Brasil de Fato

Uma Visão Popular do Brasil e do Mundo

Falece o biblista Milton Schwantes

Ele foi um dos principais nomes do método de leitura popular da Bíblia na América Latina e autor de diversos livros











Reprodução



Da redação

Faleceu na madrugada desta quinta-feira (01) o biblista Milton Schwantes.

Natural de Tapera, no Rio Grande do Sul, Milton Schwantes foi teólogo e pastor da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). Biblista, Schwantes foi um dos principais nomes do método de leitura popular da Bíblia na América Latina e autor de diversos livros, alguns traduzidos em espanhol, alemão e inglês.

Formado em Teologia pela Escola Superior de Teologia (EST) em 1970, ele fez seu doutorado em Bíblia na Universidade de Heidelberg, na Alemanha.

Ele também coordenou o projeto Bibliografia Bíblia Latino-Americana e foi editor da Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana (Ribla). Tem no seu currículo a publicação de vários livros, entre eles “História de Israel”, “As monarquias no Antigo Israel”, “A terra não pode suportar suas palavras”, “Dignidade Humana e Paz”, “Dicionário Hebraico-Português e Aramaico-Português”, esses dois últimos junto com outros autores.

Em 1988, ingressou no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp).

Apesar dos vários títulos de Doutor Honoris Causa concedidos por diversas universidades, enquanto teve forças, continuou assessorando grupos e comunidades.

A contribuição de Milton Schwantes à Leitura Popular da Bíblia e à trajetória do Centro de Estudos Bíblicos (Cebi) foi muito grande, como lembra a atual diretora nacional da instituição, Adeodata Maria dos Anjos. “Ficamos sem mais um profeta”, afirma. Segundo ela, “sua voz silenciou, mas continuará ecoando e transformando corações”.

A pastora Elaine Neuenfeldt, ex-diretora nacional do Cebi, conta que a figura do biblista foi inspiradora: “Milton foi inspirador de muito de nós, estudantes de Bíblia, aprendizes da leitura popular; particularmente, devo muitas das minhas reflexões no Antigo Testamento ao trabalho do Milton”, afirma.

Elaine também recorda que o biblista foi um dos primeiros na Escola Superior de Teologia a propor um Curso de Aprofundamento Teológico sobre mulheres no AT. “O movimento de leitura popular da Bíblia e a pesquisa bíblica perde um dos seus grandes nomes, um luterano brasileiro que deixa um legado muito importante pra nós”, diz.

Em nota, a presidência da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) afirma que Milton ”marcou a vida de gerações de estudantes de Teologia. E são marcas que não somente nos acompanham, mas determinam em boa medida o nosso labor teológico”.

Milton viveu os últimos anos de sua vida com sérios problemas de saúde. Desde agosto de 2002, depois de uma delicada cirurgia para retirada de um tumor na hipófise, conviveu com sobriedade com graves limites físicos. Os últimos dois meses passou hospitalizado.