Cultura

Exposição afrocultural demarca Semana da Consciência Negra em Seberi (RS)

Saguão da prefeitura será utilizado para reproduzir cenários onde as fotografias serão expostas

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS)

,
Ensaios vem sendo executados há pouco mais de um mês / Fotos: Eliane Candaten

Uma atividade referencial está sendo preparada em Seberi, município localizado na região noroeste do Rio Grande do Sul, para envolver a comunidade nas reflexões necessárias à Semana da Consciência Negra, período que culmina na data referencial de 20 de Novembro, quando é relembrado o líder quilombola Zumbi dos Palmares e a luta pela liberdade de seu povo. Proposta pela artista plástica e artesã Neiva Maria de Souza, afrodescendente que cultiva o hábito de preservar em seu cotidiano as referências étnico-culturais características, a exposição fotográfica “Simplesmente Negro” será instalada junto ao saguão da prefeitura municipal, de 18 a 22 de novembro.

“Esse é o momento de reafirmamos nossa identidade, de mostrar que fazemos parte da história, que contribuímos para a construção do Brasil com nosso trabalho, com nosso suor e com nosso sangue”, destaca Neiva, que vem há pelo menos uma década se dedicando a buscar referências e compartilhar saberes sobre a história do seu povo e os aspectos de vida e resistência de sua raça. “Começamos pensando em fazer algumas fotos reproduzindo cenários característicos do povo negro nos tempos de formação da nossa região. A ideia cresceu, as pessoas que ficaram sabendo incentivaram, a Secretaria de Educação se envolveu e agora estamos contando os dias para iniciar esse espaço, que está sendo pensado para promover o debate e a consciência”, acrescenta.

Esforço coletivo

Imagens evocam simbolismo histórico e cultural do povo negro

A fotógrafa Eliane Candaten é quem assina os ensaios, que vêm sendo executados há pouco mais de um mês e já proporcionaram um acervo de mais de 2 mil imagens, das quais serão selecionadas as mais representativas para a exposição. Os cenários onde as fotografias serão fixadas estão sendo desenvolvidos pela arquiteta Neide Costa. Utensílios de época, roupas e demais itens utilizados estão sendo buscados junto à própria comunidade local e regional. Já os modelos que posam para as imagens são os próprios familiares, convidados por Neiva, que participam voluntariamente. “Todo mundo está se dispondo a ajudar para valorizar esse momento de reflexão e aprendizado coletivo”, acrescenta.

“Está sendo gratificante e emocionante participar desse projeto, o convívio com a Neiva é um aprendizado constante a respeito de vida, persistência e resistência”, comenta Eliane. “Estamos tendo muita dificuldade em escolher as imagens para a exposição, não apenas porque ficaram muito bonitas, mas pela força do simbolismo histórico e cultural que cada cena reproduzida evoca”, acrescenta.

A professora Nara Regina Franco de Bairros, Secretária Municipal de Educação, Cultura e Desporto, fez questão de destacar que o projeto, assim que foi apresentado para a prefeitura, foi prontamente abraçado pela equipe, que vem trabalhando em conjunto para que atividade aconteça e tenha o maior alcance possível. “Temos certeza que será um momento muito especial, que vai oportunizar intercâmbio de saberes e trocas culturais imprescindíveis a toda a comunidade”, acrescentou.

Preconceito / Racismo

Conforme relata Neiva, o silenciamento e a negação da contribuição do povo africano na construção do país é uma das formas mais cruéis de preconceito. “O racismo é um mal que precisa ser enfrentado, o negro é personagem da história brasileira, um personagem que foi inserido à força e que aqui se estabeleceu e ajudou a construir esse país, esse estado”, relembra. Para ela, enquanto cidadã e militante pela causa da consciência negra, é imprescindível que se fale a respeito, que se relembre a história passada e que se possa conjuntamente construir uma nova história, onde representantes das diversas etnias que, ao longo do tempo, foram se miscigenando estejam juntos e conscientes da sua condição e da importância que têm no ontem, no hoje e na construção do amanhã. “Para vencer o preconceito, precisamos de ações afirmativas, de visibilidade, de espaços de conversa e debate, de atividades que despertem a consciência”, concluiu.

A exposição reafirma a importância do negro na formação da sociedade brasileira apresentando, através de fotos, a presença ontem e hoje, numa linha do tempo que valoriza e resgata a cultura afrodescendente. Busca reconhecer sua presença de forma positiva nos diversos segmentos da sociedade, no que diz respeito ao trabalho, arte, culinária, religião, música e dança, entre outros aspectos.

Serviço:

A Exposição Fotográfica Afro Cultural Simplesmente Negro ficará aberta à comunidade, com acesso gratuito, do dia 18 ao dia 22 de novembro, das 9h às 12h e das 13h30 às 17h. No dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, funcionará em horário estendido, ficando aberta também no período noturno, até as 21h. Informações podem ser obtidas na Secretaria de Educação.

Edição: Marcelo Ferreira