Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Chacina em São Paulo pode ter tido participação da PM

Balas encontradas no local da chacina, ocorrida nesta quarta-feira (25), são as mesmas usadas pela Polícia Militar


José Francisco Neto
da Redação


A Polícia Civil de São Paulo investiga a participação de policiais militares na chacina que deixou três pessoas mortas e mais duas feridas na zona norte da capital paulista, na noite desta quarta-feira (25). No local foram encontradas cápsulas de pistola calibre ponto 40, o mesmo tipo de pistola utilizada pela Polícia Militar.

A chacina ocorreu por volta das 21h30, quando homens em duas motos atiraram contra cinco pessoas que jogavam baralho em um lava-rápido na altura do nº 26 da Rua Morro do Livramento, Vila Nova Galvão, extremo norte de São Paulo.

Os mortos são o dono do lava-rápido, César da Conceição, um funcionário dele e uma criança de 12 anos. As outras duas vítimas seguem internadas no pronto-socorro do hospital São Luiz Gonzaga, no Jaçanã, zona norte (SP). Essa foi a sétima chacina registrada neste ano na região metropolitana de São Paulo.

Questionada pelo Brasil de Fato, a Polícia Militar informou que até o presente momento, o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) não notificou a Corregedoria em virtude de suposto envolvimento de PM´s nessa ocorrência. “Dessa forma, compete à Polícia Civil dirimir eventuais dúvidas sobre o caso, já que aquela Instituição é responsável, como já dito, pela apuração”, disse.

Mais mortes

Outras três pessoas morreram em ocorrências registradas na madrugada dessa quinta-feira (26) também na zona norte. Os crimes ocorreram na rua das Flores, região do Tremembé, em que duas pessoas foram assassinadas, e na rua Águas de Chapecó, na região do Jaçanã, em que um homem foi alvejado com pelo menos seis tiros e morreu na hora.

Homicídios aumentam em SP

Pela quarta vez consecutiva, os homicídios aumentaram em São Paulo, contradizendo o governador Geraldo Alckmin que disse em entrevista nesta terça-feira (23) que os indicadores da criminalidade “iriam cair”.

De acordo com as estatísticas divulgadas nesta quarta-feira pela Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, o aumento foi de 22% em relação ao mesmo período de 2011. Com uma média de 14 mortes por dia, junho foi o período mais violento nos últimos 18 meses, com 134 mortes – aumento de 47% - contra 90 em junho do ano passado.

A Secretaria da Segurança Pública não comentou o crescimento dos homicídios.

Polícia que mata

De acordo com a Ouvidoria da Polícia Militar, só a Rota – Ronda Ostensiva Tobias Aguiar - matou 48 pessoas somente no primeiro semestre. Em comparação com o mesmo período em 2010, os homicídios subiram mais de 100%.

A Polícia Militar argumenta que se houve aumento de mortes em “resistências”, isso se deveu ao aumento de operações em que houve “confronto provocado pela reação de criminosos”, e lamenta toda ocorrência em que haja o resultado “morte”, reafirmando que esta opção “é sempre do criminoso”.