Coluna

Dois jornalistas protagonistas da história brasileira serão homenageados na Alerj

Imagem de perfil do Colunista
José Louzeiro, Carlos Alberto de Oliveira (Caó) e Francisco Soares Loureiro serão homenageados Alerj no próximo dia 28 / Agência Brasil
Servem de exemplo para os jornalistas e professores

Dois jornalistas e um professor que tiveram grande protagonismo na luta contra a ditadura empresarial militar iniciada com a derrubada do presidente constitucional João Goulart em abril de 1964 serão homenageados na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) no próximo dia 28 de agosto, a partir das 10 horas, por iniciativa do deputado Paulo Ramos, também um combatente contra o arbítrio de abril de 1964 a março de 1985. Os jornalistas José Louzeiro, Carlos Alberto de Oliveira (Caó) e o professor Francisco Soares Loureiro serão homenageados e servem de exemplo para os jornalistas e professores, sejam eles iniciantes na profissão ou veteranos.

Cada um dos homenageados combateu a sua maneira e seus legados devem ser sempre lembrados, sobretudo nos dias de hoje em que o Brasil passa por um momento de extrema dificuldade principalmente nos últimos dois anos com a ascensão do presidente Michel Temer através de um golpe parlamentar.

Aliás, vale assinalar também que Louzeiro e Caó quando estavam vivos denunciaram o golpe de 2016, porque entendiam que o Brasil não poderia suportar outro retrocesso. Por isso, como fizeram no tempo da ditadura, não se acomodaram no silêncio.

Louzeiro foi autor de inúmeras reportagens e livros importantes que marcaram época e denunciavam a impunidade de criminosos integrantes das elites que se beneficiavam com o arbítrio, como no caso do assassinato da jovem Araceli, no Espírito Santo. O jornalista foi também autor do livro"Araceli meu amor," obra censurada pela ditadura. 

Antes disso, ele foi preso por ser considerado uma figura incômoda para o regime de exceção, então sob o comando do primeiro general de plantão, Humberto de Alencar Castelo Branco.

O segundo homenageado da imprensa

Caó, que antes de ser deputado federal e autor da lei Caó que denuncia o abominável racismo, presidiu o Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro. No exercício do cargo sindical, Caó defendeu os jornalistas de todas as formas possíveis de opressão naquele momento difícil que atravessava o Brasil.

Por isso, é dever dos cariocas e fluminenses e da imprensa brasileira prestigiarem a iniciativa do deputado Paulo Ramos, na Alerj, no próximo dia 28, a partir das 10 horas. 

Jornalistas Louzeiro, Caó e professor Loureiro, presentes!

Edição: Jaqueline Deister