Mulheres

Trabalhadoras do El País fazem greve no 8 de março

Decisão de parar os trabalhos se alinha à convocatória global das mulheres do jornal espanhol

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Mobilização para aderir aos protesto de 8 de março começou na matriz do El País / C. Alvárez/El País

As trabalhadoras do jornal El País Brasil decidiram se somar à convocatória de greve geral neste dia 8 de março. Segundo jornalistas ouvidas pelo Brasil de Fato, cerca de 14 trabalhadoras fizeram uma reunião na quarta-feira (7) e votaram pela paralisação de 24 horas. A decisão foi comunicada à chefia da redação no Brasil, que redistribuiu as tarefas entre os homens para permitir que as mulheres realizassem o protesto nesta quinta-feira.

Em nota, elas listaram uma série de reivindicações do movimento: “Não existência de diferença salarial por causa de gênero, presença de mais mulheres ocupando cargos de chefia e nas seções de opinião (queremos que a paridade seja a norma - não mais de 60% nem menos de 40% para cada sexo), pelo fim da precariedade trabalhista e dos assédios, tanto sexual quanto moral. Também reivindicamos um espaço fixo dedicado às questões de gênero”.

O movimento das jornalistas brasileiras faz parte de um chamado global de paralisações nas redações do El País. Segundo as manifestantes, a greve teve forte adesão nas redações do México e da Espanha. 

De acordo com o próprio jornal, “a paralisação [na Espanha] teve apoio de alguns sindicatos, e outros convocaram suspensões parciais das atividades”. Uma reportagem do diário espanhol desta quinta-feira afirma que a cada 40 minutos uma mulher presta queixa por violência de gênero no país europeu. E cita ainda uma pesquisa do instituto de análises Fedea, apontando que “as mulheres ganham entre 21% e 23% a menos por um trabalho de igual valor”.

Edição: Juca Guimarães