América Central

Organizações sociais e partidos manifestam apoio ao processo de paz na Nicarágua

O Partido Socialista da Venezuela expressou sua solidariedade ao processo de diálogo proposto pelo governo de Ortega

O governo do presidente Daniel Ortega vem sofrendo pressões de diversos segmentos sociais nacionais e estrangeiros / Ismail Francisco/Cubadebate

Organizações sociais e partido políticos manifestaram apoio ao processo de paz iniciado pelo presidente Daniel Ortega na Nicarágua. A iniciativa do governo vem após uma série de protestos contra a reforma no sistema previdenciário que já deixou ao menos dez mortos.

Em nota divulgada na última sexta-feira (27) pela emissora de TV da Nicarágua Canal 6, a Secretaria de Relações Internacionais do Partido dos Trabalhadores (PT) declarou apoio “às propostas de diálogo iniciadas pelo governo de Daniel Ortega” e ainda destacou que esperam uma “solução pacífica para esse problema, com respeito a sua soberania e independência”.

A nota também ressalta a “certeza de que o povo nicaraguense sairá desse episódio com uma democracia mais forte e mostrará ao mundo que com diálogo e respeito mutuo se constrói um governo popular e soberano”.

O Partido Socialista da Venezuela (PSUV) também expressou sua solidariedade ao início do processo de diálogo “diante dos recentes episódios de violência e vandalismo que aconteceram no país promovidos por agentes que buscam entorpecer o processo de paz, justiça social, estabilidade política e crescimento econômico que o país alcançou sob o comando do presidente Daniel Ortega”.

Além de condenar os episódios de violência e declarar o compromisso da nação com a paz, o partido venezuelano também afirmou que os acontecimentos violentos “fazem parte, sem dúvida alguma, de um novo ataque que o imperialismo norte-americano iniciou contra os povos da América Latina, orientado para a restauração do neoliberalismo em nossos países”.

No Peru, o Partido Comunista do país também condenou os episódios de violência na Nicarágua e citou o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmando que não basta o mandatário “bloquear a Venezuela, desprestigiar Cuba socialista e intrometer-se nas decisões dos povos que buscam se emancipar do jugo do império, agora ataca a Nicarágua, criando um clima de violência e fúria contra um governo que, nos últimos anos, elevou o nível de vida das classes mais pobres”.

Em uma carta aberta enviada ao presidente nicaraguense, Daniel Ortega, 120 artistas e trabalhadores da cultura do país manifestaram apoio “ao diálogo e a busca da paz na Nicarágua”. 

Neste sábado (29/04), o governo cubano denunciou as "tentativas de desestabilizar a República da Nicarágua, um país que vive em paz e onde se conseguiram notáveis avanços sociais e econômicos". Em nota publicada no site do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, o país afirma que "apoia os esforços soberanos do povo e do governo Sandinista da Nicarágua, presidido pelo comandante Daniel Ortega Saavedra, para preservar o diálogo, a paz e o bem-estar dos nicaraguenses".

*Com informações da teleSUR.

Edição: Opera Mundi