PAPO ESPORTIVO | Esse Jesus não faz milagres, pessoal!

Imagem de perfil do Podcast
Papo Esportivo

Ouça o áudio:

Jorge Jesus estreou como técnico do Flamengo no empate com o Athletico Paranaense pela Copa do Brasil / Alexandre Vidal / Flamengo
Jorge Jesus é bom técnico, mas não vai fazer nenhum jogador andar sobre as águas

Flamengo e Athletico Paranaense ficaram no empate em 1 a 1 nesta quarta-feira (10), na Arena da Baixada, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. A partida marcou a estreia do português Jorge Jesus como novo técnico do Fla. E o que eu, você e todos aqueles que acompanharam os noventa e poucos minutos de futebol em Curitiba, vimos uma equipe bem diferente dos últimos meses. Este colunista, inclusive, já afirma sem medo de errar que esse jogo foi melhor do que qualquer outro da Copa América.

Basicamente, o Flamengo mostrou um pouco dos conceitos do seu novo treinador. Intensidade nas transições, triangulações e muito mais vibração dentro de campo com cada jogador correndo bastante. No banco de reservas, Jorge Jesus mostrava seu estilo elétrico, correndo de um lado para o outro com a sua vasta cabeleira grisalha. É bem verdade que o técnico não pôde contar com o time que considera ideal. Rafinha ficou no banco de reservas, assim como Diego e Everton Ribeiro, que entraram no decorrer da partida. Ao final do jogo, muitos torcedores rubro-negros (do Rio de Janeiro) comemoravam o resultado e já projetavam dias melhores nessa temporada.

Esse é o grande X da questão. Com o perdão do trocadinho infame, Jorge Jesus é bom técnico, mas não vai fazer nenhum jogador andar sobre as águas ou transformar pão em vinho.

O futebol é um esporte extremamente complexo e cheio de variáveis. Não nos esqueçamos disso. O sucesso do português no comando do Flamengo está diretamente ligado aos seus resultados dentro de campo e ao respaldo que terá ou não da diretoria caso os objetivos não tenham sido alcançados.

Vale lembrar aqui as palavras do zagueiro Léo Duarte numa das entrevistas coletivas concedidas no Ninho do Urubu. O jogador deixou claro que nunca havia ouvido falar em 70% das coisas que Jorge Jesus colocava nos treinamentos. E esse desconhecimento (natural quando vemos as diferenças de trabalho na Europa e no Brasil) precisa de tempo para ser resolvido. O Flamengo não vai começar a ganhar tudo porque trocou de treinador. É preciso ter isso bem claro.

O jogo contra o Athletico Paranaense deixou isso bem evidente. O adversário tem qualidade e joga junto há muito tempo. Foram várias chances desperdiçadas com três gols anulados por impedimento. O Flamengo, diante de tudo, saiu no lucro.

Se Jorge Jesus vai precisar de tempo, a torcida terá que ter paciência. Até porque não dá pra se fazer milagres no velho e rude esporte bretão.

VASCO VOLTA AOS GRAMADOS NO SÁBADO (13)

O Vasco realizou alguns amistosos no período da Copa América para dar mais corpo ao time. Vanderlei Luxemburgo fez testes, rodou a equipe e deu a entender que as coisas vão mudar. O problema é que o adversário de sábado (13) é o Grêmio em Porto Alegre. Compromisso bastante complicado para o Trem Bala da Colina.

BOTAFOGO ENCARA PEDREIRA NO DOMINGO (14)

E o adversário do Botafogo será o Cruzeiro. Dois times em crise por salários atrasados e outras questões extra-campo (apesar da boa vitória da Raposa sobre o Atlético-MG pela Copa do Brasil). Uma vitória será excelente para dar moral aos comandados de Eduardo Barroca. Mas a partida no Mineirão será cercada de dificuldades para o Glorioso. É jogo contraindicado para cardíacos.

E O FLUMINENSE ENCARA O CEARÁ NA SEGUNDA (15)

O Fluminense encara o Ceará em casa na segunda-feira (15) precisando de uma vitória para se afastar da zona do rebaixamento. E dependendo dos resultados, o Fluzão pode entrar em campo já na parte de baixo da tabela. A equipe tricolor vai precisar de sangue frio para vencer a pressão de dentro e de fora do campo.

Edição: Brasil de Fato (RJ)