Flamengo na Libertadores e notícias sobre os outros cariocas

PAPO ESPORTIVO | E o Mengão deu muito mole...

Flamengo joga mal e sai do Maracanã derrotado por dois a zero em partida contra o Cruzeiro

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,

Ouça a matéria:

O Cruzeiro venceu o Flamengo por dois a zero no Maracanã / Gilvan de Souza / Flamengo

Sabe aqueles dias em que nada dá certo? Sabe aqueles dias ruins em que você percebe que não deveria nem ter levantado da cama? Foi mais ou menos isso que aconteceu com o Flamengo nessa quarta-feira (9). O time não foi nem sombra daquele que arrancou um empate com o Grêmio na semana passada, pela Copa do Brasil. Na verdade, não sei nem se podemos chamar isso de time. Tá mais pra bando mesmo.

Verdade que Lucas Paquetá fez muita falta no jogo. O Fla sentia muito a ausência de alguém que organizasse a saída de bola no meio-campo e que levasse a redondinha para o ataque. Só que é meio complicado você falar de quem não jogou quando os mais cascudos sequer entram em campo. Diego, Éverton Ribeiro, Réver, Rodinei, Renê, nenhum deles chamou a responsabilidade e conseguiu criar algo que prestasse diante de um Cruzeiro muito bem arrumado e muito bem organizado. A escolha de Mauricio Barbieri por Jean Lucas acabou sendo bem infeliz também.

Resta ao Flamengo juntar os cacos, corrigir os erros e tentar reverter o resultado no Mineirão. Mas tenham a certeza de que se o Fla jogar esse futebol de novo, o sonho do bicampeonato da Libertadores da América vai ficar para outro ano. De novo.

Zé Ricardo tem missão complicada no Botafogo

Que o Botafogo não anda nada bem das pernas isso todo mundo sabe. A demissão de Marcos Paquetá depois de cinco partidas no comando do time só mostra que a diretoria alvinegra dá a impressão de não saber muito bem o que vem fazendo. E o escolhido da vez para assumir a bronca é bem conhecido da torcida carioca. Trata-se de Zé Ricardo, treinador com passagens recentes pelo Flamengo e pelo Vasco. É bom avisar aos botafoguenses mais fanáticos que a simples troca de técnico não vai resolver os problemas do time. O elenco é muito limitado e carece de peças de reposição em todos os setores. As comparações com o time de 2017 existem (e são válidas), mas trata-se de uma situação completamente diferente.

Contra Zé Ricardo pesa a fama de formar as famosas “panelas” entre os jogadores e favorecer determinados atletas em detrimento de outros que estariam em melhores condições. A favor dele, está a competência na hora de organizar times considerados bagunçados. E nesse ponto, o Botafogo precisa muito de Zé Ricardo. Tomara que ele tenha sucesso e que o Glorioso consiga um pouco de paz. Está precisando.

Hoje tem Vasco em campo pela Copa Sul-Americana

O Vasco tem um compromisso bastante complicado pela Copa Sul-Americana. Os comandados de Jorginho encaram a LDU de Quito em São Januário nesta quinta-feira (9) e precisam vencer a equipe equatoriana por dois a zero para garantirem a vaga nas oitavas de final da competição. E é aí que mora o grande problema do escrete cruzmaltino: não levar gols é fundamental. A partida contra o São Paulo no último domingo (5) mostrou uma equipe mais organizada do meio para a frente. A pedra no sapato da comissão técnica continua no sistema defensivo, que falha constantemente. Um erro diante da LDU pode custar muito caro para as pretensões do Vasco na Copa Sul-Americana. Portanto, todo cuidado é pouco.

E o Fluminense é outro que precisa parar de dar mole!

Difícil dizer o que acontece com o Fluminense nessa temporada. O time segue com os problemas que todo mundo já conhece, mas se supera contra equipes consideradas mais fortes e sucumbe contra equipes em tese mais fracas. O empate contra o Bahia frustrou muita gente. Ainda mais pelo bom futebol jogado na primeira etapa e pelo golaço de Pedro, o grande nome do Tricolor das Laranjeiras na partida. São vacilos como esse que podem custar até mesmo uma melhor colocação no Campeonato Brasileiro ou até uma classificação para numa Copa Sul-Americana. E o técnico Marcelo Oliveira sabe muito bem que os vencedores são os que erram menos. Ainda mais num momento em que o futebol anda tão equilibrado.

Grande abraço e até a próxima!

Edição: Brasil de Fato (RJ)