Música

Setenta anos de Asa Branca: o hino do Rei do Baião

Na canção, Luiz Gonzaga retrata a história de luta e resistência do povo sertanejo

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
“É a música representativa do povo brasileiro, da luta do povo brasileiro, desse grande compositor, Luiz Gonzaga, o Rei do Baião" / Ilustração: Arievaldo Viana

“Quando olhei a terra ardendo, quão fogueira de São João. Eu perguntei a Deus do céu, uai! Por que tamanha judiação?”. Esses famosos versos da composição de Humberto Teixeira são trilha sonora tradicional dos festejos pernambucanos. A poesia da música “Asa Branca”, que caracteriza tão bem a história de luta e resistência do povo sertanejo brasileiro, completa, neste mês de maio, 70 anos de seu lançamento. O rural nordestino não é mais o mesmo de sete décadas atrás. Por exemplo, o percentual de migrações diminuiu. Ao mesmo tempo, a música segue imortalizada, firme nas identidades sertanejas, ultrapassando fronteiras de territórios, estéticas e gerações.

Em 1947, a composição era desacreditada pelos donos da gravadora RCA Victor. A canção triste que retrata o ciclo das migrações do homem nordestino precisou de uma, digamos, forcinha, para que fosse aceita pela gravadora. “Luiz Gonzaga disse: ‘se não gravar essa música aqui, eu saio da RCA Victor’. E aí os Victors começaram: ‘não, manda ele gravar…’. Quando gravaram, a música deu esse estouro que foi”, declara José Mário Austragésilo, professor, comunicador social, escritor e ator.

Também autor do livro “Luiz Gonzaga: o homem, sua terra e sua luta”, José Mário afirma que um dos pontos marcantes na carreira de Luiz Gonzaga foi a valorização da identidade cultural local. Com esta marca, o Rei do Baião ganhou o mundo. “É a música representativa do povo brasileiro, da luta do povo brasileiro, desse grande compositor, Luiz Gonzaga, o Rei do Baião. Asa Branca é a música mais importante do repertório dele. Claro que ele tem outras, mas Asa Branca é a grande bandeira da Música Popular Brasileira. Merece ser considerada o hino da MPB”, completa o escritor.

Do litoral ao sertão, Asa Branca sempre remete a alguma memória da vida e cultura de quem é pernambucano. Para Val dos Santos, uma trabalhadora que mora no Recife, ouvir e cantar Asa Branca representa o regaste a histórias de antepassados: “Eu sinto saudade do que eu não conheci. Lembrança de um passado que eu não conheci. Tristeza também por muitas coisas que a gente sabe, que não existe mais. E o que está se acabando por aí. O sertão é como se não existisse para o mundo aí fora. Os políticos não valorizam o nosso sertão”.

Próximo de Exu, cidade natal de Luiz Gonzaga, no município de Triunfo, no sertão do Pajeú pernambucano, o jovem Erisson Martins, além de estudar Agronomia, toca violão e canta um repertório musical variado. “Não é apenas uma simples música, com uma simples letra, com uma melodia. É uma belíssima poesia popular, que ficou muito bem encaixada dentro de uma estrutura melódica, muito bem feita pelo nosso Rei do Baião. É uma letra que retrata muito a vida do sertanejo, a vida das pessoas que moram no campo. A vida das pessoas que viveram aquela época na qual a música foi escrita”, afirma Erisson.

Décadas atrás, Manoel Mourão também deixou a região Nordeste rumo ao Sudeste e Sul. A situação foi diferente. Manoel Mourão é alagoano e ex-jogador de futebol. Nos gramados, ficou conhecido ao assumir a lateral-esquerda como Mourão. Ele fala sobre o sentimento de ouvir Asa Branca ao longo dos anos, em diferentes localidades: “Asa Branca é o hino do sertanejo. Sinceramente. Se canta em todo canto. É imortal. Ninguém jamais esqueceu. É espetacular. Principalmente naquele vozeirão de Luiz Gonzaga e de outros e outras da época”.

Mourão tem toda a razão. Diversas foram as vozes que cantaram Asa Branca. Além do próprio filho do Rei do Baião, Gonzaguinha, podemos listar alguns vários nomes da música popular brasileira que gravaram Asa Branca: Nelson Gonçalves, Maria Bethânia, Zé Ramalho, Tom Zé, Lulu Santos, Fagner, Caetano Veloso, Raul Seixas, Quinteto Violado… e muitos outros do Brasil ou do exterior. Asa Branca já foi gravada em inglês e até em japonês.

Luiz Gonzaga chegou, inclusive, a gravar uma continuação para seu hino sertanejo. “A Volta da Asa Branca” conta a história do retorno do retirante e da sua nova vida no Nordeste: “A seca fez eu desertar da minha terra, mas felizmente Deus agora se alembrou de mandar chuva pr'esse sertão sofredor, sertão das mulher séria e dos homens trabalhador”.

Edição: Monyse Ravena