Protesto

Greve de fome: primeiro boletim médico é liberado

No terceiro dia de mobilização, manifestantes apresentam sinais de fadiga e sonolência

Brasil de Fato | Brasília (DF)

,

Ouça a matéria:

Seis integrantes de movimentos populares do campo e cidade aderiram a "Greve de Fome por Justiça no STF" / Adilvane Spezia

O primeiro boletim médico sobre a saúde dos seis manifestantes que deflagraram greve de fome na última terça-feira (31) foi liberado pela equipe que os acompanha. Ronald Wollf, médico que monitora a situação dos manifestantes, indica que a partir desta quinta-feira (2), terceiro dia do protesto, significa o início de "um período delicado, com dores de cabeça, ansiedade, insônia, desidratação e sintomas relacionados a fadiga”.

Wollf aponta que, apesar destes sinais, a saúde dos seis está, no geral, preservada. De outro lado, aponta que um dos principais aspectos a serem observados é a situação emocional dos manifestantes. 

“Eles começam a apresentar um pouco mais de sonolência, de fraqueza, mas ainda com a saúde orgânica preservada. Nos preocupa muito esse processo, pelo aspecto da saúde física e emocional”, afirma.

O médico destaca que de acordo com a situação clínica de cada um, um monitoramento com exames é realizado, tendo como objetivo a manutenção da hidratação dos seis.

“A gente faz um controle laboratorial dos eletrólitos, para ver se estão principalmente, sódio e potássio. Na ausência desses sais o organismo não retém liquido”, explica. 

Os primeiros efeitos da greve de fome não impediram que os grevistas fossem mais uma vez se manifestar na frente do Supremo Tribunal Federal. Luiz Gonzaga da Silva, da Central de Movimentos Populares, aponta a situação social brasileira como uma das razões para o protesto extremo.

“Meus 68 anos jamais me impediriam de estar nessa greve de fome, porque é uma greve de fome para ver o país não passar fome”, diz. 

O integrantes da “Greve de Fome por Justiça no STF” também defendem que a reversão da crise social que denunciam se dará pela revisão do posicionamento da corte sobre prisão após condenação em segunda instância, o que permitiria a Luiz Inácio Lula da Silva ser libertado da detenção da Superintendência da Polícia federal em Curitiba.

Edição: Diego Sartorato