ÔNIBUS PARADOS

Sindicato de Motoristas culpa a população por salários atrasados

Em conluio com os patrões, sindicato reivindica aumento das passagens; tarifa de João Pessoa é uma das mais caras do BR

Brasil de Fato | João Pessoa - PB

,

Ouça o áudio:

"Eles deviam abrir a caixa preta do transporte para a gente saber o quanto eles gastam" / Reprodução

O Sindicato dos Motoristas da Paraíba paralisou as frotas de ônibus da grande João Pessoa nesta segunda-feira (21). A categoria alega salários atrasados, porém, ao invés de cobrar dos patrões, acusa a própria população, explorada com as tarifas mais altas do país, como culpada. Acusa, também, os clandestinos, os usuários que têm gratuidade e os aplicativos móveis.

Fazendo o mesmo discurso dos patrões-proprietários das empresas, o presidente do sindicato, Antônio de Pádua, argumenta que o sistema de transporte coletivo quebrou. Segundo ele, em 1990 eram transportados nove milhões de passageiros por mês, porém hoje em dia, não se chega a cinco milhões.

“Tínhamos 50 empresas, e hoje temos dez, das quais 90% estão quebradas. Estamos perdendo nossos empregos para os clandestinos e até moto-taxistas já começaram a circular em alguns bairros de João Pessoa. É preciso que o governador e o prefeito tomem providências”, afirma o presidente do sindicato que solicita uma audiência com o prefeito Luciano Cartaxo e com o governador da Paraíba, João Azevedo, para pressionar por uma fiscalização mais rigorosa contra o transporte clandestino.

Em agosto deste ano, o mesmo Antônio de Pádua foi acusado de fraude na eleição de 2014, o que tornou sua chapa inelegível, aguardando os trâmites da justiça para uma nova eleição, cuja audiência está prevista para o dia 7 de novembro.

Antônio Nascimento que é oposição à chapa de Pádua, diz que esta é uma falsa crise para prejudicar a população, não dar um aumento digno aos trabalhadores, e com isso pressionar o prefeito e o governador a diminuírem os impostos do transporte público. 

“A paralisação surge por parte dos empresários. Eles que exigiram que os trabalhadores parassem para viabilizar o novo aumento de passagem e não pagar o aumento digno dos trabalhadores em Janeiro. Então, colocam a categoria de escudo, de cobaia, para os interesses deles, porque, ou os trabalhadores paralisam, ou são demitidos e perseguidos por parte de Pádua e dos empresários”, conta Nascimento.

Oposição ao sindicato, alguns trabalhadores distribuíram laranjas para simbolizar a direção do sindicato "laranja", a favor dos patrões. Foto: Arquivo Pessoal

Ele questiona a crise perguntando por que não abre licitação, já que há empresas que querem entrar aqui na Paraíba pagando os direitos corretos aos trabalhadores. “Eles alegam que o Uber tá quebrando o sistema de transporte, mas não é verdade. O Uber tem em todo o Brasil e nos Estados Unidos, e nunca quebrou empresa de transporte público. Por que vai quebrar aqui na Paraíba, onde há o monopólio de uma só empresa, que pinta e borda, manda e desmanda aqui no transporte público? Eles deviam abrir a caixa preta do transporte para a gente saber o quanto eles gastam com trabalhador, com peça, com combustível e quanto eles lucram”, questiona Nascimento. 

 

Edição: Cida Alves