Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Telesur, 9 anos

Creio ser justo admitir que a esquerda brasileira tem uma dívida com a Telesur, cujo sinal está acessível ape­nas nas TVs Comunitárias de Brasília, Rio, Florianópolis e Recife








Por Beto Almeida

Em 24 de julho, a Telesur, emissora multi-estatal se­diada na Venezuela, criada por Hugo Chávez para enamo­rar os povos por meio da integração cultural-informativa, completou 9 anos. Nesta data começou a emitir informa­ções também em inglês.

O Brasil ainda não se associou à emissora, embora es­teja no Banco do Sul e na Petrosul. Mas Lula aproveitou o belo programa De Zurda, quando a Telesur, na Copa, es­calou Maradona como brilhante comentarista – para elo­giar tanto o craque como a emissora criada por Chávez. Lula disse que andando pelo mundo, sempre vê o sinal de Telesur e destacou sua função para a democratização e in­tegração informativas.

Recordo um debate sobre mídia na Comissão Brasileira Justiça e Paz, da Conferência Nacional dos Bispos do Bra­sil (CNBB), quando um deputado federal petista e tam­bém jornalista argumentou que “a referência em matéria de comunicação era Lula e não Chávez”. A resposta veio pelo tempo e o vento, com o próprio Lula enaltecendo a Telesur como legado de Chávez. E também porque Lula tem reconhecido que não foi feito, ainda, todo o possível e necessário em matéria de democratização da comuni­cação no Brasil, nos 12 anos do PT no governo. O desa­fio continua.

A Telesur já é captada em sinal aberto e gratuito na Argentina, Bolívia, Equador, Nicarágua, Cuba, e, obvia­mente, Venezuela. É uma das razões das críticas da di­reita ao bolivarianismo, porque democratiza a informa­ção, além de erradicar o analfabetismo, expandir os di­reitos sociais, pagar melhores salários e combater a fo­me e as doenças. E a Telesur, tal como queria Chávez, faz não apenas a narrativa deste processo de transfor­mações, mas é parte dele.

Creio ser justo admitir que a esquerda brasileira tem uma dívida com a Telesur, cujo sinal está acessível ape­nas nas TVs Comunitárias de Brasília, Rio, Florianópolis e Recife. A TV Brasil sequer cumpre o convênio firmado com a Telesur. É hora de uma boa campanha para levar a TV Brasil a fazer parte do esforço de integração que o go­verno brasileiro já vem fazendo. Seria um bom presente de aniversário para a Telesur, essa filhota bonita do Chá­vez. E muito bom para os brasileiros.