FUTEBOL

PAPO ESPORTIVO | Empate em Porto Alegre premia boa atuação do Flamengo

Segundo tempo da partida contra o Grêmio foi a melhor atuação coletiva dos comandados de Maurício Barbieri

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,

Ouça a matéria:

Flamengo arrancou empate no final da partida / Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Antes de mais nada é preciso dizer que encarar o Grêmio na sua Arena é sempre muito complicado. Ainda mais num jogo de Copa do Brasil. Pois bem. O Flamengo foi até Porto Alegre, saiu atrás no placar (com um gol marcado por Luan após bela jogada de Léo Moura pela direita), equilibrou as ações na segunda etapa e conseguiu um empate valiosíssimo com um gol marcado pelo menino Lincoln (de apenas 17 anos) no último minuto de jogo em Porto Alegre.

Não é exagero afirmar que o segundo tempo na Arena do Grêmio foi a melhor atuação coletiva do Flamengo depois da parada para a Copa do Mundo. Melhor até do que a goleada em cima do Sport. Lucas Paquetá e Éverton Ribeiro se movimentavam demais por todo o campo, Diego seguia muito ligado nas jogadas, Renê e Cuellar se agigantavam diante da excelente equipe gremista e Lincoln teve estrela para estar no lugar certo e na hora certa. Os únicos poréns foram a falha no gol de Luan e o excesso de preciosismo na hora de concluir a gol. E ainda tivemos a estreia de Vitinho. O camisa 14 mostrou boa movimentação e deixou claro que será muito útil ao Flamengo no restante dessa temporada.

Os comandados de Maurício Barbieri seguem jogando um futebol eficiente, vistoso e de muita força ofensiva. É claro que o Velho e Rude Esporte Bretão tem seus caprichos e seus devaneios. Vira e mexe somos surpreendidos. Mas certo é que o Flamengo vem provando por "A" mais "B" porque vai dar muito trabalho aos adversários em 2018.

E MARCOS PAQUETÁ NÃO É MAIS TÉCNICO DO BOTAFOGO

Foram quatro derrotas em cinco partidas. E o revés sofrido diante do Nacional do Paraguai na última quarta-feira (1), em Assunção, foi a gota d’água para a diretoria do Botafogo. No entanto, a demissão de Marcos Paquetá depois de tão pouco tempo nos mostram duas coisas. A primeira é que o treinador realmente não conseguiu dar o menor padrão de jogo ao time (isso sem contar as mudanças constantes no esquema tático e na equipe titular). E a segunda é que os dirigentes do Glorioso parecem não ter a menor ideia do que querem para o clube e para o time. Demitir um treinador com apenas cinco jogos (mesmo com os péssimos resultados) dá margem a suposições de que existe algo além daquilo que eu e você vemos nos gramados. Sei não hein…

LEANDRO CASTÁN É UMA ÓTIMA PARA O VASCO

Se realmente acertar com o Trem Bala da Colina, Leandro Castán será uma excelente aquisição para a equipe. É bom zagueiro, tem boa presença na bola aérea e sabe sair jogando sem muita dificuldade, além de ser melhor do que todos os outros jogadores da posição no Vasco e pode fazer uma ótima dupla de zaga com Breno. A defesa, aliás, tem sido o calcanhar de aquiles do time comandado por Jorginho. Já são 66 gols sofridos em 2018, dois a mais do que em toda a temporada passada. Parte da culpa, obviamente, recai sobre os ombros dos próprios jogadores. Falta mais regularidade e segurança. Mas é difícil não olhar para o comandante cruzmaltino. A equipe de Jorginho oscila demais durante as partidas. Leandro Castán pode ser parte da solução. Mas não resolve tudo.

FLUMINENSE TEM COMPROMISSO PELA SUL-AMERICANA

O jogo contra o Defensor (do Uruguai) pela segunda fase da Copa Sul-Americana é uma ótima chance para o Fluzão ganhar mais corpo e mais moral nessa temporada. O técnico Marcelo Oliveira mudou o esquema tático e conseguiu boas vitórias logo nas suas primeiras partidas. Mas o jogo de quinta-feira (2) é bastante complicado apesar das aparentes facilidades. O time uruguaio está bem longe de ser uma “galinha morta” como alguns querem defender. E alguns jogadores do elenco tricolor já sofrem com a extenuante temporada. O atacante Pedro, que está no centro das atenções por conta do bom futebol que vem praticando e pelo assédio de clubes da Europa, é a grande arma do Fluzão. Dá pra vencer e garantir um pouco de paz para o jogo de volta.

Grande abraço e até a próxima!

Edição: Brasil de Fato (RJ)