GOL CONTRA

México repete LGBTfobia e brasileiros assediam mulheres

Comportamento desrespeitoso de torcedores é ponto mais negativo na primeira semana de Copa

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
Gritos homofóbicos da torcida mexicana eram direcionados aos jogadores / Reprodução FIFA

O mais lamentável nestes primeiros dias de Copa do Mundo foi o comportamento de brasileiros em relação às russas. E com um pernambucano nos destaques negativos. O advogado Diego Valença, ex-secretário de Turismo do município do Ipojuca, aparece em vídeo ao lado de outros brasileiros que, se aproveitando da barreira do idioma, cercam uma mulher russa enquanto gritam palavras de assédio. Diego Valença é filiado a dois partidos: ao PSB e ao PSDC. Ele tem pretensões de se candidatar a deputado estadual pela segunda sigla.

Um dos outros homens identificado no vídeo não é pernambucano, mas tem passagem pelo nosso estado. É o piauiense Luciano Gil Mendes Coelho, que trabalha como inspetor do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) do Piauí. Ele já foi preso em Pernambuco, no ano de 2015, por suspeita de fraudar licitações quando trabalhava para a Prefeitura de Araripina, no sertão do estado. Um terceiro homem identificado no vídeo é o Policial Militar catarinense Eduardo Nunes.

Há pelo menos outros dois vídeos com desrespeitos do tipo. Num deles, um rapaz pede que garotas russas repitam frases cujo significado elas não sabem e noutro uma aeromoça, durante o exercício do trabalho, é alvo de assédio por parte de passageiros brasileiros dentro de um avião.

LGBTfobia

Já vimos isso durante a Copa do Mundo 2014, aqui no Brasil. O goleiro vai cobrar o tiro de meta e a torcida do México grita, em coro, insultos homofóbicos. Os brasileiros copiaram e, nos últimos anos, vimos torcidas repetirem – inclusive a do Santa Cruz, já em 2018 – o grito de “bicha”. É um dos tristes legados da Copa. Nos jogos da Seleção brasileira durante as Eliminatórias da Copa também vimos esse comportamento, o que já gerou multas contra a CBF. Nesta Copa 2018 os mexicanos voltaram a fazê-lo, na estreia contra a Alemanha. A FIFA anunciou que vai multar a Federação Mexicana, que nos últimos 4 anos já pagou 7 multas pelo mesmo motivo.

Edição: Monyse Ravenna