Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Galeano será leitura básica na Bolívia

A partir de 2011, o livro “As veias abertas da América Latina” deverá ser adotado por todas as escolas do país


Vinicius Mansur
De La Paz na Bolívia


O anúncio foi feito pelo vice-ministro de Descolonização, Félix Cárdenas, durante o 1º Encontro Nacional do Processo de Descolonização, realizado durante esta semana na cidade de La Paz.


Em entrevista ao jornal boliviano Cambio, Cárdenas afirmou que, “a partir de 2011, o Ministério de Educação estabelecerá que a obra de Galeano deve ser necessariamente assumida como um livro base de leitura (…) O livro ‘As Veias abertas da América Latina’ permite ter uma outra visão, já que desestrutura a história colonial da região”, disse Cárdenas. De acordo com o vice-ministro, outros livros serão incluídos, como os do sociólogo Zavaleta Mercado, “que inspiraram a revolução de 52”.


O livro do historiador, escritor e jornalista uruguaio Eduardo Galeano foi publicado em 1971. A obra analisa a história da América Latina desde a colonização européia, com crônicas e narrativas do constante saqueio de recursos naturais da região, divididas em duas partes: “A pobreza do homem como resultado da riqueza da terra” e “O desenvolvimento é uma viagem com mais náufragos que navegantes”.


“As veias abertas da América Latina” também será transformada em música na Bolívia. Segundo Cárdenas, o grupo mexicano Bolas Uriana virá à Bolívia, visitará vários departamentos em encontros, principalmente, com povos indígenas para, então, musicalizar o livro. Também há a intenção por parte do vice-ministério de teatralizar-lo.


Despatriarcalização
Cárdenas também destacou a recente criação da Unidade de Despatriarcalização, como órgão interno do vice-ministério de Descolonização. “Parece insignificante, isso deveria ser um ministério, mas o que estamos fazendo é transgredir as condutas coloniais, porque não se trata de lutar contra o homem a partir do feminismo, senão de desestruturar o patriarcado como forma de poder”.
De acordo com o vice-ministro, a Unidade de Despatriarcalização está conformada por mulheres indígenas, muitas delas ex-congressistas constituintes, eleitas durante o processo que aprovou a atual Constituição boliviana. “A construção da nova Constituição implica isso, desmontar a conduta colonial”, apontou Cárdenas.