Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

"Pais não devem aceitar que estudar tem que ser chato"

18/02/2014











Rafael Stedile



por Mariana Desidério

De São Paulo (SP)

Escolas com projetos pedagógicos diferentes ainda são raras no Brasil. Para mudar este quadro, é necessário que a sociedade, em especial os pais, se preocupe com isso. É o que diz a socióloga Helena Singer, especialista em educação e direitos humanos.

“Os pais não devem aceitar facilmente que estudar tem que ser chato. É muito fácil para os pais pensarem que isso faz parte da vida. Eles devem esperar que a criança volte entusiasmada da escola, contente. É isso que os pais deveriam exigir”, afirma.

Helena explica que a lei atual permite que cada unidade escolha a sua proposta de ensino, a forma como avaliar os alunos e a relação que vai ter com as famílias. “Apesar disso, muito pouca inovação se faz. Em geral as escolas seguem aquele padrão velho que já não dá certo, das séries, notas, das disciplinas, distante das comunidades”, avalia.

Para a diretora do Cieja Campo Limpo, Êda Luiz, a necessidade de inovar e de abrir a escola para a comunidade é ainda maior na rede pública. “Trabalhamos muito no Cieja para ter esse lugar aberto, sem chave, porque é um lugar público, então ele tem que ser utilizado pela comunidade. A escola pública deve ser construída pelo coletivo. Quando começar a fechar, começa a privatizar”, afirma.

Eescolas que inovam

EMEF Desembargador Amorim Lima (ensino fundamental) Rua Professor Vicente Peixoto, 50, Butantã. Tel: 3726-1119

EMEI Chácara Sonho Azul (educação infantil) Avenida José Estima Filho, 1205, Jardim Ângela. Tel: 5517-0228

Cieja Campo Limpo (educação de jovens e adultos) Rua Cabo Estácio da Conceição, 176, Pq. Maria Helena. Tel: 5816-3701

EMEI Guia Lopes (educação infantil) Avenida Professor Celestino Bourroul, 358, Limão. Tel: 3966-1082

EMEF Presidente Campos Salles (ensino fundamental) Rua Calheiro Frontini , 87, Heliópolis. Tel: 6947-6723