Mobilização

Venezuela torna-se o primeiro país a sair voluntariamente da OEA

População fez uma marcha em apoio à decisão do presidente Maduro neste sábado (27) na capital Caracas

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela)

,
Milhares de venezuelanos celebraram o desligamento, anunciado há dois anos / Michele de Mello

A Venezuela oficializou neste sábado (27) sua saída voluntária da Organização do Estados Americanos (OEA), após os dois anos de aviso prévio desde o pedido de desligamento, considerados obrigatórios pela instituição. O governo venezuelano tomou a decisão por afirmar que a OEA tem infringido princípios do Direito Internacional, acusando o organismo de ter apoiado golpes em Honduras, Paraguai e no Brasil. No primeiro pronunciamento público do presidente Nicolás Maduro após a saída da OEA, a população deu sinais de apoio à medida.

"O povo aguerrido se mobiliza para celebrar nossa saída definitiva do Ministério das Colônias dos Estados Unidos, a OEA, uma decisão soberana iniciada há dois anos com essa carta. A Venezuela é livre e independente!", afirmou o presidente. Aos cantos de “Êa, êa, êa, nos vamos da OEA”, milhares de venezuelanos participaram da marcha que percorreu 5 km, desde a Praça Morelos, região central da capital Caracas, até a sede do Ministério de Relações Exteriores. 

O Palácio Miraflores, sede do governo, denuncia ter sofrido uma série de ataques, entre eles, a defesa de sanções contra o país, exigindo que a Venezuela fosse submetida a uma “intervenção humanitária”.

"A OEA se gestou e consolidou como um instrumento infame ao serviço dos interesses hegemônicos imperiais muito claramente definidos, privando-se da missão possível e correspondente a de uma organização internacional”, afirma o governo na carta oficial de desligamento

O gesto austero mais recente foi o reconhecimento de Gustavo Tarré Briceño como representante venezuelano no Conselho Permanente da OEA, nomeado pelo opositor Juan Guaidó, no dia 9 abril.

Briceño é um dos líderes do Partido Social Cristão (Copei), organização criada em 1946, que se revezou no poder na coalizão chamada "Pacto do Ponto Fixo" em um trinômio com o partido Ação Democrática e União Republicana Democrática, que se revezaram no poder entre 1958 e 1999. Rafael Caldera, foi o primeiro e último presidente nomeado pelo COPEI, exercendo dois mandatos (1969 -1974) e (1994 – 199). O Pacto só foi derrotado com a eleição de Hugo Chávez em 1998.

Para o governo venezuelano, essa é mais uma demonstração de que a OEA é submissa às vontades da administração Trump. A Venezuela é o segundo país do continente americano que deixa de pertencer à OEA, depois de Cuba, que foi expulsa em 1962, no entanto, é o primeiro a sair de maneira voluntária. Para celebrar a decisão, o partido governante PSUV convocou uma marcha em Caracas.

"Nós estamos apoiando a decisão do presidente Nicolás Maduro de sair da OEA, porque sofremos muitas agressões deste espaço regional. Lamentavelmente, nós sempre levamos propostas para a OEA que nunca foram aceitas, sempre respondem com agressão e manipulação por parte dos Estados Unidos”, conta Héctor Muñoz, aposentado e membro da rede de distribuição das cestas básicas dos CLAP – Centros Locais de Abastecimento Popular, da sua região San Juan, periferia de Caracas. 

"Nós devemos estar nos organismos onde nossa soberania e nossa independência são respeitadas se a OEA ainda não entendeu isso, Venezuela não necessita estar aí. Somos uma pátria independente, soberana e livre", conta um estudante universitário.

 

História

As origens da OEA remontam à Primeira Conferência Internacional Americana, em Washington, nos Estados Unidos, de outubro de 1889 a abril de 1890. Ela teve como objetivo "discutir e recomendar a adoção de um plano de arbitragem para a solução de controvérsias e disputas que possam surgir entre os países, pelo intercâmbio comercial e dos meios de comunicação direta entre esses países", segundo a declaração inaugural.

A partir deste sábado, o número de membros do organismo cai de 35 para 34.

 

Edição: Fernanda Targa