Alimento é Saúde

Sopa é janta, sim! Entenda os benefícios da refeição no inverno

Caldos e sopas podem ser tão nutritivas quanto um prato de arroz e feijão

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça a matéria:

Uma sopa equilibrada deve conter carboidratos, proteínas e vegetais / Pixabay

As sopas e os caldos são bastante lembrados nesta época do ano para enfrentar as temperaturas baixas do inverno. Com benefícios que vão além de aquecer o organismo, estes pratos são versáteis e podem ser feitos com diversos ingredientes. A nutricionista Viviane Lago conta que alguns cuidados devem ser observados na hora do preparado para aproveitar ao máximo os benefícios. “Nutricionalmente falando, quanto mais a gente liquidifica esses alimentos, eles acabam perdendo um pouco mais de fibra. Se a gente cozinha muito perde vitaminas e minerais por conta da água, da evaporação. Então tem todo um cuidado com o preparo por conta da redução de nutrientes", afirma.

A principal diferença entre a sopa e o caldo é que a sopa é mais consistente e tem pedaços de alimentos, enquanto o caldo é totalmente líquido. Eles possuem o mesmo valor nutricional de uma refeição se os ingredientes forem escolhidos corretamente e ainda possuem a vantagem de serem mais leves, além de trazer um conforto nos dias frios. 

Para o preparo, Viviane orienta misturar carboidratos, proteínas e vegetais. A nutricionista ainda dá a dica de utilizar batata doce ou inhame, por serem carboidratos com propriedades anti-inflamatórias. “Verduras e legumes são excelentes. Pode combinar com duas ou três opções quando estiver fazendo a sopa e uma opção de carne ou frango, que entraria como proteína. Essa seria a base de uma sopa interessante e equilibrada que corresponde a uma refeição normal, porém em uma consistência mais fácil de digestão”.  

O principal benefício da sopa e do caldo no inverno é a hidratação do corpo. De acordo com a nutricionista, por mais que o corpo sue menos, o tempo seco do inverno faz com que o organismo precise ser hidratado também na estação fria. A especialista orienta quem tem problemas de refluxo a consumir as sopas mais consistentes. Outro cuidado que Viviane Lago destaca é na hora de temperar a sopa. “Temperos industrializados tem muito sódio. É necessário cuidado porque as vezes a pessoa acha que está se hidratando, mas está consumindo muito sódio, o que aumenta a pressão por conta dos ingredientes. É bom substituir por ervas e temperos naturais”, indica.

Viviane também não aconselha o consumo de sopas industrializadas. Como uma alternativa rápida, a nutricionista recomenda congelar a sopa para usar no futuro. Assim, se perde um pouco os nutrientes, em relação a uma sopa fresca, mas é melhor do que consumir as sopas prontas que contém grande quantidade de corantes e conservantes.

A nutricionista compartilha uma receita de sopa de mandioquinha e brócolis: corte 500 gramas de mandioquinha em pedaços e coloque em uma panela junto com temperos a gosto e cinco xícaras de água. Leve ao fogo baixo e cozinhe com a panela semi tampada por cerca de 30 minutos, ou até a mandioquinha ficar macia.

Espere amornar e bata no liquidificador. Na mesma panela, aqueça um pouco de azeite e refogue dois dentes de alho. Acrescente 2 xícaras de brócolis picado e o caldo batido no liquidificador. Deixe no fogo até começar a ferver. Adicione meia xícara de creme de leite e coloque cebolinha verde picada no momento de servir. 

Outra dica da nutricionista é substituir a mandioquinha por inhame, que é um carboidrato com propriedades anti-inflamatórias. Para quem tem intolerância à lactose ou precisa restringir a gordura animal, uma opção é a substituição do creme de leite tradicional pelo creme de leite de soja.

Edição: Júlia Rohden