Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Folha de S.Paulo faz pesquisa que pergunta qual forma de governo preferida: democracia, ditadura ou tanto faz

Brasil de Fato teve acesso ao questionário de uma pesquisa sobre as manifestações recentes











Foto: Reprodução



da Redação

O Brasil de Fato acaba de ter acesso a um questionário, aplicado por volta das 20h de hoje, de uma pesquisa nacional que a Folha de S.Paulo deve divulgar em breve sobre as manifestações recentes. As perguntas tentam traçar um perfil desses participantes: “quais suas motivações”, “suas intenções de voto para 2014”, “partidos de preferência”.

Só que uma chama bastante a atenção: a que pergunta sobre a “forma de governo preferida: democracia, ditadura ou tanto faz”. Além de outra que perguntam sobre a concordância com o voto obrigatório.

Estaria o grupo Folha pavimentando mais uma vez um golpe com “dados técnicos”?

A página Rede Brasil Atual publicou há cerca de um mês e meio atrás que “no feriado de 1º de maio, o instituto de pesquisa Datafolha, dos mesmos donos do jornalão Folha de S.Paulo, divulgou uma pesquisa, restrita à capital paulista, para conferir se os paulistanos apoiariam a implantação de uma ditadura no Brasil.

Na pesquisa, os números estimulados foram:

- 53% dos entrevistados disserem concordar com a afirmação: “democracia é sempre melhor do que qualquer outra forma de governo”.

- 19% escolheram: “em certas circunstâncias, é melhor uma ditadura do que um regime democrático”.

- 20% escolheram: “tanto faz se o governo é uma democracia ou uma ditadura”.

Os 8% restantes se dividem entre quem se declarou explicitamente favorável a uma ditadura e os que respondem “não sei”.

A notícia saiu sob o título “Apoio ao regime democrático tem ligeira queda” e tem viés de pregação antidemocrática. Isso porque, segundo a publicação, houve oscilação nos números em relação há 10 anos atrás, quando 57% dos entrevistados responderam “democracia sempre” e os que responderam “depende das circunstâncias” foram 16%.

Quanto a possibilidade de que pesquisas agora possam estar sendo instrumentalizadas, a página Viomundo republicou um comentário postado por Gilberto Nascimento, no Facebook:

“Há cerca de uma hora, na esquina de casa, vi uma mulher abordando outra para perguntar o que achava das manifestações e quebra-quebra no País e se era a favor do que vinha acontecendo.

Como o assunto me interessou, parei e fiquei um pouco próximo para ouvir do que se tratava. A mulher que perguntava tinha um crachá branco e azul, com o nome do Datafolha.

Minha surpresa foi quando a pesquisadora indagou em quem a mulher votava e se ela gostava da Dilma e do Lula. A entrevistada respondeu que votava e continuaria votando no PT.

Aí, a tal pesquisadora respondeu: “Fala baixo, você pode apanhar”. Cheguei perto e questionei: “como pesquisadora, a senhora não pode interferir nas respostas”. A suposta representante do Datafolha disse que só estava avisando “porque gente do PT estava apanhando ontem na Paulista”.

Respondi novamente: “a senhora quer amedrontar a entrevistada? Quer que ela mude de opinião?”. Peguei o nome da entrevistadora no crachá e disse que iria informar o instituto.

Pelo visto, é assim que se colhe a opinião do povo nas ruas. E preparem-se: nas próximas horas pode sair uma nova pesquisa dizendo que o povo não quer mais a Dilma e o PT no poder.”

P.S. Confira aqui a pesquisa publicada pela Folha no dia 22 de junho. Dois dias depois de escrevermos este texto.