DIREITOS HUMANOS

Chacina da Candelária: 26 anos de luta pela vida da juventude pobre

Ato no centro do Rio de Janeiro lembra assassinato de oito adolescentes e denuncia violência policial

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,
Chacina da Candelária é lembrada todos os anos por mães e parentes de vítimas da violência policial / Movimento Candelária Nunca Mais!

Na madrugada de 23 de julho de 1993 oito jovens em situação de rua foram assassinados por policiais militares enquanto dormiam nas proximidades da Igreja da Candelária, no centro do Rio de Janeiro. O episódio que chocou o Brasil completa 26 anos nesta terça-feira (23). A Chacina da Candelária é lembrada todos os anos por mães e parentes de vítimas da violência policial.

A vigília das mães acontece na véspera do crime. O dia 23 começou com uma missa às 10h na Igreja da Candelária em memória aos oito adolescentes que tinham de 11 a 19 anos. Em seguida, a Caminhada em Defesa da Vida marcha até a Cinelândia para um ato público e cultural organizado pelo Movimento Candelária Nunca Mais! e diversas outras entidades que defendem os direitos humanos. 

“Foi a primeira chacina ocorrida no centro do Rio de Janeiro, essa cidade não tão maravilhosa que matava meninos por estarem em situação de rua. Era um grupo de 70 pessoas entre adultos, crianças e adolescentes naquela noite, oito foram barbaramente executados. Não estamos em guerra oficialmente, mas o que vem acontecendo são verdadeiras execuções da nossa juventude negra e pobre. O índice de investigação desses crimes é mínimo, são mortes impunes”, disse Márcia Gatto, coordenadora do Movimento Candelária Nunca Mais! em entrevista ao Programa Brasil de Fato.

Vinte e seis anos depois da chacina, o Brasil atingiu recorde no índice de assassinato de homens entre 15 e 29 anos, a chamada juventude perdida. Segundo o último Atlas da Violência, dos 35.783 jovens mortos no Brasil em 2017, 3.439 eram do estado do Rio. A pesquisa também considera mortes por intervenção policial. 

“É uma manifestação em defesa da vida, temos assassinatos contra adolescentes em sua maioria negros e pobres, o Brasil carrega a triste marca de ser o país que mais mata sua adolescência. São mães de jovens que foram mortos pelas mãos do Estado. Nas operações em favelas, por helicópteros usados como plataforma de tiro, situações muito graves. O Brasil já foi denunciado à OEA [Organização dos Estados Americanos] sobre todas essas mortes e nós exigimos ao menos a reparação do estado pelos crimes”, completa Márcia.

Edição: Eduardo Miranda | Redação: Clívia Mesquita | Entrevista: Denise Viola