segundo turno

Haddad, sobre Bolsonaro: "Nunca administrou um boteco"

Candidato petista participou de sabatina televisiva nesta segunda-feira (22)

Brasil de Fato | Brasília (DF)

,
Candidato do PT à Presidência ressaltou que seu adversário nas eleições "não tem cultura democrática" / Foto: Ricardo Stuckert

O candidato à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad, participou na noite desta segunda-feira (22) de uma sabatina televisiva na qual fez fortes críticas ao adversário no segundo turno. O petista ressaltou em suas respostas à entrevista que Jair Bolsonaro (PSL) não tem qualquer experiência em gestão: “nunca administrou um boteco”.

A frase proferida no programa Roda Viva, da TV Cultura, veio após criticas à ideia de Bolsonaro de privatizar todas as estatais criadas pelo PT, o que incluiria a empresa que administra os hospitais universitários de universidades federais. O petista afirmou que é possível dar eficiência ao Estado fundindo empresas públicas e, portanto, sem entrega de ativos à iniciativa privada,

“Eu não eliminei nenhuma estatal [quando prefeito de São Paulo]. Eu enxuguei a máquina sem estardalhaço. Sem vender patrimônio. Estou concorrendo com uma pessoa que nunca administrou um boteco. Bolsonaro é uma ameaça ao interesse nacional e populares”, afirmou.

Haddad também disparou contra os ideais políticos do adversário. “Bolsonaro não tem cultura democrática. Isto está provado. Está faltando evidência? Há centenas de vídeos”, disse, apontando que o discurso do concorrente estimula o ódio e a violência.

Durante a entrevista, cobrou as autoridades públicas pela letargia em atuar sobre o escândalo de caixa dois que paira sobre a candidatura de Bolsonaro.

“Tenho certeza que se fossemos àquelas quatro empresas [citadas pela denúncia veiculada pelo jornal Folha de S.Paulo] e fizessem a apreensão de computadores, com ajuda do Whatsapp, encontraríamos quem pagou. É caixa dois, não tem outro nome”, defendeu.

Em relação ao programa de governo, um dos pontos mais destacados pelo candidato foi a questão do sistema financeiro, defendendo a taxação de instituições que cobrarem juros mais altos que um patamar estipulado em lei: “Se não fizermos uma reforma bancária, nunca seremos uma sociedade capitalista moderna. Não há sistema de crédito no Brasil. Não existe empresário [do setor produtivo] com dinheiro o suficiente para pagar juros para banqueiro”.

Segundo o Roda Viva, Bolsonaro rejeitou o convite para participar do programa, que aguarda uma resposta do militar reformado à proposta de gravação em sua residência.

Edição: Diego Sartorato