LITERATURA

Da tela aos livros artesanais: o caminho de Fred Caju

Nascido no Recife, o poeta, editor e artesão de seus livros conversou sobre produção artesanal e autonomia editorial

Brasil de Fato | Caruaru (PE)

,
Historiador de formação, Fred Caju iniciou vendendo seus livros de poesia online, como e-books, mas hoje os produz artesanalmente / Fotos: Arquivo pessoal de Fred Caju.

Edinaldo Francisco do Carmo Júnior nasceu em 1988, no Recife, mas hoje mora em Paulista, na Região Metropolitana. O nome usado na autoria dos livros, Fred Caju, é um anagrama com as duas primeiras letras de cada nome. Historiador por formação, a vontade de ser poeta veio a partir de modificações em poemas de outros autores, como João Cabral de Melo Neto e Carlos Drummond de Andrade. “O interesse em escrever veio pelo meu desintersse em outras coisas. Quando eu comecei a gostar foi fazendo pequenas interferências em poemas que eu gostava de Cabral, Drummond. Isso foi colocando meu pulso pra escrever”.

Antes de trabalhar com a produção artesanal, Fred publicava e-books, que são livros em formato digital vendidos pela internet, geralmente com baixo custo. Apesar da facilidade de acesso, na época o e-book era pouco popularizado e a venda dos livros digitais inconstante, o que dificultou a sustentação financeira do autor. A partir do contato com a editora Lara Cartonera, na cidade de Belo Jardim, o pernambucano teve seu primeiro livro analógico publicado.

O movimento cartonero surgiu com início da crise econômica da Argentina, em 2003. Enquanto o número de jovens autores que queriam publicar sem altos custos aumentava, crescia também a quantidade de catadores de papelão nas ruas, conhecidos no país como cartoneros. O nome do movimento vem daí porque a capa dos livros é feita artesanalmente com papelão selecionado e comprado dos catadores. O movimento ganhou outros países e está presente na Bolívia, Chile, Paraguai, França, Espanha e no Brasil. 

“Quando eu fui para o papel, não fui nem eu que comecei. Depois o resultado desse livro analógico eu achei interessante, porque eu vendi muito mais rápido do que os e-books que eu já tinha. Aí eu disse, opa, aqui é possível me manter com essa profissão de editor, escritor. Com o livro analógico eu consigo, com o digital não.” O trabalho de publicação analógica acabou se multiplicando para Fred. Além da escrita dos poemas, a edição, revisão, diagramação, impressão e até a costura dos livros é feita por ele.



Outro desafio elencado é a dificuldade em achar material gráfico para a impressão dos livros em Pernambuco. As folhas comumente encontradas a venda para impressão não são as mais adequadas, pois dificultam a leitura e atrapalham na estética, dobra e costura dos livros. Mesmo produzindo artesanalmente, Fred vende os livros a preço mais acessíveis, ao contrário das grandes editoras.

“Lugar de baratear livro não é no material e nem no pagamento dos profissionais envolvidos na cadeia do livro. Acho que tem que baratear o livro através de política pública. Eu driblo esse problema do papel com texturas, com possibilidades de cortes e dobras, de ilustração por movimento.” Uma das suas publicações, “Estilhaço”, tem a capa feita com pedaços de casca de ovos e o livro “Óculos” simula lentes embaçando o título da capa.

A venda é também uma responsabilidade de Fred, que vê nisso também um forma de entrar em contato direto com o leitor, estabelecendo laços. “Se eu botar qualquer livro meu na livraria, ela não vai fechar as portas pra mim, ela vai dizer "bote, mas 50% desse preço é meu”. Eu não quero me encaixar nesse sistema literário, então eles podem me chamar de marginal, não tem problema nenhum, mas eu acho que estou fazendo uma coisa paralela, eu me acho dono da minha estrada”.

Dono da editora Castanha Mecânica, Fred tem compartilhado com outros autores e leitores o gostoso desafio de pensar no livro desde a ideia até a venda. Também participa de eventos, mesas e debates sobre artesania e autonomia editorial, como na XI Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, que aconteceu em Recife dos dias 6 a 15 de outubro, homenageando o escritor Lima Barreto. Seus poemas também estão disponíveis nas redes sociais, onde o escritor publica no Instagram como @caju.fred.

Edição: Monyse Ravena