Coluna

Haja batata para São Paulo

Imagem de perfil do Colunista

Ouça o áudio:

Cidade de São Paulo completou 465 anos na última sexta-feira (25) / Leon Rodrigues / Secom SP
O certo é que a grandiosidade de tudo em São Paulo espanta

São Paulo é um vício. Isso é o que eu costumo falar para pessoas que dizem estar cansadas da cidade, com a poluição, o barulho, a violência, o custo para viver aqui, mas continuam morando aqui. 

Alguns mudam para um lugar pequeno, mais sossegado, mais barato e menos violento, mas parte deles não se acostuma, depois de pouco tempo, parte deles volta para cá. Estão viciados em São Paulo.

Aqui, passam anos sem ir ao cinema e muitos nunca foram a um teatro, mas quando vão para lugares que não têm cinema ou teatro dizem sentir falta deles.

O certo é que a grandiosidade de tudo em São Paulo espanta. E não é de hoje. Aliás, hoje espanta menos, porque nos lugares mais distantes as pessoas veem São Paulo todos os dias nos noticiários da televisão, e têm noção do tamanho da cidade e dos seus problemas. Mas e antes da televisão chegar a esses lugares?

Muitos conterrâneos meus, quando vinham a São Paulo voltavam para minha terra contando com ar de espanto o que viam aqui. E havia brincadeiras, gozações, para falar do nosso deslumbramento diante de uma cidade tão grande e tão movimentada.

Quando o Belmiro veio conhecer São Paulo e voltou para Minas, disseram que ele foi visto parado de cabeça baixa, com o chapéu na mão, na confluência da praça do Patriarca com a rua Direita,  olhando de soslaio o  intenso movimento de pedestres.

Perguntaram o que ele estava fazendo ali e ele respondeu:

— Uai, tô esperando essa procissão passar pra eu ir até a praça da Sé.

Para ele, tanta gente andando a pé só podia ser procissão.

Outra historinha é do Tonico, caminhoneiro que foi contratado para trazer um caminhão de batatas até o Ceasa, atual Ceagesp, e deu carona ao amigo Nelico, que queria conhecer a cidade. 

Foram direto ao Ceasa e o Nelico ficou impressionado com tanta batata que viu lá. Ele comentou:

— Ô, Tonico, já tem tanta batata aqui, pra que que eles compraram mais batata lá na nossa terra?

O amigo respondeu:

— Rá! Essa batata, aqui em São Paulo, não dá nem pra dois dias!

— Brincadeira! Tem batata pra mais de mês aí! — falou o Nelico, que não acreditava de forma alguma que em São Paulo houvesse tanta gente, capaz de consumir em dois dias aquele mundão de batatas que viu no Ceasa.

Enquanto o caminhão era descarregado, os dois foram ao centro da cidade, comprar umas encomendas. Desceram do ônibus, passaram pelas avenidas São João e Ipiranga, pela rua Barão de Itapetininga, praça Ramos, viaduto do Chá… Na rua Direita, o Nelico parou e ficou olhando o povo, com cara de espanto, sem falar nada. O Tonico perguntou:

— Que que foi, Nelico?

E ele respondeu:

— Tonico… Vai faltar batata!

Edição: Júlia Rohden