Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Globo, Band, Folha na lista de contas secretas no HSBC

Empresários da comunicação do Brasil no centro de um dos maiores escândalos de corrupção do mundo











Pablo Vergara



Por Pedro Rafael Vilela

de Brasília (DF)

Acostumados a denunciar escândalos de corrupção e exigir moralidade dos políticos, alguns dos maiores grupos de mídia do país se veem agora no papel de vilões. É que pelo menos 22 empresários da mídia ou parentes deles e sete jornalistas estão entre os mais de oito mil brasileiros que mantiveram contas no HSBC da Suíça em 2006 e 2007. Na lista, divulgada semana passada, constam os nomes ligados à Rede Globo, Bandeirantes, jornal Folha de S. Paulo, grupo Abril, entre outros.

Os proprietários do Grupo Folha/UOL, Octavio Frias de Oliveira e Carlos Caldeira Filho, ambos falecidos, tiveram conta conjunta no HSBC, cujo beneficiário é o atual presidente da empresa, Luiz Frias. Entre 2006 e 2007, a conta já aparecia inativa e zerada. Luiz Frias (atual presidente da Folha e presidente/CEO do UOL) aparece como beneficiário da mesma conta, que foi criada em 1990 e oficialmente encerrada em 1998. Em 2006/2007, os arquivos do banco ainda mantinham os registros, mas, no período, ela estava inativa e zerada.

A família Saad, proprietária da Rede Bandeirantes, também tinha contas no HSBC na época em que os arquivos foram vazados. Entre os correntistas, aparecem o fundador da empresa, João Jorge Saad, a esposa, o filho e uma sobrinha.

LILY MARINHO

Lily de Carvalho, viúva de dois jornalistas e donos de jornais, Horácio de Carvalho (1908-1983) e Roberto Marinho (1904-2003), aparece na lista. Horácio de Carvalho foi proprietário do extinto “Diário Carioca” e Roberto Marinho foi dono das Organizações Globo, hoje Grupo Globo. O nome de Lily surge nos documentos com o sobrenome de Horácio, seu primeiro marido, e o representante legal da conta junto ao HSBC é a Fundação Horácio de Carvalho Jr. O saldo registrado em 2006/2007 era de 750 mil dólares. Lily morreu em 2011.

Os donos da TV Verdes Mares (afiliada da Globo no Ceará) e do “Diário do Nordeste” também aparecem como correntistas do HSBC. O saldo da conta em 2007 era uma fortuna de quase 84 milhões de dólares. Fortuna também mantinha o empresário Aloysio de Andrade Faria, do grupo Transamérica de rádio, com saldo em conta de 120 milhões de dólares.

RATINHO

O apresentador de TV Carlos Roberto Massa, conhecido como Ratinho e dono da “Rede Massa” (afiliada ao SBT no Paraná) tinha uma conta com sua mulher, Solange Martinez Massa, em 2006/2007. O saldo era de US$ 12,5 milhões. Diversos outros diretores e herdeiros de veículos de comunicação, além de jornalistas, aparecem na lista.

O caso veio à tona quando um ex-funcionário do banco, Hervé Falciani, vazou documentos que revelam como o banco orientou e ajudou milhares de clientes a aplicar volumosas quantias em dinheiro provenientes de sonegação de impostos e evasão de divisas, além de facilitar a abertura de contas secretas para depositar dinheiro do tráfico de drogas e da corrupção. No total, o banco inglês acobertou mais de 106 mil pessoas, num valor de 120 bilhões de dólares (mais de 334 bilhões de reais). Desse montante, mais de 6 mil contas bancárias estão associadas a 8.667 brasileiros, somando mais de 7 bilhões de dólares (R$ 19 bilhões).

OLIGOPÓLIO DA MÍDIA

Para a coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), Rosane Bertotti, o envolvimento de empresários da mídia ilustra é uma expressão do oligopólio da mídia no Brasil. “A concentração da mídia, leva a concentração da riqueza. Tudo isso reafirma, mais uma vez, que a falta de diversidade e pluralidade nos meios de comunicação afeta a própria economia, o desenvolvimento e os interesses do país”.

INVESTIGAÇÃO HSBC

Possuir uma conta na Suíça, um popular paraíso fiscal, não é crime, mas é obrigatório declarar o dinheiro à Receita para que a quantias sejam tributadas. Ao sonegar os valores, o cidadão comete crime de evasão de divisas e pode pegar de dois a seis anos de prisão. Visando apurar o caso, o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) conseguiu assinaturas suficientes para criação da CPI do HSBC, que deve ser instalada nos próximos dias.

“Tem que ser feita a seguinte pergunta à Secretaria da Receita Federal: quantos fizeram a declaração ao Imposto de Renda sobre depósito no exterior? Assim poderemos verificar se cometeram ou não o crime de evasão fiscal”, aponta o senador.