ter se popularizado e conseguido recentes conquistas, muitas pessoas ainda desconhecem o papel das doulas na vida das gestantes. As profissionais são responsáveis por oferecer suporte físico e emocional às mulheres durante a gravidez e mesmo após o nascimento do bebê.

Com amplo conhecimento da rede de atendimento às mulheres, as doulas orientam sobre o que esperar do momento do parto e do pós parto. Elas ajudam a lidar com as diferentes sensações corporais das mulheres durante o período de gestação, oferecendo medidas que diminuem o desconforto físico, com massagens e técnicas. As doulas são uma ponte de comunicação da mulher com a equipe que acompanha a gestação delas. Elas também estão presentes no momento do parto, para auxiliar a deixar a futura mamãe o mais confortável possível.

No pós-parto, as doulas também podem estar presentes para ajudar a mãe em seus primeiros contatos com o bebê, auxiliando em questões como o momento da amamentação. Conquistas A entrada das doulas em maternidades da rede pública é luta constante dessas profissionais que defendem a humanização do parto no Brasil. No Rio de Janeiro, por exemplo, esse direito foi assegurado apenas em junho de 2016.

Na cidade de São Paulo, a entrada de doulas em hospitais públicos da cidade é conquista recente. Em dezembro de 2016, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) sancionou a lei que garante a participação dessas profissionais no Sistema Único de Saúde (SUS) do município. Na capital paraense, Belém, a conquista é mais recente ainda. A presença das doulas em maternidades, casas de parto ou hospitais públicos foi permitida apenas em maio deste ano, através da Lei 9.274, também chamada de Lei das Doulas. Mas na maioria das cidades, a mulher tem direito a apenas um acompanhante, tendo que escolher entre um familiar, por exemplo, ou a doula. Empatia

A profissão das doulas e o parto humanizado são defesas recorrentes nos movimentos feministas que lutam pelos direitos reprodutivos.

A doula resgata uma prática de troca entre mulheres anterior à institucionalização e medicalização da assistência ao parto, quando muitas parentes da futura mãe ou amigas a ajudavam durante a gestação, parto e pós parto. Ao mesmo tempo, no entanto, a profissão também renova essa prática trazendo o conhecimento acumulado em cursos de especialização, que auxiliam as mulheres em sua relação com os próprios médicos que fazem seu atendimento e com os tabus que giram em torno da maternidade.

Edição: Daniela Stefano