Coluna

Quem tem medo de morcegos?

Imagem de perfil do Colunista

Ouça a matéria:

Ao contrário do que se pensa, grande maioria da espécie se alimenta de frutas / Reprodução
Recentemente procurei saber a origem da palavra 'morcego' e fiquei surpreso

Quando eu era criança, uma época fui ser coroinha e tinha que subir à torre da igreja de vez em quando, para tocar os sinos. 

Na torre, tinha muitos morcegos e eles pareciam ficar baratinados quando os sinos tocavam. Ficavam rodeando a gente, como que alucinados. 

Eu tinha muito medo deles. 

Hoje eu sei que das centenas de espécies de morcego só duas são hematófagos, quer dizer, se alimentam de sangue. Estes atacam animais e gente também. 

A grande maioria dos morcegos se alimenta de frutas. Eles fazem muito bem para a natureza: engolem as sementes e expelem em vários lugares. As sementes que passam pelos intestinos deles já saem “adubadas”, brotam mais fácil. Então eles espalham árvores frutíferas por muitos lugares. 

Naquela época, me disseram, e eu acreditei, que depois de uma certa idade, os ratos criavam asas e viravam morcegos. Eram ratos que ficavam velhos. 

Recentemente procurei saber a origem da palavra morcego e fiquei surpreso: a palavra mure era rato, em latim. E em português o nome desse animal vem de mur + cego. Quer dizer, rato cego. 

Estranho? Pois em francês é mais estranho ainda. Morcego nessa língua é chauve-souris. Chauve é careca, e souris é rato. Então, para os franceses, morcego é rato careca. 

Bom, já que estou falando do significado do nome desse bicho que dá medo ou nojo em muita gente, vamos ver como é em tupi. 

O nome genérico de morcego em tupi é bopi, palavra que significa “o que fura a pele”. 

Andirá é o morcego que tem chifre, mas o nome dele significa “o que causa espanto”, “o que causa pavor”. Será que os moradores da cidade paranaense de Andirá sabem disso? 

E tem um bairro no Rio de Janeiro e uma cidade na Bahia que se chamam Andaraí, que significa “fonte do morcego” ou “rio do morcego”. 

Para terminar, lembro de um povoado mineiro chamado Andrequicé, citado na obra de Guimarães Rosa. 

Eu pensava que o nome desse povoado era homenagem a algum André, mas não é nada disso. É o nome de um capim, juntando as palavras tupis andirá e quicé. Quicé pode ser traduzido por faca. Então, andirá-quicé, que virou andrequicé significa faca de morcego. 

Vivendo e aprendendo, não é? 

Edição: Camila Salmazio