Calculadora da Aposentadoria

Saiba o que muda em relação a atual legislação e a Reforma da Previdência pelo governo de Michel Temer (PMDB)

Mesmo sem a aprovação da população, o governo golpista de Michel Temer (PMDB) quer encaminhar a reforma da Previdência no Congresso Nacional. Após intensa mobilização e protestos contra a medida nas ruas durante todo o ano, o governo aposta em uma terceira versão como cartada final em sua tentativa de aprovação da proposta.

O Brasil de Fato atualizou a Calculadora da Aposentadoria, lançada há um ano, para mostrar os impactos das mudanças que a reforma quer implementar na atual legislação.

A fórmula da cálculo é baseada na terceira versão da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287/2016, apresentada à imprensa no dia 22 de novembro pelo relator do projeto, o deputado Arthur Maia (PPS­-BA).

O texto é mais enxuto e retirou pontos como mudanças na aposentadoria rural e no Benefício de Prestação Continuada (BPC), para pessoas de baixa renda. Mas, ainda assim, a PEC estabelece mudanças importantes. Movimentos populares e entidades da sociedade civil organizadas em torno do tema consideram que a proposta é desigual.

O cálculo foi simplificado e desconsidera, por enquanto, as regras de transição e aposentadorias especiais. Ao analisar seu resultado, é importante lembrar que, atualmente, a expectativa de vida do brasileiro é de 73,62 anos. Confira!

Você é:

Mulher Homem

Sua idade:


Quantos anos trabalhou com carteira assinada ou contribuiu para o INSS:


Qual seu regime de trabalho:

CLT Estatutário

A terceira versão da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287/2016, entre as alterações, pretende implementar: idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres; contribuição de 40 anos para ter direito à aposentadoria integral; e o fim da aposentadoria especial para servidores públicos, que vão ter que contribuir, no mínimo, 25 anos com o regime da Previdência.

* O cálculo não é válido para quem tem aposentadoria especial, como professores, policiais, trabalhadores rurais e profissionais que recebem adicional de insalubridade ou de periculosidade.

** O cálculo das duas regras não é válido para militares, que, até o momento, não serão afetados pela reforma da Previdência.

*** Para valer essa regra, o servidor tem que cumprir 20 anos de efetivo exercício no serviço público, dentre eles, 5 no cargo em que vai se aposentar.

**** Esse cálculo não considera a nova regra de transição, que é válida para quem está prestes a se aposentar.

Atualizado em: dezembro de 2017