Outro olhar

Mostra de Cinema Negro acontece neste final de semana na Cinemateca de Curitiba

Com entrada gratuita, evento independente é organizado por estudantes negros da Faculdade de Cinema da cidade

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Longa-metragem "Ela volta na quinta", do realizador André Novais, é o filme de abertura da mostra / Divulgação

De hoje a domingo (27, 28 e 29) acontece na Cinemateca de Curitiba a “Mostra de Cinema Negro Brasileiro”. Organizado por estudantes negros de cinema e audiovisual da Faculdade de Artes do Paraná, a mostra propõe uma nova construção de olhares e narrativas.

Conforme contam os organizadores, o projeto surgiu de uma necessidade dos alunos de cinema de acessar um direito simples assegurado desde sempre à branquitude: se ver nas telas. “Nossa identidade é formada a partir do olhar do outro e desde pequenos somos bombardeados com imagens estereotipadas de pessoas negras nas novelas e no cinema”, explica Bea Gerolin.

Ao todo, são mais de 20 filmes, curtas e longas-metragens em várias sessões ao longo da mostra. O grupo mapeou filmes realizados nos últimos anos em contextos vários: construídos nas periferias, universidades e quilombos, dentro e fora de casa, que garantissem direção e protagonismo negro.

“Como no dogma Feijoada, criado em 2001 por Jeferson De, buscamos filmes em que se represente o cidadão comum, que não transforme a pessoa negra nem em herói nem em um sujeito inferior. A necessidade de criar imagens nossas vivendo situações e dramas comuns ainda existe, mesmo anos depois. Nos interessa olhar para esses filmes e ter nosso olhar devolvido, como um espelho que nunca mostrou nossa cara”, reforça.

Mesas de debates

Além das exibições, a mostra também se propõe a debater, pensar e questionar esse cenário. Já na abertura do evento, a mesa com o tema “O que é Cinema Negro?” será guiada pelo curador e crítico de cinema, dentre outros canais, do site Urso de Lata, Heitor Augusto e a cientista social Karol Martins, trazendo um panorama sobre pensamentos e representações propostas e apresentadas pelo Cinema Negro, especialmente o Cinema Brasileiro.

No sábado, o debate será sobre "A representação das mulheres negras no Cinema brasileiro contemporâneo", sendo conduzido pela produtora e realizadora Ana Esperança, pela atriz e realizadora Dandara de Morais e a roteirista Jaqueline M. Souza, responsável também pelo site Tertúlia Narrativa.

Para fechar, no domingo duas mesas acontecerão: "Como as representações no audiovisual influenciam o imaginário da criança negra?" será puxada pelo professor/psicólogo Cloves Amorim e a pesquisadora do tema Kariny Martins. E, finalizando o evento, “(R)existindo: como é ser negro e estudar cinema?”, com estudantes negros do curso de Cinema da Unespar-Fap.

A mostra é realizada de maneira independente, financiada por uma vaquinha online de 2 mil reais para arcar com as despesas dos convidados das mesas de debate. Toda a produção, curadoria e divulgação está sendo feita pelos estudantes da Faculdade de Artes do Paraná.



Serviço

Quando: 27, 28 e 28 de julho

Local: Cinemateca Curitiba-PR | R. Presidente Carlos Cavalcanti, 1174

Quanto: Gratuito



Confira a programação:

27/07 - Sexta-feira

19h - Mesa de Abertura: “O que é Cinema Negro?” Com: Heitor Augusto e Karol Martins.

20h30 - Filme de abertura: Ela Volta na Quinta, de André Novais Oliveira (2015, 1h48)

 

28/07 – Sábado

17h30 -  Sessão 1

Caixa d'água: Qui-Lombo é Esse?, de Everlane Moraes - (2012, 15min)

Cinema de preto, de Danddara - (2004, 11min)

No espelho do outro, de Kariny Martins - (2018, 16min)

Fantasmas, de André Novais Oliveira - (2010, 11min)

Deus, de Vinícius Silva - (2017, 25min)

Travessia, de Safira Moreira - (2017, 5min)

 

19h -  Sessão 2

Nada, de Gabriel Martins - (2017, 27min)

Chico, dos Irmãos Carvalho - (2016, 22min)

Bup, de Dandara de Morais - (2018, 7min)

Barbie contra ataca!, de Yan Whately - (2016, 10min)

[Des]prendidas, de Ana Esperança - (2017, 26min)

20h30 - MESA: A representação das mulheres negras no Cinema brasileiro contemporâneo. Com: Ana Esperança, Dandara de Morais e Jaqueline M. Souza.

 

29/07 – Domingo

16h - Sessão de curtas infantis

A piscina de Caíque, de Raphael Gustavo da Silva (2017, 15min)

A câmera de João, de Tothi Cardoso (2017, 22min)

Lá do alto, de Luciano Vidigal (2017, 8min)

Fábula de Vó Ita, de Joyce Prado e Thallita Oshiro (2016, 5min)

Lápis de Cor, de Larissa Fulana de Tal (2014, 13min)

17h30 - MESA: Como as representações no audiovisual influenciam o imaginário da criança negra? Com: Kariny Martins.

 

18h30 - Sessão 2

Peripatético, de Jéssica Queiroz - (2017, 15min)

Dentro de si, de Tulio Borges - (2018, 14min)

Pele suja, minha carne, de Bruno Ribeiro - (2016, 15min)

Copiloto, de Andrei Bueno Carvalho - (2018, 17min)

Cinzas, de Larissa Fulana de Tal - (2015, 15min)

Rapsódia para um homem negro, de Gabriel Martins - (2015, 25min)

20h15 - Mesa de encerramento: (R)existindo: como é ser negro e estudar cinema?”, com  estudantes negrxs do curso de Cinema da Unespar-Fap.

 

Edição: Laís Melo