Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Especial Palestina: “Nós sempre estivemos nessa terra”

Taha, um dos fundadores da UAWC, revela sua luta e desconstrói argumentos sionistas











Foto: Brigada Gassan Kanafani



José Coutinho Júnior

enviado especial à Palestina

“Por que todas as cidades da Palestina são dividas entre velhas e novas?”, um visitante pergunta a Taha Jaber Rifaie, um dos fundadores da UAWC (sigla em inglês de União dos Comitês de Trabalho Agrícola). Receptivo, o veterinário de formação fala ao grupo de latino- americanos que havia chegado ao seu escritório, logo ao lado da entrada de sua casa, com calma: “antes vamos jantar. Responderei a todas as perguntas depois de comer”.

Ele abre uma sacola, cujo interior traz uma típica refeição palestina: falafels – um bolinho de grão de bico frito –, homus e pão sírio. Durante um breve momento, o assunto é a comida. Após todos terminarem de comer, Taha entra na casa para voltar, pouco depois, com dois narguilés: um para ele e outro para os visitantes. Calmamente, prepara o aparelho e após dar a primeira tragada, sorri e diz: “o gosto desse é de maçã”.

“Por que as cidades da Palestina são divididas entre velhas e novas, você perguntou? Bem, porque as nossas cidades são antigas e belas. Quando as cidades começaram a se expandir e se tornar mais modernas, quisemos preservar a beleza das cidades velhas, por isso a divisão. Se você percebeu, as cidades novas são construídas em volta das velhas”, responde.

Taha estudou veterinária na Síria, fez um mestrado nos Estados Unidos e outra especialização na Palestina. É casado com uma nicaraguense, e já visitou o Brasil – Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, à época do Fórum Social Mundial.

Sempre esteve envolvido na luta contra a ocupação e auxiliando os camponeses palestinos. Por causa de seu ofício era impedido pelo exército israelense de entrar nas vilas para tratar dos animais, então se infiltrava à noite nas vilas para realizar o tratamento de forma clandestina. Uma vez foi pego pelo exército, mas o soltaram sob uma alegação interessante: “sabemos que você é alguém grande, vamos te pegar por algo grande”.

ONGs

Grande parceiro do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Taha foi um dos articuladores para tornar a UAWC parte da Via Campesina. Para ele, a Palestina precisa de um movimento social forte, para se contrapor à presença e atuação massiva de ONGs. “ONGs e o movimento social são similares. Ambos podem lutar pela mesma coisa. Mas o movimento social constrói e atinge seus objetivos com o povo, enquanto a ONG pensa e executa essas ações pelo povo, sem se importar se elas de fato são o que o povo quer, e sim com a sua agenda, que muitas vezes é a de prestar contas a empresas poderosas”, justifica.

Um exemplo, conta, ocorreu em uma vila na qual as mulheres precisavam sair de suas casas todos os dias para pegar água em um local longe, pela falta de saneamento básico. A ONG realizou um projeto que levou água à vila, e as mulheres imediatamente reclamaram do projeto, pois o momento de pegar a água era a única chance que tinham de sair de casa e socializar com outras mulheres. “O movimento social, pelo contrário, tem a tarefa de conhecer a realidade das pessoas, ver quais são suas necessidades e realizar um trabalho de base para conscientizar e organizar aquela população a lutar pelo que quer. A construção da Via Campesina aqui é fundamental para isso”, afirma.

Primeiros judeus

“A gente devia te convidar para falar em uma universidade na Argentina. Lá a comunidade sionista é muito forte, eles não iam reagir nada bem”, provoca um visitante argentino. “Pode convidar. Não tenho problema em falar com os sionistas. Pelo contrário, adoro desconstruir os argumentos deles”, brinca Taha, antes de contar uma história.

“Um dia a polícia israelense me convocou. Cheguei lá e o soldado disse para eu relaxar. Me sentei e ele começou a falar: ‘eu sei que você é um homem inteligente, só quero conversar gentilmente’. Se fosse para ‘conversarmos gentilmente’, não teria que ser convocado e vir aqui forçado, disse. Ele respondeu: ‘vamos esquecer essa parte. Você precisa entender que essa terra é nossa de direito. ‘Você é da onde?’ – perguntei, e ele falou que era israelense, surpreso. Insisti: ‘não, onde você nasceu?’. Ele afirmou ‘em Israel’, para depois contar que os pais eram da Polônia”.

“Pois bem. Se eu sou palestino e eu, meu pai, meu avô, meu bisavô, meu tataravô e assim por diante nunca saímos dessa terra, então nós fomos os primeiros judeus, que se converteram em islâmicos depois, não concorda? Vocês saíram daqui e agora voltam para cá, mas nós sempre estivemos nessa terra”. Os argumentos utilizados pelos sionistas de que retornaram à sua terra de direito também não fazem sentido, segundo Taha. “Nablus era parte das terras originais, e hoje não está incorporado em Israel. As áreas próximas do mar, por sua vez, eram árabes, e hoje Israel as incorpora. Isso não é religião, é capitalismo”.

Ele garante que a aparente paz que se presencia hoje na Palestina não passa de uma ilusão. “As coisas parecem pacíficas agora, mas não estão. O exército israelense esteve em Albire (território próximo a Ramallah) há alguns dias atrás, onde entrou com força nas casas para prender militantes palestinos”, conta.

Entre um trago e outro, acariciando um de seus gatos, o veterinário faz uma previsão. “Acredito que até 2025 vamos nos livrar da ocupação israelense. A situação está difícil, mas não tão difícil que não podemos superá-la”.