Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Vice-presidente dos EUA vem ao Brasil para dar o recado

Essa história dos EUA como “sócio estratégico”, bem como “conversações sobre assuntos energéticos”, não chega a ser um fato novo








Mário Augusto Jakobskind

Está chegando ao Brasil, na próxima quarta-feira (29), o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. No Rio de Janeiro, tem programada uma visita à Petrobras para conversar sobre assuntos energéticos. Ele dirá também que os Estados Unidos estão interessados em se converter em sócio estratégico do Brasil.

Depois das andanças pelo Rio de Janeiro, onde será recepcionado por Graça Foster, presidenta da Petrobras, Biden se reunirá com a presidenta Dilma Rousseff e, naturalmente, tentará convencê-la a, de uma vez por todas, fechar negócio para a aquisição de 36 aeronaves da Boeing para as Forças Armadas.

Biden quer evitar que o governo brasileiro decida comprar os Raphales franceses, como parecia que ia acontecer ainda no governo de Luís Inácio Lula da Silva, mas cuja transação acabou sendo suspensa e a decisão da compra adiada para o governo Dilma Rousseff.

Na verdade, essa história dos EUA como “sócio estratégico”, bem como “conversações sobre assuntos energéticos”, não chega a ser um fato novo. Ao longo da história, o tema aparece na ordem do dia e, geralmente, as autoridades estadunidenses têm pressionado sucessivos governos brasileiros no sentido de aceitarem as propostas do “aliado”. Também, provavelmente, não será nada de novo no front midiático a cobertura da vinda do vice-presidente Joe Biden. Ou seja, leitores, telespectadores e ouvintes serão contemplados com deslumbramento e, para variar, subserviência.

E não será também nenhuma novidade o comportamento de jornais como O Globo, por exemplo, que no passado (e no presente) sempre defendeu interesses estadunidenses, mesmo sendo lesivos aos interesses nacionais.

Nesse sentido, vale até uma consulta ao livro, ainda não traduzido para o português, intitulado The Americanization of Brazil, de autoria do historiador da CIA, Gerald Haymes.

No livro, Haymes revela que em 1954 furiosos editoriais de O Globo contra o presidente Getúlio Vargas eram produzidos na Embaixada dos Estados Unidos, então localizada no Rio de Janeiro. A fúria dos estadunidenses se devia, sobretudo, à então recente criação da Petrobras, a mesma empresa que o Departamento de Estado na ocasião, com a ajuda de seus áulicos brasileiros, tentou evitar nascer.

Mario Augusto Jacobskind é jornalista e escritor, autor, entre outros, de Líbia, barrados na fronteira.