Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Lula sinaliza que irá às bases sociais e nega participação em esquemas de corrupção

Em entrevista coletiva na sede nacional do PT, ex-presidente afirma estar indignado com "pirotecnia" em torno da operação da Polícia Federal.


Da Redação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, na tarde desta sexta-feira (4), ter ficado indignado com as ações da Policia Federal, no âmbito da Operação Lava Jato, que o obrigaram a ir depor na sede da PF no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

No discurso, na sede do Partido dos Trabalhadores, no centro da capital paulista, Lula afirmou estar disponível para partidos, movimentos sociais e sindicatos para percorrer todo o país, em uma clara mensagem de que pretende reorganizar suas bases sociais.

“Eu descobri que nem tudo está acabado. É preciso recomeçar”, falou. “O que eles fizeram com esse ato de hoje é que, a partir da próxima semana, CUT, PT, sem-terra, PCdoB, me convidem, que eu vou andar esse país”, afirmou.

No entanto, ele disse não saber se será ou não candidato na disputa eleitoral às eleições presidenciais de 2018.

Operação da PF

Foto Crédito: Reprodução

O ex-presidente negou ser dono do apartamento do Guarujá, ter recebido dinheiro ou se beneficiado de esquemas de corrupção. Para ele, a ação foi “pirotécnica” e desnecessária já que ele teria comparecido se tivesse sido convidado a ir até Curitiba, onde as investigações estão sob a responsabilidade do juiz federal Sérgio Moro.

Lula atribuiu o interesse de setores da mídia e das elites em criminalizar ele e o PT na não aceitação dos avanços sociais obtidos em seu governo. Além do preconceito com sua própria trajetória pessoal, como sobrevivente da fome e por ter sido metalúrgico.

“Eu me senti prisioneiro hoje de manhã. Não sou de guardar mágoa, ressentimento, mas nosso país não pode continuar amedrontado e ver juiz ganhar prêmio da Rede Globo, da revista Veja e depois ter que continuar prestando contas”, afirmou Lula, se referindo ao fato de que antes mesmo quee seus advogados soubessem da ação, veículos da imprensa já sabiam da operação da PF, que começou às 6h, na casa dele, em São Bernardo do Campo (SP).

Lula ainda se desculpou com outras pessoas que foram obrigadas a depor ou estão sendo investigadas por terem relações com ele. ”Ser amigo de Lula é uma coisa criminosa”, pontuou.

Instituto

Em nota, o instituto Lula, declarou que “a violência praticada hoje contra o ex-presidente Lula e sua família, contra o Instituto Lula, a ex-deputada Clara Ant e outros cidadãos ligados ao ex-presidente, é uma agressão ao Estado de Direito que atinge toda sociedade brasileira”.

A nota também crítica a forma como a operação vem sendo conduzida, “A ação da chamada Força Tarefa da Lava Jato é arbitrária, ilegal, e injustificável, além de constituir grave afronta ao Supremo Tribunal Federal”.

Além de Lula, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, também foi levado coercivamente a depor. Outros alvos dessa fase da Lava Jato são a mulher dele, Marisa, os filhos Marcos Cláudio, Fábio Luis e Sandro Luis, e a nora Marlene Araújo.

Na lista de alvos ainda estão os empresários Fernando Bittar e Jonas Leite Suassuna Filho. Entre as empresas, há a empreiteira OAS e a Gamecorp.