Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Com domínio de idiomas, refugiados lecionam em escola onde aprenderam português em SP

Há seis meses no Brasil, sírio Ammanuel Ouba ensina inglês e senegalês Papa Ba é professor de francês na escola de idiomas do centro de pesquisas BibliASPA.



Por Dodô Calixto,

Do OperaMundi

Sírio Ammanuel Ouba ministra aulas de inglês no centro de sp | Foto: Reprodução

As aulas de idiomas começam pontualmente às 19h30 na BibliASPA (Bibilioteca e Centro de Pesquisa América do Sul - Países Árabes), na região central de SP. Na língua inglesa, quem ministra a atividade é o professor Ammanuel Ouba. O jovem sírio, 21 anos, veio ao Brasil em agosto de 2015 para escapar da guerra. Ainda aprendendo a falar português, conseguiu emprego como professor.

“As aulas são ótimas e gosto muito de ser professor. Já tive essa experiência antes de vir ao Brasil. Sempre estudei a língua inglesa enquanto morava na Síria, me envolvendo na cultura, na TV, na música inglesa, lendo muito no idioma. Quero fazer o mesmo com o português”, explica o refugiado.

No segundo andar da BibliASPA, o senegalês Papa Ba conduz a aula de francês. Formado em Letras no Senegal, o professor de 28 anos já ensinava a língua francesa para crianças e adolescentes antes de chegar ao Brasil. Em São Paulo, pretende dar continuidade à carreira, interrompida pelos conflitos no país de origem.

“Além da língua francesa, pretendo ensinar história e cultura africana aqui no Brasil. Não importa se você é refugiado ou estrangeiro, o que importa é trazer conhecimento. Vim em busca do desafio”, afirma Papa Ba.


Refugiados no Brasil, Papa Ba e Ammanuel foram contratados para ministrar cursos intensivos de férias. Três vezes por semana até o fim de fevereiro, serão os responsáveis por turmas de até 10 alunos.

Em comum, recordam a chance que tiveram em 2015 de estudar português na BibliASPA, o que garantiu mais tarde a oportunidade como professores.

“Foi muito bom estudar português, pois sem o idioma é difícil conseguir trabalho. Como sou formado em Letras, sei o quanto a linguagem faz diferença”, afirma Papa Ba.

Agora professores, Papa Ba e Ammanuel fazem parte do grupo de estrangeiros que chegam ao Brasil com bagagem acadêmica e experiência profissional, mas enfrentam dificuldades para encontrar empregos.

Com a falta de domínio da língua portuguesa e dificuldade em comprovar a equivalência de diploma, os refugiados demoram meses até conseguir a primeira oportunidade profissional.

Para Papa Ba e Ammanuel, o emprego na BibliASPA é o primeiro em seis meses no país. “Esse tipo de oportunidade beneficia os dois lados, brasileiros e refugiados. Em situação de crise, como a que vivemos no Brasil, é muito difícil para o estrangeiro conseguir emprego. Parte dos que chegam ao país vai trabalhar em posições que não correspondem com a formação que eles possuem. Com as vagas para professor, temos geração de renda para esses refugiados e proporcionamos um curso de idioma rico, com a bagagem cultural de cada um”, afirma Paulo Daniel Farah, professor da USP e presidente da BibliASPA.

Falar o idioma é apenas um dos requisitos para trabalhar como professor na BibliASPA. Papa Ba e Ammanuel passaram por treinamentos e processo seletivo para comprovar que podiam ministrar os cursos.

“Temos um trabalho de 14 anos com estrangeiros e refugiados, preparando cursos de idiomas e cultura africana e árabe. Asseguramos que ninguém chega à sala de aula sem preparo. Buscamos um bom plano, separação do material, vídeos e músicas, etc. Nesse sentido, criamos uma metodologia própria, com ênfase na comunicação e na cultura. A língua é algo e vivo e usamos a experiência cultural desses refugiados para proporcionar esses cursos de idioma. Todos são beneficiados”, explica Farah.

“Vejo que não são muitos brasileiros que buscam aprender a língua francesa. Fico muito feliz de saber que as pessoas querem estudar aqui com a gente”, diz Papa Ba. “O Brasil nos recebeu muito bem. Queremos retribuir”, conclui Ammanuel.

Serviço:

BibliASPA Programa de Língua e Cultura Árabe

Novas turmas em fevereiro.

Inscrições no site

Endereço: R. Baronesa de Itu, 639, Santa Cecília, São Paulo-SP