Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Sintracom-BA mobiliza trabalhadores para a Campanha Salarial 2014

De acordo com o sindicato, as mobilizações na porta dos canteiros de obra que acontecem diariamente é uma forma de conscientizar sobre a importância de lutar pelos seus direitos











Divulgação



Do Portal CTB

O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção e da Madeira no Estado da Bahia (Sintracom– BA) já deu início à Campanha Salarial da categoria. O Sintracom está convocando os trabalhadores e trabalhadores do setor a participarem e debaterem os principais pontos da pauta de reivindicações.

De acordo com o Sintracom, as mobilizações na porta dos canteiros de obra que acontecem diariamente é uma forma de conscientizar sobre a importância de lutar pelos seus direitos. É preciso fortalecer a luta, fazer pressão para que as reivindicações sejam garantidas.

O Sindicato revela que este ano todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho serão rediscutidas. Foram entregues 63 propostas, de ordem social, administrativas e econômicas. Já houve algumas reuniões de negociação, com a participação da representação patronal (Sinduscon) e os patrões estão resistentes nas negociações. Das propostas que foram entregue, 20 propostas já foram pré-aprovadas, estas não tem custo para as empresas.

“Como todos os anos, os patrões dificultam na hora de negociar e buscam estratégias para tirar os direitos dos trabalhadores e trabalhadores da construção. Querem implantar banco de horas, para compensar as horas extras e ofereceram apenas 2,5% de reajuste salarial. Isso não pode acontecer. Vamos radicalizar até a greve, se nossas reivindicações não forem atendidas”, destacou o Sintracom em nota.

Principais reivindicações:

• Cesta básica sem limite de número de trabalhadores (as) no canteiro de obra;

• Reajuste de 15%, para obter ganho real diante da inflação de 6,4%;

• Alimentação de qualidade no local de trabalho;

• Transporte gratuito;

• Limitar o Contrato de Experiência para 30 dias;

• Classificação do Ajudante Prático para Profissional, imediatamente depois de seis meses de trabalho;

• Participação de Lucro;

• Seguro em grupo pago pela empresa, com a cobertura de 50 vezes o valor do salário do trabalhador, em caso de acidente fatal ou com sequelas