Flamengo empolga torcida com possibilidade de títulos

Imagem de perfil do Podcast
Papo Esportivo

Ouça o áudio:

Flamengo está nas semifinais da Libertadores e lidera o Campeonato Brasileiro / Alexandre Vidal & Marcelo Cortes / Flamengo
Vocês se esqueceram da Copa do Brasil de 2004 e da Libertadores de 2008?

É bem compreensível que o torcedor do Flamengo esteja empolgado, falando em títulos, glórias e da “saudade do que ainda não viveu” com o clube. Jorge Jesus vem conseguindo implementar seus conceitos com bastante sucesso no time. A acachapante vitória por 3 a 0 sobre o Palmeiras no último domingo (1), no Maracanã, é uma prova disso. O Fla joga o futebol mais vistoso do Brasil atualmente. Graças ao técnico português. Liderança no Brasileirão e presença garantida nas semifinais da Libertadores.

Tudo muito bonito. Mas esse quadro é perigosíssimo. Alguns “jornalistas” (com aspas mesmo) cravam que o Flamengo não tem mais adversários no continente (!) e que o título nacional já é uma realidade (!!!) para o clube. E o que tem de torcedor mais alucinado embarcando nessa é uma festa. Fizeram isso com o Palmeiras no início do ano e vejam só o que aconteceu…

Amigo, tem gente que já está comprando passagem para assistir a final da Libertadores em Santiago! Calma aí né?

Já não sou mais um menino e cansei de ver o Flamengo sendo derrotado e perdendo títulos por conta dessa empolgação excessiva. Ou vocês se esqueceram da Copa do Brasil de 2004 e da derrota para o Santo André? Ou da eliminação para o América do México na Libertadores de 2008?

Até mesmo o canal do clube no YouTube caiu nessa. Não sei se o motivo é arrumar assinantes para a Fla TV ou se quem está por lá comprou realmente essa ideia. Só gostaria de lembrar que a sabedoria popular nos traz ensinamentos importantíssimos para momentos como esse.

“A euforia leva à debilidade”.

“Muito oba-oba acaba em epa-epa”.

“Vamos devagar com o andor que o santo é de barro”. E por aí vai.

O que vai fazer o Flamengo ser campeão é o trabalho sério de Jorge Jesus e de todo o elenco rubro-negro. E quando digo “trabalho sério”, me refiro à foco, humildade, respeito ao adversário, dedicação, persistência e treinamento. Jogadores como Bruno Henrique, Willian Arão, Rafinha, Pablo Marí, Filipe Luís, Arrascaeta, Rodrigo Caio e Gabigol se encaixaram como uma luva no esquema tático do português. O resultado está sendo mostrado dentro de campo. Estamos vendo um Flamengo mais cascudo e muito mais seguro. E isso é ótimo.

A fase também é outra. As bolas que não entravam em 2017 e 2018 começaram a entrar em 2019. Mas daí a cravar que o time vai conquistar tudo que disputar vai uma distância abissal. É até falta de respeito com quem se preparou para disputar os mesmos títulos.

O torcedor do Flamengo é meio 8 ou 80. Talvez seja o único que sai de um “rumo ao Mundial” para um “ninguém presta” em questão de horas. Mas ele mesmo também aprendeu que prudência e canja de galinha não fazem mal a ninguém.

Vamos com calma e deixar as coisas acontecerem. Já vi muito time galáctico cair de quatro com uma cara de quem foi enganado pela sorte nesses meus anos de velho e rude esporte bretão.

A bola pune. E a empáfia também.

 

Edição: Brasil de Fato (RJ)