Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

As vergonhosas campanhas eleitorais, de novo!

Como podem gastar R$ 90 milhões numa campanha de três meses? Quem está financiando depois vai cobrar a fatura, que certamente será paga com recursos do povo








Editorial da edição 490 do Brasil de Fato

Na semana passada venceram os prazos de convenções partidárias e registro dos candidatos e coligações na Justiça Eleitoral. Agora, vai começar o vale-tudo da caça aos votos, a qualquer preço. Depois, em agosto começam os 45 dias do campeonato entre os marqueteiros de plantão, sobre quem consegue melhor perfumar seu candidato aos olhos do povão, nos programas de televisão.

No registro das candidaturas das principais cidades do país, nenhuma novidade. Há todo tipo de coligações, as mais estapafúrdias e inesperadas, entre os mais diferentes partidos. Talvez a única novidade positiva foi o rompimento do PT com a candidatura de Lacerda em Belo Horizonte (MG). Lacerda representa os setores petistas comandados pelo ministro Pimentel, que vinham unindo setores do PT com os tucanos (PSDB) de Aécio Neves, há muito tempo. E haviam transformado as eleições de Belo Horizonte em chapa única, onde cabiam todos, menos o povo! Talvez assustados pelas pretensões de Aécio em 2014, fez com que os dirigentes do PT mineiro avaliassem, e assim pelo menos haverá alguma disputa por lá, que vai colocar em chapas diferentes ministros, e inclusive petistas, pois o ministro Pimentel manteve seu apoio ao candidato tucano. Nesses casos nunca se apela à coerência e comissões de ética.

Há, no entanto, um fato muito preocupante que está assolando todas as eleições, principalmente nas capitais e grandes cidades. O registro de gastos previstos para a campanha feito pelos candidatos nos tribunais eleitorais. Em São Paulo, José Serra prometeu gastar “apenas” até R$ 98 milhões. Fernando Haddad, nada menos que R$ 80 milhões. E cada vereador - de todos os partidos – sinalizaram que podem gastar até R$ 3 milhões! Ora, os recursos dessas candidaturas virão certamente de empresas. Muitas delas concessionárias de serviços públicos, na cidade ou em nível nacional. E o mais grave: todos dizem que é dentro da lei.

A população está indignada. Como podem gastar R$ 90 milhões numa campanha de três meses? Quem está financiando depois vai cobrar a fatura, que certamente será paga com recursos do povo.

O custo das campanhas eleitorais no Brasil tornou-se, segundo especialistas, o terceiro mais caro do mundo. Só perdemos para Estados Unidos e França. Uma vergonha! Esses milhões de reais serão usados justamente para usar técnicas de propaganda que iludem e enganam o cidadão. Não se trata de disputa de ideias, programas ou projetos para as cidades. A propaganda é cara, porque é necessário iludir, enganar, distorcer a realidade.

O fato é que só há um remédio para curar essa situação que ofende a sociedade e distorce a democracia. Uma reforma política profunda, que garanta o princípio da constituição: todo poder pertence ao povo. E o povo precisar ter garantias de normas e métodos que lhe garanta o exercício pleno de sua vontade política, através de quem eleger. E dentro dessa reforma política incluir: financiamento público de campanha; pena de prisão e perda de patrimônio a quem usar recursos privados; direito do povo convocar plebiscitos e referendos (hoje restrito aos deputados federais); direito do povo convocar plebiscitos de cassação de mandatos daqueles que não honrarem com as promessas; registro em cartório sob as penas da lei, dos programas e metas a que os candidatos se comprometem perante os eleitores; fortalecimento dos partidos, e com candidaturas em listas partidárias e perda de mandato com as mudanças de siglas; fim da reeleição em qualquer nível.

Os chamados políticos “profissionais”, são assim chamados porque vivem da vida pública e dos recursos públicos, transformaram a arte de enganar o povo numa profissão. Não têm categoria de trabalho nem vínculo real com outra profissão. Eles continuam impedindo a aprovação da reforma política, dos vários projetos que estão nas gavetas do Congresso. Continuam sorrindo com as enganações do povo.

Mas isso não poderá ser eterno. A atual e crescente separação entre a vida da sociedade, seus interesses e os interesses desses políticos está se agravando aos olhos de um número cada vez maior de cidadãos. Está se aprofundando uma contradição que algum dia vai se transformar em alguma rebelião popular. Basta de Demóstenes e enroladores. É necessária uma verdadeira reforma política, já!