Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Embaixador garante que Palestina resistirá aos ataques israelenses

Ibrahim Alzeben cumpriu agenda em Curitiba, capital paranaense, onde ministrou uma palestra para estudantes











Joka Madruga



Por Gustavo Henrique Vidal

De Curitiba (Paraná)

O embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben, garantiu que a população mais antiga do mundo não será extinta. As recentes ondas de ataque ao povo palestino suscitaram dúvidas com relação ao futuro da população, mas Alzeben foi enfático. “Resistiremos pela sobrevivência de um povo”, destacou o embaixador em todas as reuniões e palestras que participou em Curitiba.

Alzeben, que é nascido na Jordânia, também uma das vítimas da ocupação israelense, esteve por três dias no Paraná para conversar com autoridades e estudantes em busca de apoio à luta pela liberdade e independência da Palestina.

Após reuniões com o prefeito Gustavo Fruet, o vice-governador, Flávio Arns, e o presidente da Câmara, vereador Paulo Salamuni, o embaixador falou para quase 500 pessoas na Faculdade Uninter.

“Esse contato com outros países é importante para elevarmos o apoio internacional contra a invasão de Israel. A Palestina vai recorrer aos tribunais internacionais pelo fim do genocídio e por sua liberdade”, afirmou Alzeben.

“Não estamos numa luta religiosa. A guerra, instaurada muito mais pela vontade dos israelenses visando o controle do território, é política. A religião judaica ou a islamita não tem nada a ver com esse conflito”, completou.

Apoio no Paraná

Em 2014, a Organização das Nações Unidas decretou o “Ano Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina” e as embaixadas do país pelo mundo têm buscado ações com aliados para a reconstrução das cidades e doações de alimentos às famílias palestinas.

“Com as investidas de Israel cada vez mais brutais, aumenta o sofrimento e a dificuldade de sobrevivência”, explicou Alzeben.

Flávio Arns e Gustavo Fruet afirmaram que estudarão ações para campanhas solidárias à Palestina encampadas pelos governos.

Na Câmara de Vereadores, o embaixador recebeu um compromisso de parlamentares locais. “Vamos propor um projeto de Lei que nomeie uma cidade-irmã de Curitiba”, afirmou o vereador Jorge Bernadi, que acompanhou a audiência.

Nablus, cidade localizada ao norte da Cisjordânia, foi escolhida como a possível irmã da capital do Paraná.

Redes sociais

A crueldade dos ataques de Israel tem dificultado cada vez mais que as investidas sejam negadas pela grande mídia. Historicamente, a imprensa comercial mostra um viés de “defesa” judaica aos ataques do Hamas do que os ataques iniciados pelos israelenses.

“Esse genocídio não pode mais ser escondido. As empresas de comunicação que ‘encobriam’ a verdade hoje precisam publicar o que aparece pelas mídias sociais, sob risco de descrédito”, ressalta Alzeben.

As redes sociais, aliás, viraram as grandes aliadas. Conectados, palestinos alimentam com informações os movimentos aliados e personalidades mundiais mostrando “o outro lado”, o lado real.